Escrevendo-Lado-Esquerdo-Figado-1A primeira vez que caminhei pela Rua Augusta na capital paulista foi em 1971. Na ocasião, levei uma mordida do Rex, eu tinha 12 anos e fui com meu pai ao Instituto Pasteur tomar as famosas injeções (que não foram na barriga, como se falava na época). Na volta caminhamos pela Avenida Paulista e descemos a Rua Augusta a pé até o ponto de ônibus no centro. Não me lembro de nada da rua, a única coisa que restou de lembrança foi o imenso cartaz do filme “007 – Os Diamantes São Eternos“ no cine gazeta.

Em 1977 a fascinante Rua Augusta entrou para os lugares onde eu mais frequentava, geralmente aos sábados ou domingos nos cinemas, principalmente o CineSesc com seu bar e o Cineclube Elétrico. Uma rua com muitas histórias, versões e interpretações.

E é essa pluralidade que talvez tenha motivado Artur Fujita a escrever a sua segunda HQ autoral publicada pelo selo independente Dead Hamster. Escrevendo Com o Lado Esquerdo do Fígado traz a seguinte questão: “Onde começa a obra e termina o autor?”

pagina_03A HQ de Fujita conta a história de Atílio, um jovem do interior, que vem tentar a vida de roteirista de quadrinhos em são Paulo e termina trabalhando num boteco do chamado Baixo Augusta*. A vida de Atílio se resume a escutar os papos dos bebuns que frequentam o bar do Chico, enquanto não consegue publicar suas histórias em quadrinhos.

Fujita já é conhecido para os que acompanham os quadrinhos autorais. Sua primeira investida solo foi em Ascensão & queda de Big Mini (independente, 2013) e outro trabalho bastante conhecido do quadrinhista é Turma da Mata (Graphic MSP, 2015), obra na qual ele assina o roteiro. Logo, espere um roteiro bem estruturado e uma narrativa rápida. E é claro, algo inusitado.

E o inusitado aqui vem por meio da transformação do jovem tímido com o sonho de ser escritor em um ser descolado e “cool”. A ideia é bem simples, simular que está ingerindo bebidas alcoólicas com um grupo de pessoas que parecem ser bem sucedidas e se enturmar. Porém, por uma confusão, a sua bebida não é o que parece e depois de alguns porres o sucesso vem em um pulo.

Escrevendo-Lado-Esquerdo-Figado-2E desse pulo também se segue a queda. Atílio vai descobrir isso e um bocado de coisas mais na sua atribulada vida na Rua Augusta. Descobre que ser “cool” pode ser muito bom, mas que o sucesso não pode ser o seu único objetivo. As pessoas ao seu redor também vão lhe ensinar que parecer ser descolado não é a mesma coisa de ser descolado, mesmo que você se esqueça de fazer a barba e não penteie o cabelo logo de manhã. E em sua jornada, o nosso herói vai aprender a seguinte lição: afinal, vale tudo pelo sucesso?

O projeto “Escrevendo Com o Lado Esquerdo do Fígado” foi selecionado pelo ProAc 2013, o que demonstra a diversidade do programa. A HQ também mostra a diversidade da arte de Artur Fujita. Se você comparar a arte de Ascensão & queda de Big Mini com a HQ de agora, irá perceber que se trata da arte de Fujita, mas acima de tudo irá notar como a sua caracterização dos personagens são bastante diferente. Em “Escrevendo Com o Lado Esquerdo do Fígado” você irá notar traços mais angulosos e passagens mais rápidas de quadros.

Escrevendo-Lado-Esquerdo-Figado-3A HQ de Fujita me trouxe muitas lembranças. Trabalhei por algum tempo numa livraria que era ao mesmo tempo teatro e bar. Quadrinhos e livros quase não vendiam, ao contrário das garrafinhas e latinhas. Conheci muita gente como Atílio que tinham o sonho de uma grande carreira: a garota do interior que queria ser uma atriz de sucesso, o cara que queria escrever um RPG com jeitão bem brasileiro, outro com roteiros de quadrinhos com suas experiências espirituais. Quase todos sumiram como chegaram. A vida como falava o diretor Abujamra tem que ter lugar para o fracasso, esse às vezes tem mais importância que o sucesso.

Para finalizar, para você Impulsivo Leitor sentir mais o clima dessa rua tão famosa da capital paulista, recomendo o curta-metragem “Essa Rua Tão Augusta”, de Carlos Reichenbach.

*até o início dos anos 70, toda a Rua Augusta era chique. Depois, somente do final na Rua Estados Unidos até uns dois quarteirões abaixo da Avenida Paulista em direção ao Centro. O restante virou o “Baixo Augusta”, com botecos, inferninhos e as moças de uma vida nada fácil.

Escrevendo Com o Lado Esquerdo do Fígado
Dead Hamster
Autor: Artur Fujita
Acabamento: brochura
80 páginas
20,5 x 29,5 cm
R$ 35,00

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2016/05/Escrevendo-Lado-Esquerdo-Figado.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2016/05/Escrevendo-Lado-Esquerdo-Figado-300x300.jpgFloreal Andraderesenha hqbArtur Fujita,Dead Hamster,Escrevendo com o lado esquerdo do fígadoA primeira vez que caminhei pela Rua Augusta na capital paulista foi em 1971. Na ocasião, levei uma mordida do Rex, eu tinha 12 anos e fui com meu pai ao Instituto Pasteur tomar as famosas injeções (que não foram na barriga, como se falava na época). Na volta...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe