Para se entender a trama dessa história trágica de Shakeaspeare é necessário um pequeno resumo: Seu personagem principal, que empresta o nome à obra, é um general negro que serve o reino de Veneza. Otelo se apaixona a primeira vista por Desdêmona, filha de um rico e poderoso senador chamado Brabâncio e se deixa levar pela astuta falácia de seu fiel amigo e soldado sobre sua amada. Tudo se desenrola por meio da inveja e da traição.

Concordo que o resumo foi muito breve, mas é quase impossível encurtar essa que é uma das mais intensas histórias de Shakespeare, onde nota-se uma grande reflexão psicológica por parte do escritor sobre o homem que ama demais, ciúmes, racismo, preconceito sobre classes e hierarquias.

Otelo é outra adaptação que integra a coleção Shakespeare em Quadrinhos, da editora NEMO, que reúne os maiores clássicos do escritor revistos na linguagem da nona arte. Acredito até que seja uma das histórias mais difíceis para transpor para as HQs, não só pela tensão da narrativa, mas também por todos os acontecimentos e situações de contexto político que são necessárias para compreensão de toda a narrativa. Como eu sempre digo: Shakespeare não é uma leitura tão fácil de entender.

Ok, desafio aceito é desafio aceito, e essa difícil missão ficou a cargo de Jozz, já conhecido no meio independente dos quadrinhos por suas produções caprichadas e sua preocupação com a qualidade gráfica. Jozz assina não só o roteiro como também e toda a arte da publicação. O quadrinhista não está totalmente só nessa produção e conta com o apoio Akira Sanoki, que teve a missão de transmitir por meio da colorização todo o clima tenso que a história de Otelo necessita.

Jozz conseguiu fazer algo que sinceramente eu achava quase impossível, sintetizar em 64 páginas toda a complexidade de Otelo. Destaco aqui um dos personagens mais bem construídos e representados na publicação, o dissimulado Iago, que arquiteta um engenhoso plano que insinua um caso entre Cássio e Desdêmona.

O plano foi tão bem traçado que Otelo começou a desconfiar de sua esposa, logo, o antes tão equilibrado e sábio, Otelo se transforma em um ser enciumado e cego que não consegue mais discernir os ardis de seus inimigos e começa a tomar atitudes com consequências terríveis.

Entendam que a complexidade aqui está no fato de apresentar de forma eficaz a transformação de Otelo, que era general do reino de Veneza e gozava da estima e da confiança do Estado por ser leal, corajoso e ter atitudes nobres, em um ser totalmente descontrolado e capaz de matar quem ele mais ama.

Jozz conseguiu nos levar por todo esse arco dramático que vai do auge de Otelo até o seu derradeiro fim trágico de maneira eficiente e sem tropeços, resolvendo deixar em segundo plano todo o conflito político e territorial, focando a narrativa no descontrole emocional do ser humano. Uma solução inteligente e que vai agradar a maioria dos leitores que nunca tiveram acesso a obra original.

Destaque promissor ao traço que foi ideal para nos conduzir para um estilo fantástico, remanescente ao clássico épico, que se enquadra perfeitamente no contexto histórico em que a tragédia se passa.

As ilustrações conseguiram capturar e sintetizar de uma forma sensível a história que é muito obscura. E podemos até dizer que a arte transcende a narrativa, nos passando as informações que faltam no roteiro por causa de espaço.

Nas páginas de Otelo não nos deixa dúvida que o quadrinhista tem uma boa compreensão da perspectiva, da construção narrativa com os quadros, e que ele não poupou na ousadia quando se trata de ângulos e posição de câmera.

Akira achou os tons certos e apesar de sombria a colorização não ficou morta. As sombras recortadas foram bem utilizadas para gerar volume e a utilização das luzes do ambiente e de objetos (como as lanternas da época) para passar a sensação de que tudo era feito as escuras está bastante interessante.

Otelo é o retrato da inveja e ciúme, e a história nos mostra o quanto as pessoas podem ser manipuladoras para conseguirem o que querem, chegando a ponto de atingir inocentes pelos seus próprios interesses. É um texto que coloca em cheque se o fascínio pelo poder vem a ser o mesmo fascínio pelo mal, e se isso é inato do ser humano.

Outra adaptação da Coleção Shakespeare em Quadrinhos que vale a pena conferir.

Otelo
Editora Nemo
Coleção Shakespeare em Quadrinhos
Roteiro e desenhos: Jozz
Cores: Akira Sanoki
20 x 28cm
64 páginas
R$39,00

Thina Curtisresenha hqbAkira Sanoki,HQB,Jozz,Nemo,Otelo,resenha,ShakespearePara se entender a trama dessa história trágica de Shakeaspeare é necessário um pequeno resumo: Seu personagem principal, que empresta o nome à obra, é um general negro que serve o reino de Veneza. Otelo se apaixona a primeira vista por Desdêmona, filha de um rico e poderoso senador...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe