capaNo ano que meu pai comprou o nosso primeiro aparelho televisor, nos domingos pela manhã, eu assistia a um seriado sobre aviação e paraquedistas, Rip Cordy, e depois Circo do Arrelia. Certo domingo, liguei a TV um pouco mais cedo e estava passando um filme que se tornou um dos meus favoritos, “Os 5.000 mil Dedos do Dr. T”, de 1953 e dirigido por Roy Rowland.

Tenho o DVD e sempre revejo esse clássico. O filme fala de um garoto que tem aulas de piano com um tirano professor. Ao dormir entre um estudo e outro, o menino sonha que está numa escola prisão, onde o único instrumento presente é o piano. Quem toca outros instrumentos é enviado as masmorras do instituto.

Em 2009, ao ler uma entrevista com o cineasta brasileiro Carlos Reinchenbach no livro “Os filmes da minha vida”, de Leon Cakoff, descobri que “Os 5.000 mil Dedos do Dr. T” foi o primeiro filme que marcou sua vida, ele diz “…depois de adulto descobri o filme de minha vida”.

Mikrokosmos_2Os 5,000 mil dedos são os 500 alunos que serão obrigados a tocar num imenso piano e o herói se torna o centro de uma rebelião. Reinchenbach gostava do filme porque teve aulas de piano com uma professora sádica, como o Dr. T do filme.

As aulas de piano devem ter marcado a vida do desenhista Thiago Souto. Isso fica claro com a HQ Mikrokosmos, lançada de maneira independente no final de 2014. Souto cria uma HQ sobre um antigo pianista que se torna astronauta e que parte em uma viagem solitária pelo espaço. Toda essa aventura é intercalada com partituras do conjunto de peças para piano Mikrokosmos, do compositor húngaro Béla Bartók (1881-1945).

Para ser mais preciso, Mikrokosmos, de Bartók, é um conjunto de 153 peças para piano, com lições que vão desde o muito fácil ao muito difícil. É bastante usado no ensino musical. É essa analogia de crescimento e aprendizado que torna a HQ de Souto algo fora do âmbito comum. Acompanhamos o passado do protagonista, enquanto ele cumpre suas missões, repletas de idas e vindas temporais.

Com esse recurso, Souto assumidamente transforma a HQ em uma ficção científica com uma narrativa que se utiliza muito de flashbacks e flashfowards. Sem confundir o leitor, a leitura se torna intimista, e no decorrer do tempo você percebe que a história se passa no íntimo do personagem. É um microcosmo, um universo visto do ponto de vista pessoal.

Mikrokosmos_5Todo esse cenário espacial é apresentado em preto, branco, tons de cinza e magenta, ressaltando ainda mais a trama sci-fi, e dando um ar de experimentalismo à arte de Souto. O quadrinhista abusa do espaço gráfico das páginas para recriar ambientes harmoniosos, apesar da quantidade de informação. Um belo trabalho de composição de páginas.

A viagem solitária pelo espaço do personagem é como uma viagem interior. Ele vai ter problemas pelo caminho e isso vai servir para o personagem fazer as pazes com o seu passado…

“…me chamavam de menino prodígio, mas na realidade eu era fruto de uma enorme pressão.”

A única coisa que me deixou triste durante a leitura de Mikrokosmos é que eu gostaria de entender mais de música para compreender a alusão a certas partituras, compositores e etc. que Souto faz.

Ótima leitura. Vale a pena conhecer.

Mikrokosmos
Edição Independente
Roteiro e Arte: Thiago Souto
Lombada quadrada
Preto, branco e magenta
48 páginas
21 x 28 cm
R$ 20,00

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/06/Mikrokosmos.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/06/Mikrokosmos-300x279.jpgFloreal Andraderesenha hqbBéla Bartok,Mikrokosmos,Thiago SoutoNo ano que meu pai comprou o nosso primeiro aparelho televisor, nos domingos pela manhã, eu assistia a um seriado sobre aviação e paraquedistas, Rip Cordy, e depois Circo do Arrelia. Certo domingo, liguei a TV um pouco mais cedo e estava passando um filme que se tornou um...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe