O que se espera de um filme de ação? No mínimo que tenha boas cenas de ação não é? E quando o filme não consegue atingir nem essa expectativa?

Bloodshot tem a cara de um filme de ação dos anos 90, mais não chega a atingir aquele nível “ruim, mas eu me divirto vendo”. E a história parte de uma premissa que também não é muito original: Ray Garrison (Diesel) é um soldado que foi abatido e revivido por uma empresa de tecnologia que o usam como uma máquina de matar.

Embora goste muito dos filmes do Vin Diesel e de ação num geral, este foi um filme angustiante de assistir e ficou claro que eu não sou o público alvo do filme. Mas ainda assim, o longa é problemático. Filme parece ter parado no tempo e, ao invés de utilizar os filmes como referência, Bloodshot parece só perdido no tempo.

A escolha de Vin Diesel para o papel não salvou o roteiro repleto de clichês e “piadas vergonha alheia”. Os diálogos são um festival de frases para ressaltar o quanto ele é machão, vingativo e viril. As piadas tentam trazer um pouco de leveza à uma história que tende a se levar á sério demais e acabam ficando cansativas, por exemplo, piada sobre o membro masculino dita ao menos quatro vezes!

Produção conseguiu pegar tudo de errado que tinha com o personagem publicado pela Valiant e ampliar. E vale lembrar que, Bloodshot por si só, já não é de uma originalidade absoluta nas HQs. Com uma origem que mistura alguns clichês e que lembra as de Wolverine e Justiceiro, o herói nunca conseguiu alcançar tamanha popularidade.

Os atores coadjuvantes Sam Heughan (Outlander), Alex Hernandez e Guy Pierce (Amnésia) não conseguem salvar seus personagens rasos e ficamos em dúvida qual é a real motivação do chefão da RST. Ao menos Sam consegue fazer com que odiemos seu personagem, o que faz sentido, já que é um capanga do vilão.

As cenas de ação dirigidas pelo novato Dave Wilson (este é o primeiro longa dele) são mal filmadas e por vezes confusas, deixando a principal parte do filme de ação, difíceis de assistir. O CGI dessas cenas é desperdiçado, deixando o dublê aparente e parecendo um game inacabado.

Bloodshot não foi um bom começo para a Valiant nos cinemas. A continuação (se houver) precisa ainda encontrar um tom para esse personagem, pois nesta primeira tentativa ele não conquista.

Bloodshot
Direção: Dave Wilson (III)
Roteiro: Eric Heisserer e Jeff Wadlow
Trilha sonora: Steve Jablonsky
Fotografia: Jacques Jouffret
Elenco: Vin Diesel, Guy Pearce, Sam Heughan, Eiza González, Lamorne Morris, Alex Hernandez
Estúdios: Sony Pictures Entertainment, Bona Film Group, Cross Creek Pictures, Mimran Schur Pictures, Original Film, The Hideaway Entertainment, Valiant Entertainment
Distribuição nacional: Sony Pictures

Nós Assistimos: Bloodshothttps://impulsohq.com/wp-content/uploads/2020/03/bloodshot-sony-valiant-vin-diesel.jpghttps://impulsohq.com/wp-content/uploads/2020/03/bloodshot-sony-valiant-vin-diesel-150x150.jpgLaís Tigrefilmes & sériesnós assistimosAlex Hernandez,Bloodshot,Dave Wilson,Eiza González,Eric Heisserer,Guy Pearce,Jacques Jouffret,Jeff Wadlow,Lamorne Morris,Ray Garrison,Sam Heughan,Sony Pictures,Steve Jablonsky,Valiant,vin dieselFacebook Twitter Instagram Youtube O que se espera de um filme de ação? No mínimo que tenha boas cenas de ação não é? E quando o filme não consegue atingir nem essa expectativa? Bloodshot tem a cara de um filme de ação dos anos 90, mais não chega a atingir aquele nível “ruim, mas...O Impulso HQ é um site e canal no YouTube dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!