A Guerra de Alan, da Zarabatana Books, traz um relato sensível e pessoal do soldado Alan Ingram Cope do alistamento à retomada de sua vida no pós-guerra

Conflitos armados não são um tema estranho aos quadrinhos. O gênero ganhou força com na segunda metade da década de 1940, quando os leitores perderam o interesse pelos super-heróis fantasiados. De personagens fictícios ao relato quase jornalístico de conflitos reais, é grande o número de lançamentos de HQs de guerras nas últimas seis décadas.

O que diferencia A Guerra de Alan dos demais é que a história não se prende exclusivamente aos conflitos armados, e sim às lembranças reais de um jovem americano convocado para lutar na Segunda Guerra.

A graphic novel mostra a fase de alistamento e treinamento de Alan Cope em bases militares norte-americanas, a vida na caserna, os combates nos últimos meses da guerra na França e Alemanha e a retomada de sua vida, primeiro na América e depois na Europa, no pós-guerra.

A adaptação das lembranças de Cope para HQ são executadas com maestria e sensibilidade pelo desenhista Emmanuel Guibert e, embora os acontecimentos se passem durante um dos momentos mais terríveis da história do século XX, o soldado mantém um estreito contato com as artes (literatura, poesia e música) e com os amigos que vai conquistando pelo caminho.

O relato destas experiências, pessoais e muitas vezes comoventes, foi feito pelo próprio Cope a Guibert depois que os dois se conheceram casualmente na ilha francesa de Ré em 1994, onde Cope vivia sua aposentadoria. As histórias foram publicadas originalmente em capítulos na revista Lapin, da editora francesa de quadrinhos independentes L’Association antes de virarem este livro. Cope faleceu em agosto de 1999, a poucos meses do lançamento da primeira edição de A Guerra de Alan.

A obra fez parte da seleção oficial do festival francês de Angoulême 2010, concorrendo ao prêmio de melhor publicação. Também foi indicada ao Prêmio Eisner de 2009, dos Estados Unidos, como melhor trabalho baseado em acontecimento real, melhor álbum gráfico (publicação nova), melhor edição norte-americana de material estrangeiro e melhor roteirista/artista.

O autor: Emmanuel Guibert nasceu em 1964 em Paris, França, e publicou trabalhos como Brune, sobre a ascensão do nazismo na Alemanha, a série O Fotógrafo, relatando a perigosa viagem do fotógrafo Didier Lefèvre ao Afeganistão, e a série de álbuns infantis Sardine, em parceria com Joann Sfar. Guibert recebeu três indicações ao Prêmio Eisner 2010 por O Fotógrafo e venceu na categoria melhor edição norte-americana de material estrangeiro.

A Guerra de Alan – As Memórias do Soldado Alan Ingram Cope
Autor: Emmanuel Guibert
Zarabatana Books
Capa colorida
Miolo preto e branco (último capítulo colorido)
16 x 23 cm
336 páginas
R$ 49,00

Renato LebeauquadrinhosAlan Ingram Cope,Emmanuel Guibert,Guerra de Alan,Zarabatana BooksA Guerra de Alan, da Zarabatana Books, traz um relato sensível e pessoal do soldado Alan Ingram Cope do alistamento à retomada de sua vida no pós-guerra Conflitos armados não são um tema estranho aos quadrinhos. O gênero ganhou força com na segunda metade da década de 1940, quando os...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe