65058_gg“Não temos a necessidade de uma arte feita para um pequeno número, nem de livros para um pequeno número! Sim ou não? Sim e não. Se um livro destina-se a um pequeno número, a fim de ser exclusivamente um objeto de consumo, e se esse consumo não tem nenhuma função – então, ele é inútil. Mas se um livro se dirige a um pequeno número de pessoas, assim como a energia do Volkhovstroi é enviada a um peque número de subestações de transmissão, para que elas distribuam energia transformada em lâmpadas elétricas, então tal livro é útil. Esses livros se dirigem a um pequeno número, não de consumidores, mas de produtores.”

Usei esse trecho do poeta Maiakovski, pois li e vi (no youtube) muitas resenhas dizendo que o livro de quadrinhos de Alison Bechdel, publicado no ano passado pela Quadrinhos na Cia., não seria uma HQ, mas uma tese. Uma tese muita chata, segundo alguns.

VOCE-E-MINHA-MAE-02Confesso que li alguns trechos do seu primeiro livro “Fun Home” e conversei com algumas pessoas sobre ele. Meu amigo, o desenhista de quadrinhos Mário Látino pediu um exemplar, que trouxe da HQMIX Livraria. Algum tempo depois ele fez uma viagem de ônibus e disse que leu com grande prazer o livro de Alison.

Em Fun Home, a autora conta a relação com o pai, um professor de literatura, que é gay, e na faculdade Alison vai descobrir sua própria homossexualidade.

Pelo pouco que pude ler de Fun Home, apesar dos problemas a relação com o seu pai, essa relação foi menos conturbada da contada aqui em Você é a minha mãe?, já que Bechdel conta a difícil relação com sua mãe, uma atriz.

bechdel_aymm_127_hi-e1336578602615-704x1024Aqui temos praticamente uma continuação de Fun Home. A investigação do passado da autora nos faz presenciar como ele vivia com a sua mãe, uma atriz amante de música e literatura e infeliz no casamento. É uma leitura mais densa, tanto que os sete capítulos a obra são iniciados sempre com um sonho de Alison e todos com títulos retirados do pediatra e psicólogo Britânico D.W Winnicott.

A narrativa é um relato minucioso. Suas idas as sessões de análise, suas leituras, sua maneira de trabalhar, a vida íntima com suas companheiras, as brigas com sua mãe. Nada é deixado de lado, até os textos de Winnicott são mostrados com grifos da autora.

Um personagem de um livro do escritor argentino Ricardo Piglia diz que sonhou um poema:

sou
o equilibrista que
no ar caminha
descalço
sobre um arame
de farpas

Após ler Você é minha mãe? (e recomendo também procurar por Fun Home) com certeza você leitor irá entender o que eu quis dizer com essa citação. Nós somos os espectadores da equilibrista Alison Bechdel que não tem medo de mostrar sua dor e suas feridas.

Você é minha mãe? Um drama em quadrinhos
Título original: Are you my mother?
Quadrinhos na Cia.
Autora: Alison Bechdel
Tradução Érico Assis
Acabamento: Brochura
15, 20 x 22, 80 cm
304 páginas
R$ 54,00

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/11/65058_gg1.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/11/65058_gg1-300x244.jpgFloreal AndradeNas bancas / Nas livrariasAlison Bechdel,Érico assis,Quadrinhos na Cia,Você é minha mãe?“Não temos a necessidade de uma arte feita para um pequeno número, nem de livros para um pequeno número! Sim ou não? Sim e não. Se um livro destina-se a um pequeno número, a fim de ser exclusivamente um objeto de consumo, e se esse consumo não tem nenhuma...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe