1183-20150224163209Ao ler a bela novela gráfica de Ugo Bertotti, fica evidente que as histórias das mulheres do Iêmen são assim: casadas aos 9, 10 anos de idade, vivem como se estivessem na pré-história da humanidade, até vivem em cavernas, cavernas de tecido, o “nigab” com algumas modernidades, como celulares e Internet, mas totalmente privadas de liberdade.

Lançado aqui no Brasil pela editora Nemo, o álbum “O Mundo de Aisha – A revolução silenciosa das mulheres do Iêmen” tem como base as entrevistas da fotojornalista Agnes Montanari, que durante três meses morando no Iêmen, conversou com mais de 30 mulheres. São esses relatos e fotos verídicas que dão vida às personagens retratadas nessa reportagem em quadrinhos.

res20150408160756471042uDurante a leitura, lembrei uma personagem de um livro de Philip Roth, onde uma mulher vivendo na palestina tem o marido preso e o filho caminha para o mesmo fim. As palavras dessa mulher ecoam até hoje na minha cabeça:

“…não quero minha vida e meus amigos baseados somente em laços de sangue, uma coisa tribal, como se ainda fôssemos homens da caverna”.

A graphic novel consegue expressar o silêncio e a esperança das mulheres iemenitas. Uma esperança torturada e calada pelo véu negro que cobre seus rostos, deixando apenas os olhos descobertos e o olhar que anseia a liberdade.

Dividido em 3 partes, O Mundo de Aisha no início conta a triste vida de Sabiha, que teve um casamento arranjado aos 12 anos. Ela quer apenas tomar um pouco de ar na janela de sua casa em uma pequena aldeia nas montanhas, onde vive com os filhos e o marido, mas vai pagar um preço alto por se livrar do nigab por alguns minutos.

Depois somos apresentados a Hamedda, uma senhora que tem restaurante, hotel entre outros estabelecimentos, começou servindo refeições em sua casa para soldados, mas teve que lutar contra os insultos dos vizinhos e venceu.

res20150408160749522107iNa terceira parte, cinco mulheres têm suas vidas interligadas pela história de Aisha, uma jovem que quer estudar e trabalhar, mas que tem no irmão, Hamza, um feroz adversário.

Por fim, um texto de Agnes Montanari “Meu encontro com Aisha e as outras” conta um pouco de seu contato com essas corajosas mulheres nos três meses em que morou no Iêmen.

Sentei e li. Só me levantei quando terminei. Uma tarde de domingo bem aproveitada.

O Mundo de Aisha – A revolução silenciosa das mulheres do Iêmen
Editora Nemo
Título original: Il mondo di Aisha
Roteiro e desenhos: Ugo Bertotti
Entrevistas e imagens: Agnes Montanari
Tradução: Fernando Scheibe
Acabamento: brochura
144 páginas
17 x 24 cm
R$ 39,90

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/06/dfdfdf11-1024x733.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/06/dfdfdf11-300x300.jpgFloreal AndradeNas bancas / Nas livrariasAgnes Montanari,Fernando Scheibe,Nemo,O Mundo de Aisha,Ugo BertottiAo ler a bela novela gráfica de Ugo Bertotti, fica evidente que as histórias das mulheres do Iêmen são assim: casadas aos 9, 10 anos de idade, vivem como se estivessem na pré-história da humanidade, até vivem em cavernas, cavernas de tecido, o “nigab” com algumas modernidades, como celulares...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe