Confesso que não esperava muita coisa desse álbum.

Na verdade, essa onda de adaptações de obras literárias não me causa muita empolgação. Mesmo porque os livros em que são baseadas essas adaptações também não me causavam muita empolgação nos meus anos de ensino médio – afinal, e vocês devem concordar comigo, um adolescente de 16 anos, explodindo de hormônios, tem coisas muito mais interessantes a fazer do que ficar em casa lendo um catatau de 300 páginas somente porque é uma leitura obrigatória em vestibular (que eu nem sonhava em fazer).

Mas os tempos são outros, o amor pela leitura é maior e não há, pelo menos no meu caso, nenhuma pressão para ler algo – aliás, defendo a idéia de que forçar alguém a ler é um grande desserviço à tentativa de se criar o hábito de leitura. Por isso, e por mais outros motivos inexplicáveis para mim, resolvi arriscar uma folheada pela obra.

E, logo de cara, fiquei muito impressionado com as cores da edição: uma paleta vigorosa, atraente e que representa tão bem a beleza tropical de nosso país.

Os desenhos de Luis Gê seguem a proporção acadêmica, mas também carregam uma grande influência cartunesca, principalmente nos desenhos de rostos. E isso faz a história fluir muito bem, mesmo representando de forma fiel toda a iconografia da época.

O roteiro, a cargo do experiente Ivan Jaf, é focado nos conflitos (em seus mais diversos níveis) que permeiam a história: O conflito de Loredano, um homem ambicioso que sonha em derrubar o fidalgo D. Antonio de Mariz e casar-se a força com sua filha Cecília; o conflito de Alvaro, que nutre uma paixão não correspondida por Cecília; o conflito do amor impossível entre Cecília e o índio Peri (o guarani do título), impossível por pertencerem a raças diferentes; o conflito de Isabel, irmã de criação de Cecília, que ama Alvaro e, por ser índia, sofre preconceito por parte de sua mãe adotiva; o conflito dos homens brancos contra os índios Aimorés, que querem vingar a morte de membros de sua tribo e outros conflitos mais.

A narrativa vai intercalando emocionantes cenas de batalhas verdadeiramente épicas, alguns momentos divertidos, intrigas e romances até o final da história.

O resultado disso é uma leitura cativante, para mim até surpreendente, e emocionante que a gente não larga enquanto não a termina.

O Guarani
Autores: Ivan Jaf (roteiro) & Luis Gê (desenhos)
Editora Ática
96 páginas
Data: Maio de 2009
R$ 22,90

Alexandre Manoelresenha hqbIvan Jaf,José de Alencar,Luís Gê,O GuaraniConfesso que não esperava muita coisa desse álbum. Na verdade, essa onda de adaptações de obras literárias não me causa muita empolgação. Mesmo porque os livros em que são baseadas essas adaptações também não me causavam muita empolgação nos meus anos de ensino médio – afinal, e vocês devem concordar...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe