resenha_hqb_cao_tarado

Embora os grandes veículos de comunicação se concentrem no eixo Rio-São Paulo, as proporções continentais do Brasil permitem o desenvolvimento de diversos jornais pautados em questões regionais que escapam aos interesses dos grandes periódicos, mais voltados a questões de âmbito nacional.

Esses jornais regionais tornam-se vitrines para diversos autores mostrarem seu talento e, eventualmente, alcançarem repercussão entre os leitores. Como é o caso de Sandro Schimdt que publica as tiras do Cão Tarado desde 1988 no jornal A Notícia, de Joinville/SC. A partir de 2005 também passou a publicar as tiras no jornal Diarinho do Litoral, de Itajaí/SC.

Depois de mais de 5 mil tiras produzidas (!), o personagem ganha, finalmente, sua primeira coletânea. Tudo graças a Nielson Modro, professor universitário e ativista cultural da cidade de Joinville que, atualmente, desenvolve um projeto de resgate dos principais autores de HQ da cidade. No livro, Modro, que financiou a obra ao lado de Sandro Schimdt, é creditado como co-autor.

Como toda coletânea, o intuito é mostrar um pouco do conjunto da obra, além de servir como registro de um trabalho e alcançar novos leitores que um jornal regional, por questões geográficas, normalmente não alcança.

O trabalho está bem feito. O livro é dividido em 4 capítulos, cada um focado numa vertente distinta da produção de Schimdt.  O capítulo 1 é dedicado ao Cão Tarado, personagem de maior repercussão do autor, que, como o nome avisa, é um cachorro (em sentido figurado também) com um apetite sexual voraz que não perdoa fêmeas e machos de nenhuma espécie: cachorros, galinhas, vacas e até rinocerontes, elefantes e coelhinho da Páscoa!

O capítulo 2 é dedicado aos amigos do Cão Tarado: Tomba, Oto, Galinha, Vaca e outros. Novamente explorando questões relacionadas à sacanagem, mas desta vez sob o ponto de vista destes personagens.

O capítulo 3 diz se tratar de dona Helga, uma diabólica velhinha dona de pensão, mas é seu cachorro Adolf que rouba a cena metendo (sem trocadilho) o Cão Tarado em grandes confusões.

O último capítulo é dedicado às tiras cujos seres humanos são, em sua maioria, os protagonistas. São tiras que exploram diversos temas como política, religião, cotidiano etc.

O traço de Sandro é bem simples, fruto dos prazos apertados da imprensa diária, e o autor tem o curioso hábito de nunca desenhar o 2º quadro de suas tiras.

A edição é bem cuidada e inclui um breve histórico da cidade de Joinville e sua produção artística. Mas peca por não deixar o contato dos autores, uma vez que no site da editora, que é também gráfica, não há nenhuma menção a este livro.

O Cão Tarado
Autor: Sandro Schimdt
Editora: Nova Letra
Nº de páginas: 136
Data: Abril de 2009
R$ 16,00
Contato: www.novaletra.com.br

Alexandre Manoelresenha hqbCão Tarado,HQB,Nielson Modro,Nova Letra,resenha,Sandro SchimdtEmbora os grandes veículos de comunicação se concentrem no eixo Rio-São Paulo, as proporções continentais do Brasil permitem o desenvolvimento de diversos jornais pautados em questões regionais que escapam aos interesses dos grandes periódicos, mais voltados a questões de âmbito nacional. Esses jornais regionais tornam-se vitrines para diversos autores mostrarem...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe