Com a sua exibição para a imprensa há quase um mês e com a estreia somente na última sexta-feira, 5 de abril, o mais novo longa-metragem de animação brasileiro, “Uma História de Amor e Fúria”, não deve ser julgado pela capa e principalmente não se deve assisti-lo com receios ou preconceitos.

Produzido pela Buriti Filmes, o projeto conta com a direção e o roteiro de Luiz Bolognesi, que assina filmes como “Bicho de 7 cabeças” e “ Chega de Saudade”. Até aqui tudo bem. Um bom nome para uma produção. Mas o que levou ao meu desanimo inicial foram às primeiras cenas mostradas para imprensa. A comparação com as animações da Disney foram inevitáveis, chegando até a ser chamado de “Pocahontas Brasileiro”. Isso acontece, pois a personagem feminina lembra bastante a Pocahontas e quem dá vida a sua voz é a atriz Camila Pitanga.

E agora? Depois desse primeiro contato já fui para a sala de cinema cheia de preconceitos, pois além dessa cara Disney (por que um filme brasileiro teria que se basear em um traço americano?), as vozes de Camila Pitanga e Selton Mello soavam que todo o enredo teria um ar cliché. Ledo engano. Felizmente eu estava muito errada!

Por sorte, ou melhor, por uma boa direção de arte, as imagens são tão bonitas, mas tão bonitas, que você consegue mergulhar no filme. E essa imersão é na história brasileira vista de um ângulo bem diferente dos livros que usamos na escola. Fazendo sua cabeça quase explodir. São cenas tão calcadas nos fatos da história do nosso país que a sensação que temos é que em qualquer ponto os rumos de nossa trajetória poderiam ter sido os mostrados na película.

O filme acontece em quatro fases da nossa história. Guiada por um personagem, com o dom de ser pássaro (Selton Mello) que sobrevive por quase 600 anos e luta nas diversas fases dos “movimentos” brasileiros ( Escravidão Indígena, Balaiada, Ditadura Militar e a Guerra por Água que acontece no futuro de 2096). E o que faz ele viver tanto tempo assim? Amor é claro. Sua busca é pela ressurreição de sua amada Janaína que também é engajada e o apoia nas lutas.

Segundo Luiz Bolognesi, o nome original do filme seria “Lutas”, justamente para marcar a história que passa por tantos conflitos, mas segundo uma pesquisa do próprio diretor era um título que limitaria o público feminino entre 14 e 25 anos, pois o nome poderia sugerir alguma ligação com UFC.

E lembra que comentei que a busca é pela ressurreição de Janaína? Isso acontece porque os dois personagens principais se apaixonam logo no início do filme, ainda como índios, mas ela acaba morrendo. Isso faz com que ele viva como um pássaro até encontra-la novamente transformando-se e em humano e conquistando mais uma vez o amor da amada. Isso acontece nas quatro fases do filme, mas não fica chato e repetitivo, pois o foco maior de tudo está na Luta do povo pelo povo brasileiro. É também na luta pelo amor.

Segundo o diretor, o personagem amadurece nos quatro capítulos da historia. Nesse ponto eu discordo, pois ele é “jovem” em duas partes do filme. Outro ponto que me deixou intrigada é que nos dois primeiros capítulos o personagem principal muda bastante de design, e nos dois últimos é praticamente o mesmo, só que com fios brancos. E isso não tem nenhuma explicação para quem está assistindo.

Com uma forte pegada de quadrinhos, principalmente pela divisão dos capítulos, a narrativa é bem guiada. Querendo ou não, o design de caracterização dos personagens também segue bastante o padrão Disney. Segundo o diretor, os animadores já estavam acostumados com o traço devido à trabalhos anteriores e isso facilitou bastante na hora de animar.

Quanto a animação é uma pena um filme tão bonito e com uma história tão forte ser apresentado com uma animação limitada, se enquadrando nos padrões japoneses. Entendível que o orçamento e o tempo não comportava uma animação FULL. De qualquer forma, os animadores deram conta do recado fazendo um ótimo trabalho dentro das limitações.

Apesar disso é importante dizer que como um todo funcionou e funcionou muito bem! É uma aula de história de verdade. Além de tudo é um marco para a animação brasileira. Uma luz pra quem espera por ver bons filmes animados e adultos produzidos em terras brasileiras.

Trailer:

Uma História de Amor e Fúria
Lançamento: abril de 2013
Duração: 1h 15min
Direção: Luiz Bolognesi
Roteiro: Luiz Bolognesi
Elenco: Vozes de Selton Mello, Camila Pitanga, Rodrigo Santoro, Paulo Goulart, Bemvindo Sequeira, Marcos Cesana, Sérgio Moreno
Gênero: Animação
Nacionalidade: Brasil

Thailiny Cruzquadrinhosanimação,Bemvindo Sequeira,Camila Pitanga,Luiz Bolognesi,Marcos Cesana,Paulo Goulart,Rodrigo Santoro,Sérgio Moreno,Selton Mello,Uma História de Amor e FúriaCom a sua exibição para a imprensa há quase um mês e com a estreia somente na última sexta-feira, 5 de abril, o mais novo longa-metragem de animação brasileiro, “Uma História de Amor e Fúria”, não deve ser julgado pela capa e principalmente não se deve assisti-lo com receios...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe