Sábado dos Meus Amores narra 6 histórias curtas ambientadas em diversas partes do Brasil na década de 1980.

A HQ “Plena de flôroi” é uma HQ que homenageia, de maneira poética, o cronista Rubem Braga.

“De como Djalma Branco perdeu o amigo em dia de jogo” narra, de maneira muito divertida, as mais estranhas superstições que um torcedor do Flamengo mantém para que seu time sempre ganhe as partidas.

“Dorso” é sobre um trabalhador que, acostumado com os castigos físicos do trabalho escravo, não consegue se acostumar ao ambiente de seu novo emprego (sem espancamentos).

Em “Escola primária” um jangadeiro ensina a história do Brasil a sua namorada, para que ela termine logo o dever de casa e possa ir com ele a uma festa.

“Atualidade” retrata um operário tão dedicado aos seus afazeres que não tem tempo nem para participar de um bolão com o pessoal de seu serviço.

“A fuga de Zé Morcela!” encerra o álbum narrando a confusão que um trabalhador de circo arruma num bar com um guarda da região.

A autoria é de Marcelo Quintanilha, carioca radicado em Barcelona/ESP. Mesmo morando longe de seu país de origem, é incrível o grau de precisão que o autor consegue aplicar nas histórias deste álbum.

Precisão em todos os sentidos: Na confecção dos cenários (genuinamente brasileiros como o boteco/mercadinho, a favela, os carros, a praia da comunidade pesqueira etc.); na vestimenta dos personagens (o cara com a camiseta do Flamengo, a menina pobre com um vestido bonito, o antigo traje policial, aquele shortinho velho e apertado que se usa para realizar as tarefas domésticas etc.) e nas situações apresentadas (as estranhas superstições de um torcedor fanático, a tiração de sarro do pessoal no trabalho quando seu time perde, o cara que conserta o telhado no final de semana, o cara que vai buscar cerveja fiada no boteco da esquina, o bolão que o pessoal faz no serviço para ganhar na loteria, a partida de baralho no bar, a mescla de hábitos e crenças religiosas, dentre outras).

Quintanilha varia os recursos narrativos a cada história. Numa, apropria-se mais de elementos poéticos, noutra utiliza o humor para narrar a trama. Em certas ocasiões, os diálogos são a parte principal da HQ, em outras é o conflito entre os personagens e o constante perigo de morte. Às vezes, somente o relato de uma pequena parte do dia do personagem já é suficiente para se compreender a história.

Em relação à arte, Quintanilha parece utilizar referências fotográficas, tamanha a diversidade e precisão que aplica a seus personagens, mas sem aquela característica estática da fotonovela. Seu colorido e textura muito se assemelham à técnica de pastel oleoso.

Mas o grande destaque da edição fica mesmo com a construção de seus personagens (suas caracterizações físicas, psicológicas e expressões corporais). Quintanilha desenha com maestria a diversidade do povo brasileiro: negros, brancos, adultos, jovens, velhos, magros, gordos etc.

E cada qual com seus hábitos particulares, como a chinelada na criança pentelha, o brinde e a interjeição de prazer depois do primeiro gole na cervejinha, o policial furioso que caminha a passos largos, a garota insegura que carrega seus livros apertando-os contra seu peito etc.

A riqueza nos detalhes é tão grande que, aliada a seu traço, até parecem fazer referências a pessoas reais.

Tudo isso trás uma enorme poeticidade ao álbum, tornando o ato de contar (e apreciar) as histórias muito mais interessantes que as histórias em si.

Numa época em que se discute qual seria o tema dos quadrinhos nacionais, Quintanilha mostra um caminho possível a essa questão.

Poucas vezes vi algum desenhista que dedicasse tanta atenção na construção física e características individuais de seus personagens. Às vezes até parece que Quintanilha é um cientista antropológico investigando a diversidade do gênero humano, tamanha a sua preocupação com as pessoas, o foco central deste trabalho.

Ainda bem que existem pessoas com essa proposta.

Sábado dos Meus Amores
Autor: Marcelo Quintanilha
Editora Conrad
64 páginas
Data: Abril de 2009
R$ 39,00

Alexandre Manoelresenha hqbconrad,HQB,Marcelo Quintanilha,resenha,Sábado dos meus amoresSábado dos Meus Amores narra 6 histórias curtas ambientadas em diversas partes do Brasil na década de 1980. A HQ “Plena de flôroi” é uma HQ que homenageia, de maneira poética, o cronista Rubem Braga. “De como Djalma Branco perdeu o amigo em dia de jogo” narra, de maneira muito divertida,...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe