Rápido e contagiante como um palavrão bem falado. Assim é 3 Tiros e 2 Otários de Daniel Esteves (roteiro) e Caio Majado (arte). Quem já teve a oportunidade de conhecer a dupla, reconhecerá nas páginas um pouco da personalidade e irreverência dos autores.

Na apresentação da publicação, Esteves afirma que toda a ideia inicial surgiu de um sonoro palavrão e não há como negar que a narrativa segue essa característica, e talvez por isso, seja tão prazerosa. Afinal, outra dupla já afirma em seu show de stand-up comedy: “Nada mais prazeroso um palavrão. Um @%#$*! bem dado relaxa,
desestressa e coloca nos eixos.”

O grande mérito de 3 Tiros e 2 Otários é que a obra consegue ser o que ela se propõe: ela não é cult, ela não quer ser um divisor de águas e não quer mudar o mercado editorial de HQs. Ela é quadrinho puro, feita para entreter e passar o tempo.

Um dos grandes sinais disso é que quem acompanha o trabalho de Esteves como roteirista sabe de sua habilidade e percebe que durante a história ele poderia ter engrenado em uma narrativa mais complexa, tendendo para mistérios, máfias, gangsters, amores frustrados e etc., mas repetindo, logo de cara percebe-se que essa não é a proposta da publicação.

Sendo uma obra de Caio e Daniel, fazendo o puro e autêntico quadrinho para o entretenimento, e nascida de um palavrão, podemos dizer que a obra se define da seguinte maneira: “uma leitura sem o blá blá blá de menininha”.

Destaque para a caracterização gráfica dos personagens principais. Não há como negar a semelhança com os autores, e essa impressão fica acentuada pelo quadro close na quarta capa. Aliás, esse quadro merece mais uma observação que deixaremos para o final do texto.

Os traços de Caio Majado não decepcionam. O quadrinhista utilizou o mesmo estilo gráfico que ele já vem apresentando nas últimas publicações em que participou, o que combina perfeitamente com uma narrativa dinâmica. A escolha de enquadramentos e perspectivas diferenciadas dão um toque a mais para a HQ.

E falando em narrativa dinâmica, três tiros são suficientes para se definir muita coisa, nesse caso, três tiros foram à quantidade exata para se construir um arco dramático eficiente. A propósito, essa estrutura lembra muito a mesma construção narrativa usada para roteiros de curta-metragem, tudo que se passa antes e o que virá depois não precisa ser mostrado, pois o que é importante é aquele momento da ação dramática.

Para finalizar o nosso comentário sobre o quadro na quarta capa. Além de praticamente estampar Daniel e Caio como os personagens da publicação, ele também tem uma outra característica: ele é colorido.

Antes que alguém diga “Ta e daí?”, vamos explicar.

A impressão do miolo é P&B, ou seja, a variação tonal, que definem sombras e profundidade é por meio dos tons de cinza. Esse quadro na quarta capa nos apresenta como a história seria se fosse ambientada em 4 cores, deixando no leitor uma vontade de querer ver mais páginas coloridas.

Óbvio, sabemos que a impressão do miolo em cores acarreta maior custo de impressão, e se tratando de uma obra independente nós sabemos da onde viria a verba: do bolso dos autores. Mas enfim, deixamos registrado que gostaríamos de ver a história em cores, e que ela poderia ganhar espaço em alguma publicação especial do 4º Mundo.

3 Tiros e 2 Otários
Roteiro e edição: Daniel Esteves
Arte e design da publicação: Caio Majado
HQ independente
22 x 15 cm
24 páginas
R$ 5,00
Contato: [email protected]

Renato Lebeauresenha hqb3 Tiros e 2 Otários,4º Mundo,Caio Majado,Daniel Esteves,HQB,resenhaRápido e contagiante como um palavrão bem falado. Assim é 3 Tiros e 2 Otários de Daniel Esteves (roteiro) e Caio Majado (arte). Quem já teve a oportunidade de conhecer a dupla, reconhecerá nas páginas um pouco da personalidade e irreverência dos autores. Na apresentação da publicação, Esteves afirma que...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe