Yeshuah – Assim embaixo assim em cima, de Laudo Ferreira, ganhou grande repercussão ao ser lançado, no final de 2009, por apresentar uma versão mais humanizada do messias e por ter sido fruto de uma farta pesquisa (que incluiu também a utilização de textos apócrifos, textos supostamente escritos por apóstolos de Jesus Cristo, mas renegados pela igreja católica).

Deixando de lado questões religiosas sobre apócrifos ou mesmo acerca da existência de Cristo (aspectos que interessam mais às pessoas devotas ou a estudiosos), o que este trabalho acrescenta para pessoas que, como eu, se interessam apenas por boas histórias e bons quadrinhos?

Bem, em relação à história, não muita coisa. A biografia de Cristo contada aqui (que vai de pouco antes de seu nascimento até o seu batizado, omitindo a infância) mesmo que apresentada de forma competente, é bom que se diga, é aquela que todo mundo já conhece.

Nem o tão falado humanismo do personagem (enaltecido por diversas opiniões em relação a esta obra) se destaca, uma vez que a história é repleta de aparições divinas e que Miriam, mão de Jesus, engravidou mesmo virgem – aspectos que reforçam sua ligação sagrada.

Duas coisas a se destacar na história são: o foco nas personagens femininas, como Miriam e Miriam Magdalit (Maria Madalena), as verdadeiras protagonistas nesse volume (a primeira em praticamente toda a obra e a segunda nas páginas finais do livro) e que dificilmente ganham participações de destaque nas histórias sobre Cristo; e o respeito que Laudo mostrou ao ambiente da narrativa, batizando todos os personagens e cidades com nomes hebraicos. Afinal, dificilmente alguém que nasça naquela região do Oriente Médio se chamará José ou Maria (na HQ foram batizados, respectivamente, de Yoseph e Miriam).

Mas o grande mérito do trabalho não esta na sua versão para a história de Cristo e sim no fato de narrar essa história utilizando a linguagem dos quadrinhos. É muito curioso ver a interpretação de um quadrinista para temas tradicionais às artes plásticas como a representação da Madona (a Virgem com o menino Jesus nos braços) ou o Massacre dos Inocentes.

Laudo se mostra um artista maduro, impondo um ritmo bem fluido à história e abusando de uma diagramação ousada, que muitas vezes dispensa o traçado dos quadros (ocasiões em que se iguala a mestres como Will Eisner).

Em algumas passagens, como quando José, ops, Yoseph deixa Miriam na caverna, parte em busca de uma parteira e se vê perdido no deserto, ou quando Jesus tem uma epifania durante seu batizado, Laudo nos brinda com cenas que somente as histórias em quadrinhos poderiam proporcionar.

Seus desenhos, estilizados, são muito competentes e, o mais importante, funcionais (trabalham para contar a história dando-lhe um belo fluxo de leitura) por isso não se prendem em detalhes irrelevantes (o que não quer dizer que não sejam detalhistas). As hachuras são um primor e também acrescentam ritmo ao trabalho, variando de áreas negras até o branco total.

Yeshuah é fruto de farta pesquisa e nos brinda com a possibilidade de apreciar o trabalho de um autor com pleno domínio da linguagem dos quadrinhos e no auge de seu talento.

Yeshuah – Assim embaixo assim em cima
Laudo Ferreira
Editora Devir
160 páginas
Data: Dezembro de 2009
R$ 23,00

Alexandre Manoelresenha hqbDevir,HQB,Laudo Ferreira,resenha,YeshuahYeshuah – Assim embaixo assim em cima, de Laudo Ferreira, ganhou grande repercussão ao ser lançado, no final de 2009, por apresentar uma versão mais humanizada do messias e por ter sido fruto de uma farta pesquisa (que incluiu também a utilização de textos apócrifos, textos supostamente escritos por...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe