vida_tracada

Livros que relatam exclusivamente a história dos quadrinhos nacionais (seja focando algum gênero, editora ou autor) são sempre bem-vindos.

Primeiro, devido a escassez de títulos no mercado (já foram lançados alguns, é verdade, mais ainda assim, poucos). Segundo, pelo valor histórico e por resgatar um pouco de nossa cultura; e, por último, são bases teóricas fundamentais para quem quiser se envolver no ramo (editores, roteiristas, desenhistas, pesquisadores etc.) por mostrar como era o mercado e seu impacto na sociedade à sua época, o pensamento editorial (suas qualidades e vícios), as técnicas e condições de trabalho dos autores; livros assim servem como parâmetros para que as novas gerações não fiquem constantemente reinventando a roda.

Flávio Colin (1930-2002) é o autor que tem sua vida passada a limpo neste breve perfil escrito por Gonçalo Junior.

O livro segue ordem cronológica. Começa com a tragédia familiar que acometeu Colin com 8 anos de idade e cuja solidão resultante o levou a se aproximar do desenho e, consequentemente, das HQs.

Há um breve comentário sobre seus primeiros trabalhos profissionais como desenhista. Breve porque foram breves as experiências (como desenhista de cartazes de cinema e de plantas de mapeamento da cidade do Rio de Janeiro).

A partir daí, concentra-se em mencionar sua produção dentro dos quadrinhos: suas HQs de guerra, terror, policial, eróticas, ecológicas e regionalistas (que, segundo o autor, ao lado do terror, eram os gêneros que mais agradavam Colin).

Passando pelos seus sucessos, como O Anjo, até suas frustrações, como o boicote dos editores aos artistas tidos como comunistas (autores envolvidos em movimentos pela produção de HQs de temáticas brasileiras ou pela adoção de cotas para quadrinhos nacionais nas editoras).

Gonçalo Júnior faz questão de mencionar, ao longo de todo o livro – e essa é a parte principal da obra – a importância que Colin atribuía à formação cultural e histórica dos quadrinistas, sua dedicação, estudo e pesquisa para sempre aprimorar seu estilo e seus roteiros.

Como o capítulo de apresentação informa, trata-se de um breve perfil biográfico, focado em sua carreira dentro dos quadrinhos. Por isso, não cobre sua vasta produção na publicidade tampouco analisa a narrativa do mestre e a evolução de seu traço.

Mas, já é suficiente para comprovar a opinião de Gonçalo sobre o fato de Colin ser “um dos autores de quadrinhos mais importantes em todo o mundo em todos os tempos”.

Indispensável para quem quiser almejar algo dentro do ramo.

Vida traçada: Um perfil de Flávio Colin
Autor: Gonçalo Junior
Editora: Marca de Fantasia
Nº de páginas: 92
Data: Junho de 2009
Preço: R$ 15,00
Contato: www.mardadefantasia.com

Alexandre Manoelresenha hqbFlavio Colin,Gonçalo Junior,HQB,Marca de Fantasia,resenha,Vida TraçadaLivros que relatam exclusivamente a história dos quadrinhos nacionais (seja focando algum gênero, editora ou autor) são sempre bem-vindos. Primeiro, devido a escassez de títulos no mercado (já foram lançados alguns, é verdade, mais ainda assim, poucos). Segundo, pelo valor histórico e por resgatar um pouco de nossa cultura; e,...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe