Necronauta é um personagem criado por Danilo Beyruth, autor que ganhou grande destaque em 2010 ao lançar a premiada HQ Bando de Dois. A missão dele é conduzir as almas dos mortos até sua pousada final, especificamente daqueles espíritos que, por motivos emocionais, ficaram presos ao nosso plano.

Este é seu segundo álbum, o primeiro foi lançado em 2009 pela HQM, e conta com 6 histórias curtas (uma delas dividida em duas partes) que mostram o personagem em ação, na maioria das vezes, tentando convencer as almas a se desapegarem de suas vidas passadas.

“Mostram o personagem” é modo de dizer, o grande diferencial das histórias do Necronauta é que ele aparece bem pouco, é um coadjuvante nas tramas que são centradas nas almas e nos aspectos de seus passados que os mantêm presos num mundo que não mais os pertence. Tanto que é até difícil classificá-lo como super-herói, uma vez que a edição pouco apresenta de seus poderes. Na HQ Bulling, ele até se mostra impotente frente a um grupo de garotos sedentos por vingança.

As histórias são repletas de temas marcantes como perda de pessoas próximas, arrependimento, melancolia, desesperança e tantos outros. O mérito da edição é apresentá-los de forma sutil e natural, sem descambar para um dramalhão, como seria fácil de se supor ao analisarmos esses temas.

Todas as HQs são bacanas, mas obviamente, umas são mais que as outras: “Sala de espera” (a que é dividida em duas partes), que trata sobre um fantasma que aguarda sua hora nos corredores de um hospital, é interessante porque envolve zumbis, adiciona novos elementos ao universo do personagem e termina com um sentimento positivo, tornando-se um ponto de alívio no meio de tantos assuntos mórbidos.

Um dos extras: Necronauta pelo traço de Marcelo Braga

Falando em novos elementos ao universo, essa é uma das principais características desta edição. Aqui, além de lugares e demônios, conhecemos também outros personagens com funções semelhantes as do Necronauta, especificamente na HQ “Disputa de Jurisdição”, a única colorida do álbum.

Outro destaque vai para “Rainha do Grito”, que é sobre uma decadente atriz de filmes de terror. O interessante é a narrativa, que engloba também cenas dos filmes encenados pela “rainha”. É a única HQ que tem roteiros de outra pessoa, no caso Hector Lima – todas as demais são do próprio Beyruth.

Para quem já leu algum trabalho do moço, sabe que sua qualidade técnica é extremamente competente, tem uma boa diagramação e quando ele abusa da cor preta na composição das páginas alcança os melhores momentos da edição. Entretanto, senti falta de cenários mais detalhados em algumas passagens.

Completam a edição passatempos mórbidos e ilustrações do personagem feitas por diversos autores nacionais.

Por tudo isso Necronauta é um título diferente de grande parte das HQs que se tem feito por ai e o torna leitura obrigatória para quem aprecia HQs de temática sombria.

Necronauta – O almanaque dos Mortos
Autor: Danilo Beyruth (com participações especiais de Eduardo Schaal, Fabio Lima, Gustavo Duarte, Hector Lima, Joe Prado, Lucas Leibholz, Marcelo Braga, Marcelo Campos, Mateus Santolouco, Rafael Albuquerque e Spacca).
Zarabatana
112 páginas
Data: Setembro de 2011
R$ 36,00

Alexandre Manoelresenha hqbDanilo Beyruth,HQB,Necronauta,resenha,Zarabatana BooksNecronauta é um personagem criado por Danilo Beyruth, autor que ganhou grande destaque em 2010 ao lançar a premiada HQ Bando de Dois. A missão dele é conduzir as almas dos mortos até sua pousada final, especificamente daqueles espíritos que, por motivos emocionais, ficaram presos ao nosso plano. Este é...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe