A revista A3 Quadrinhos é um projeto organizado por Matheus Moura, com apoio da prefeitura de Uberlândia/MG, que reúne HQs e ilustrações de 19 autores.

A edição surpreende por 4 motivos. Primeiro, por seu número de páginas (110). Mesmo com apoio municipal, não é muito comum ver edições independentes com essa quantidade de folhas.

Segundo por suas características editoriais – não, a revista não tem o formato sugerido pelo nome, mas adota uma medida próxima ao formato americano. Capa impressa em papel couchê e miolo em papel jornal, sendo boa parte colorida – cerca de 52 páginas –  fatos que deixam a edição com aquele familiar e saudoso aroma de revista em quadrinhos, de papel impresso. As HQs seguem a linha dos gêneros de aventura, ficção e/ou terror.

Terceiro pelo preço, apenas R$ 3,50. São poucas as publicações (voltadas aos quadrinhos ou não) que sabem aproveitar o patrocínio para baratear os custos ao consumidor.

Por último, e o mais importante, pela qualidade de seu conteúdo. Embora a HQ que abre a edição, “Crash Test” (Ric Milk & Marcelo Cabral), não seja tão empolgante assim. A história até que começa num ritmo acelerado e com boa dose de ação – trata-se de um caçador de andróides – mas o pouco número de páginas não é suficiente para nos identificarmos ou criarmos empatia por algum personagem.

As coisas começam a melhorar com a HQ “A praga” (Bruno Bispo & Victor Freundt) que tem uma arte bem claustrofóbica. O roteiro não pretende explicar nada, por isso a história já começa com a devastação causada pela tal praga do título e o leitor tem que juntar algumas pistas para ter idéia do que aconteceu.

“Kavan” (E.C. Nickel) é um dos pontos altos da edição. Trata sobre solidão e ataques zumbis em pleno espaço sideral. Qualquer informação a mais pode tirar o prazer da leitura. A HQ esta dividida em duas partes, para poder aproveitar as páginas coloridas da edição (as 26 primeiras páginas e as 26 últimas são as coloridas).

“Deus” (Roberval Coelho) tem uma arte muito bonita, sobretudo no desenho de figuras fantásticas, mas a ausência de cenários acaba tirando um pouco o ar épico que a HQ quer transmitir. O número de páginas não é suficiente para apresentar toda a trama (ah, sim, praticamente todas as HQs aqui são seriadas, ou seja, terão continuidade nos próximos números), mas parece envolver Deus, o Diabo e um homem que perdeu sua amada e vai desafiar céus e infernos para tê-la de volta.

“O olho de Cthulhu” (Walter Pax & Matheus Moura), embora tenha uma arte bela, quebra um pouco o ritmo das boas HQs por não apresentar nada muito além de ilustrações para as criaturas inenarráveis do escritor fantástico H. P. Lovecraft.

“O.R.L.A.: Operação” (Matheus Moura & Caio Majado) é uma grata surpresa que se distancia um pouco da natureza das outras HQs por levantar questões mais próximas de nosso cotidiano, como o uso de animais como cobaias. É um trabalho com bom ritmo, cheio de críticas sociais e que nos faz refletir muito sobre a condição humana.

“Between the Shadows” (Nando Alves & Eduardo Cardenas) é repleta de referências ao poeta Augusto dos Anjos, tem uma arte-final muito bonita e uma premissa promissora: um poeta do século XIX violentamente assassinado realiza um pacto com uma entidade maligna e ressuscita nos dias atuais. Mas tem uma execução confusa, cheia de personagens e de pontas soltas que, nesta edição, não fazem sentido algum – aguardemos o próximo número.

Em “Armolithus” (Rodrigo Lara & Matheus Moura), um soldado é encarregado de encontrar um monólito de jade. É a HQ mais fraca da edição por não apresentar o personagem de maneira suficiente para nos identificarmos e nem um gancho para aguardarmos o desenrolar da história.

“Zulu” (Walter Kattlu & Gian Danton & Will) é uma história curtinha que envolve alguns mitos em torno de uma única trama: um guerreiro que deve enfrentar a temida Medusa. A HQ tem uma colorização mais clara, mais alegre, bem ao estilo de Will, e serve como contraponto ao restante do material da revista e encerra a edição em grande estilo.

Completam este número ilustrações de Fabio Machado, Dudu Torres e D. Ramires.

Mesmo composta por histórias seriadas, a segurança de ter um próximo número (fruto do patrocínio municipal) e, sobretudo, a qualidade das HQs (que despertam o interesse em acompanhar a publicação) fazem da A3 uma excelente revista que vale a pena ser lida.

A3 Quadrinhos nº1
Autores: Bruno Bispo, Caio Majado, D. Ramires, Dudu Torres, E. C. Nickel, Eduardo Cardenas, Fabio Machado, Gian Danton, Marcelo Cabral, Mateus Santolouco, Matheus Moura, Nando Alves, Ric Milk, Roberval Coelho, Rodrigo Lara, Victor Freundt, Walter Katllu, WalterPax e Will.
Revista Independente
110 páginas
Data: Julho de 2010
R$ 3,50
Contato: http://revistaa3.wordpress.com

Alexandre Manoelresenha hqbBruno Bispo,Caio Majado,D. Ramires,Dudu Torres,E. C. Nickel,Eduardo Cardenas,Fabio Machado,Gian Danton,HQB,Marcelo Cabral,Mateus Santolouco,Matheus Moura,Nando Alves,resenha,Revista A3,Ric Milk,Roberval Coelho,Rodrigo Lara,Victor Freundt,Walter Katllu,WalterPax,WillA revista A3 Quadrinhos é um projeto organizado por Matheus Moura, com apoio da prefeitura de Uberlândia/MG, que reúne HQs e ilustrações de 19 autores. A edição surpreende por 4 motivos. Primeiro, por seu número de páginas (110). Mesmo com apoio municipal, não é muito comum ver edições independentes com...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe