Nietzsche já dizia “abençoados aqueles que esquecem”. Infelizmente não é o caso do personagem protagonista da série Tetralogia Mostro, publicada nesse ano pela editora Nemo. Nike lembra de todos os momentos de sua vida, desde os dezoito dias de seu nascimento. E esse é o seu tormento.

Essa é mais uma grande obra do genial Enki Bilal, quadrinhista de origem iugoslava, radicado na França. E quando digo grande, falo tanto de tamanho da obra, uma edição belíssima de capa dura com 272 páginas, como do talento desse autor que ficou conhecido em usar a ficção-científica como base para suas críticas sociais e políticas.

Aqui tudo faz referencia à guerra da Iugoslávia na década de 1990. É fácil identificar a Sarajevo de 1993, mesmo toda a história se passando em um futuro. A cena no hospital em Kosevo em que Nike recorda os seus vizinhos de berço Leyla e Amir é marcante. Preste atenção no ambiente.

Em uma entrevista, ao ser perguntado sobre a infelicidade dos seus personagens, Enki Bilal diz “…tudo isso tende a me empurrar em direção de histórias mais sérias, histórias que tendem a enfatizar como é duro viver.”

Esse sempre foi o cerne das histórias de Bilal e é essa a atmosfera que você sente em cada página dessa tetralogia: são os edifícios velhos, sujos e abandonados da sua infância em Belgrado. Eles estão mais de uma vez presentes. E uma lembrança dura da Segunda Guerra Mundial que sempre retorna em seus álbuns.

Mais uma vez os eventos do passado se misturam a fatos nebulosos, como os do álbum Animal’Z, vão influenciar o futuro dos personagens. O autor utiliza do artifício de se aproveitar de fragmentos de jornais e revistas para mais uma vez colocar o contexto dentro das suas páginas da HQ.

O jornalista Jean Hatzfeld de quem Bilal toma emprestado o sobrenome e batiza Nike Hatzfeld disse uma vez “os repórteres afirmam que a realidade supera a ficção; os escritores defendem o contrário. As guerras mostram que ficção e realidade se ultrapassam alternadamente, mas caminham juntas.”

Assim é a história dos três órfãos nascidos em meio as bombas da guerra e agora vivem e tentam sobreviver num mundo futurista poluído, sombrio e cercado de conspirações. Bilal que tem uma arte espetacular e que sinceramente nem precisa ser comentada ou analisada, precisa ser apenas apreciada, dividiu a história em quatro capítulos: O Sono do Monstro, 32 de Dezembro, Encontro em Paris e Quatro?.

Para a alegria de nós brasileiros, a editora Nemo decidiu publicar em uma edição de luxo as quatro histórias. Ficou meio salgado o preço (R$ 84,00), mas vale a pena. São quatro momentos em que o “monstro” está presente em meio as lembranças e memórias dos personagens e do autor. Afinal, não seria a guerra o grande monstro?

A editora Nemo, que repete o excelente trabalho apresentado em 2012, no final do belo álbum de Bilal, presenteia os leitores com muitos extras como esboços, textos complementares e um glossário.

Uma obra imperdível. Você tem que ter na sua estante.

Tetralogia Monstro
Editora Nemo
Autor: Enki Bilal
Título original: Monstre – L’Intégrale
Tradução: Fernando Scheibe
24 x 32 cm
272 páginas
R$ 84,00

Floreal AndradeNas bancas / Nas livrariasEnki Bilal,Fernando Scheibe,Nemo,Tetralogia MonstroNietzsche já dizia “abençoados aqueles que esquecem”. Infelizmente não é o caso do personagem protagonista da série Tetralogia Mostro, publicada nesse ano pela editora Nemo. Nike lembra de todos os momentos de sua vida, desde os dezoito dias de seu nascimento. E esse é o seu tormento. Essa é mais...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe