penadinho-vida-capaAlgumas vezes quando acordo no meio da noite, ao voltar para o quarto o Penadinho quase sempre me prega um susto. Explico: tenho já há alguns anos um boneco do personagem que brilha no escuro. De vez em quando me esqueço disso e a fantasmagórica luminosidade me dá arrepios.

Do personagem, não lembro a primeira vez que li, mas deve ter sido nas páginas da Folhinha de S. Paulo, pois meu irmão comprava o jornal e eu ficava com o encarte, mas recordo de uma antiga propaganda de televisão que passava quando eu tinha 10 anos e me divertia muito: o Penadinho e outro fantasminha conversam no cemitério sobre um produto, no final com uma voz lúgubre, o locutor dizia “é do outro mundo!!!” e os dois fantasmas se abraçam assustados.

Foi nessa mesma época que comprei o boneco do Penadinho e levei para casa o volume 1 das tiras clássicas da Turma da Mônica, tá lá numa tirinha de 1963 a primeira aparição do personagem que era chamado de fantasminha pelo o seu criador, Maurício de Sousa.

GraphicPenadinho_canja1Apesar de viver em um cemitério e ser um fantasma as histórias do Penadinho dificilmente enfocam o terror, pelo contrário, sempre foram leves e descontraídas. Logo, os fãs estavam ansiosos para o primeiro lançamento de 2015 do projeto Graphic MSP, justamente focando nesse personagem, e quando revelado o título à expectativa ficou ainda maior: Vida.

Teria Paulo Crumbim e Cristina Eiko, autores conhecidos no cenário dos quadrinhos independentes e escolhidos pelo editor responsável pelo selo Graphic MSP, Sidney Gusman, dar um direcionamento de carne e osso para o fantasminha?

O casal Crumbim e Eiko mostraram que não há limites quando se trabalha com liberdade e criatividade. E honestamente, essa foi uma das histórias mais sinceras de amor que li ultimamente. Sim, é uma história de amor. O amor de Penadinho por Alminha. Mas, o grande mérito dessa publicação é que você pode ter outras interpretações. Me lembrou muito até os filmes da Pixar que aparentemente são para as crianças, mas que no final acabam tocando profundamente os adultos.

penadinho-vida-paulo-crumbim-cristina-eiko-graphic-msp-preview-7Crumbim e Eiko, revisitando a turma do cemitério, contam uma história de amizade. Frank, Zé Vampir, Muminho e Cranicola estão todos ali, e cheio de personalidades (até mais no que nos quadrinhos tradicionais de Maurício de Sousa), e provam que o companheirismo supera inúmeras barreiras, inclusive a morte.

Falando em morte, os autores foram muito felizes em nos apresentarem a Dona Morte e Dona Cegonha de maneira impactante. A mudança de estilo ao apresentar esses personagens transmite tamanha imponência que fica claro que eles representam dois extremos da existência, a vida e a morte.

penadinho-vida01Aliás, a arte como um todo merece destaque. Quem está acostumado a ver os álbuns A2 da dupla, que são em preto e branco, fica de queixo caído. Depois de ler toda a história, você não consegue pensar em outra paleta cromática para aplicar. A sensação que tive é que cada escolha que o casal fez foi acertada. Quer maior delicadeza do que a aura azulada dos fantasminhas? Um toque sutil, mas poderoso.

Poderoso também é o roteiro. Como citei anteriormente, é uma trama que pode ser lida sob várias camadas. Na história, no meio de uma brincadeira de esconde, Dona Cegonha revela a Penadinho que Alminha vai reencarnar. Como é o primeiro a saber, Penadinho resolve finalmente cumprir as promessas que fez à sua amada como levá-la ao cinema e ver o por do Sol. Pelo jeito até a eternidade tem o seu fim e depois de mais de três décadas, Penadinho vai ter que se declarar para a sua grande paixão.

E nesse ponto o roteiro surpreende novamente, virando uma história de resgate e aventura. Devido a alguns incidentes, Alminha acaba se tornando prisioneira do tenebroso Sr. Crowley, um morto-vivo que se alimenta do perfume produzido por almas aprisionadas, e seus dois atrapalhados ajudantes.

a1_nk1cAgora Penadinho precisa encarar uma missão de resgate para contar a novidade para sua grande paixão antes que o fim (aqui no caso o início, já que se trata da reencarnação de Alminha) esteja próximo. Claro que a turma do cemitério não irá deixar ele na mão, e assim atravessam a cidade e conhecem novos amigos. Nessa busca, os autores não pouparam referências a bandas, a cultura paulistana e videogames. Outro charme a mais da edição.

Falando em edição, o álbum, que chegou à redação do Impulso HQ graças aos nossos parceiros da Comix Book Shop, segue o mesmo padrão que já vem apresentado nas Graphics MSPs anteriores. Duas opções de capa (cartonada ou dura), papel bom e com boa impressão, e, é claro, com extras que explicam o processo de criação do casal. O roteirista e diretor Luiz Bolognesi (Uma História de Amor Fúria) assina o texto de quarta capa da edição.

Terror, humor e novamente o amor, sempre o amor, nas aventuras dessa dupla de apaixonados pela vida e pelos quadrinhos, Paulo Crumbim e Cristina Eiko.

Penadinho – Vida
Editora Panini Comics
Autores: Paulo Crumbim e Cristina Eiko
Colorido
19 x 26 cm
88 páginas
R$ 21,90 (capa cartonada)
R$ 31,90 (capa dura)

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/07/penadinho-vida-capa1.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/07/penadinho-vida-capa1-300x300.jpgFloreal Andraderesenha hqbCristina Eiko,Mauricio de Sousa,Panini,Paulo Crumbim,Penadinho,Sidneu Gusman,VidaAlgumas vezes quando acordo no meio da noite, ao voltar para o quarto o Penadinho quase sempre me prega um susto. Explico: tenho já há alguns anos um boneco do personagem que brilha no escuro. De vez em quando me esqueço disso e a fantasmagórica luminosidade me dá arrepios. Do...IMPULSO HQ é um site que se propõe a discutir histórias em quadrinhos e assuntos derivados como cinema, games e cultura pop em geral.