Memória de elefante é uma HQ autobiográfica na qual Caeto registra algumas passagens de sua vida, principalmente o período em que ele sai da casa dos pais e passa por diversas dificuldades para conseguir dinheiro.

Mas a trama parece se dividir em duas partes: Na primeira, Caeto apresenta a si mesmo em sua desesperada jornada em busca de uma condição financeira estável – e aqui ele registra seus empregos medíocres, suas relações superficiais, seu alcoolismo e suas tentativas frustradas de conseguir dinheiro; entretanto, ao contrário do que o texto na quarta capa sugere, pouco apresenta de sua produção de HQ (Caeto é um dos organizadores da revista Sociedade Radioativa e editor da revista Glamour Popular) e musico (ele era vocalista de uma banda chamada Samba Concorrência).

Na segunda parte, apresenta a difícil relação com seu pai, homossexual portador do vírus HIV, um tanto egoísta e de comportamento rude.

Mas é uma transição suave entre essas partes, na verdade a única coisa que muda é o foco narrativo: o autor começa falando de suas dificuldades e, quando o leitor percebe, ele esta mostrando sua relação com o pai; não há uma mudança brusca ou algum elemento que evidencie a divisão nessas partes.

E essa mudança é interessante, porque modifica também o clima da leitura, passamos de um drama de superação pessoal para um drama familiar (algo não muito comum de experimentar nas artes narrativas, geralmente rígidas na conduta de gêneros).

Embora o drama conduza a ação do início ao fim, há algumas pitadas de humor e, em certa passagem, até de crítica social na história, deixando a variação de clima mais variado e a leitura menos tensa.

A arte de Caeto é competente e, embora não tenha uma câmera e uma diagramação variadas, apresenta um bom uso das metáforas visuais.

A HQ tem 200 e tantas páginas, mas poderia ter muito mais se o autor não fizesse uso constante de legendas que apresentam grande parte da história. Por isso, em diversos momentos tem-se a impressão de que as coisas acontecem rápido demais, sem dar tempo ao leitor de se identificar ou criar empatia pelo personagem.

Entretanto, por se tratar de uma obra autobiográfica, Caeto se desnuda para o leitor, apresentando lugares e pessoas (reais) como realmente são: com todos seus defeitos e qualidades, não poupando nenhuma crítica ou elogio ao comportamento delas.

E faz o mesmo consigo (tanto que sua biografia no final da edição torna-se até dispensável): não hesita em apresentar-se por inteiro, incluindo suas sinceras emoções e sentimentos nas mais diversas situações – algumas até bem forte, principalmente na relação com seu pai. E esse é o grande destaque da obra.

Memória de elefante
Autor: Caeto
Quadrinhos na Cia.
232 páginas
Data: Outubro de 2010
R$ 37,50

Alexandre Manoelresenha hqbCaeto,HQB,Memória de Elefante,Quadrinhos na Cia,resenhaMemória de elefante é uma HQ autobiográfica na qual Caeto registra algumas passagens de sua vida, principalmente o período em que ele sai da casa dos pais e passa por diversas dificuldades para conseguir dinheiro. Mas a trama parece se dividir em duas partes: Na primeira, Caeto apresenta a si...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe