Suicídio é sempre um tema complicado para se lidar. Uns dizem que é uma opção, outros covardia, já há quem diga que precisa ter coragem para realizado o ato. Fora essas questões que envolvem o próprio indivíduo, existem as relacionadas à família, religião e sociedade, ou seja, a temática fica sempre delicada, não importa para qual lado você olhe.

Logo, baseado em tudo isso, temos que reconhecer que abordar o suicídio logo em um álbum de estreia foi um ato de muita coragem do trio Beto Skubs, Rafael de Latorre e Marcelo Maiolo, que no mês de junho lançaram “Fade Out: Suicídio sem Dor”. Vale lembrar que esse é mais um projeto em HQ contemplado pelo ProAc de 2011.

Uma característica marcante de Fade Out é que o álbum surpreende em todos os momentos, e isso é sentido logo de cara com as apresentações na 4º capa feitas por nomes de peso do quadrinho nacional como Marcelo Campos, Mike Deodato Jr., Danilo Beyruth e Sidney Gusman. A surpresa aqui é dada pela empolgação das palavras, que prometem um álbum com uma história dinâmica e cheia de reviravoltas, portanto quem espera uma trama triste, arrastada e depressiva sobre o suicídio, irá certamente perceber que a HQ não se trata disso.

Em Fade Out acompanhamos a vontade suicida e os conflitos de Kurt (o nome sugere alguém? Qualquer semelhança com a realidade não é coincidência). E agora se você acha que a HQ vai falar de um jovem solitário, que se sente excluído da sociedade, que tem uma mãe problemática e que vê no suicídio a única saída do seu tormento, pode parar por aqui, porque você ficará surpreso novamente: Kurt tem amigos, vai a festas, conversa com a mãe e ainda tem até namorada!

Outra surpresa no álbum é o fato de os autores já começarem apresentando o final da história. Aí você se pergunta: “Então logo de cara vou ficar sabendo se Kurt se matou ou não?”. A resposta: sim. O interessante aqui é você acompanhar a trajetória do personagem até o seu momento derradeiro. Mas fique calmo, os autores deixaram boas surpresas no desenrolar do enredo.

Mostrar o final antes, flashes que entrecortam a história e o personagem principal como narrador. Com essas características talvez agora você se pergunte se isso não parece uma estrutura de roteiro de filme, e mais uma vez, isso não é coincidência. Fade out nasceu de um roteiro de cinema e só depois foi transformado em HQ. Talvez esteja aí as respostas para o resultado ser uma narrativa tão dinâmica e interessante.

Interessante também são as cores, e como elas foram trabalhadas em todas as páginas. Suicídio, um tema pesado, cheio de angústias e dilemas, geralmente cometido por pessoas tristes e em um estado emocional conturbado certo? Logo, obrigatoriamente o tema pede uma paleta cromática escura e depressiva concordam? Hum… não!

Vai ficar repetitivo, mas Fade Out surpreende. Com uma combinação harmoniosa e com a presença de uma luz mais forte na maioria dos quadros, o que gera sombras mais marcadas nos personagens, certas passagens tomam a aparência até de ser tudo um sonho, e que em qualquer momento Kurt irá acordar.

Os belos traços de Rafael De Latorre suaviza boa parte da carga dramática estética e gráfica que o roteiro poderia pedir, e ouso até dizer que, a expressão “suicídio sem dor”, pra mim, foi muito mais enfatizada e sentida pelo fino riscado, composições e enquadramentos escolhidos pelo quadrinhista.

“Fade Out: suicídio sem dor” surpreende porque acima de tudo sai do mais do mesmo e em momento algum cai no óbvio, tendo espaço até para um serial killer, o que é uma relação de conflito do personagem bem interessante, afinal, só porque Kurt quer se matar não significa que ele não se importa com a vida dos outros.

Dito tudo isso, já está claro que é uma HQ que vale muito a pena ler.Leia e se surpreenda também.

Fade Out – Suicídio Sem Dor
Edição Independente
Roteiro: Beto Skubs
Arte: Rafael De Latorre
Cores: Marcelo Maiolo
18 x 28 cm
64 páginas
R$ 19,90
Página no Facebook

Renato Lebeauresenha hqbBeto Skubs,Fade out,HQB,Marcelo Maiolo,PROAC,Rafael de Latorre,resenhaSuicídio é sempre um tema complicado para se lidar. Uns dizem que é uma opção, outros covardia, já há quem diga que precisa ter coragem para realizado o ato. Fora essas questões que envolvem o próprio indivíduo, existem as relacionadas à família, religião e sociedade, ou seja, a temática...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe