A primeira vez que li Luiz Gê foi no “O Bicho #2” (gibi editado pelo cartunista Fortuna) de março de 1975. Era uma estória verídica, e um balão no alto…
Continue Reading