Em 1967, de segunda a sexta-feira eu não saia da frente da TV. Assistia às 16h30 o programa “Clube dos Super-heróis”, que mais tarde mudou para as 17h45 e passou a chamar somente “Super-heróis”. Thor, Príncipe Namor, Hulk, Homem de Ferro e Capitão América. Essa era a sequência dos desenhos a cada dia. Isso para mim era a Marvel!

Sim, foi na TV o meu primeiro contato com os heróis da Marvel Comics. O primeiro gibi Marvel que comprei, numa das caminhadas de domingo com meu pai, foi Capitão Z. Era colorido e com a capa plastificada, custava ncr$ 1,00(um cruzeiro novo), e era uma publicação da extinta editora Ebal. Ali estava a primeira aventura do Capitão América e do Falcão que tive em minhas mãos.

Lembro a primeira vez que li uma história do Surfista Prateado na casa de um amigo, acho que em 1971. Em 1972, um vizinho de quintal me perguntou se eu tinha gibis para trocar. Minha coleção tinha de tudo, a dele só os gibis da Marvel Comics. Foi assim que finalmente pude ler Homem-Aranha, Demolidor e Quarteto Fantástico.

Agora, se você quer conhecer a história detalhada da empresa Marvel Comics e não essa que eu contei, você deve ler “Marvel Comics – A História Secreta” lançada pela editora Leya e saiba mais sobre a trajetória dessa gigante do entretenimento que começou como uma modesta editora, que em 1961 estava chegando ao fim.

De forma empolgante, o autor Sean Howe, conta como um editor / redator conseguiu, com uma revista de quadrinhos de quatro heróis fantásticos, criar um universo de novos super-heróis. O destaque fica para os bastidores e como ele apresenta todo um plano de fundo no qual ele deixa claro que toda essa mágica não se fez apenas com uma mão.

Quase que como um romance, aqui você vai ler como foi o início de tudo até o ano passado, onde o livro termina. Seus personagens de carne e osso, suas desavenças, e o competitivo mercado corporativo, porque sim, não podemos esquecer que é uma empresa, e quando o assunto é dinheiro, inimigos mortais são formados e a rixa perdura por anos. Stan Lee que o diga!

Vale lembrar que esse mesmo livro ganhou o prêmio Eisner Awards nesse ano de 2013 como “Melhor Publicação Sobre Quadrinhos”. Merecido! Como eu já disse, o grande trunfo desse livro que todo leitor e admirador de quadrinho deve ter (e não só da Marvel) é que literalmente ele conta por meio de relatos de profissionais que trabalharam na empresa a história “não contada”, o que seria a tradução literal do título original.

Mas só de brigas se ergue uma empresa? Não. Claro que não. Há também a esperança de acreditar no seu sonho. Stan Lee começou a ver um princípio de sucesso após mais de 20 anos trabalhando em uma empresa que estava praticamente falida. Há a vontade de lutar. Não ficar parado e aproveitar as oportunidades e conhecer o “mercado” que se trabalha também pode ser considerada uma das grandes lições da obra.

Claro, não dá pra saber se foi um golpe de sorte para a editora Leya a obra ter ganhado um dos maiores prêmios da indústria de quadrinhos dos Estados Unidos, afinal, não dá para saber há quanto tempo a editora tinha em seus planos publicar o livro de Sean Howe. Mas para os leitores brasileiros a grande sorte foi ter sido a Leya ser a editora desse título.

A Leya tem a tradição de ter um bom acabamento editorial e para “Marvel Comics: A História Secreta” não foi diferente. A edição brasileira é bem acabada. Um calhamaço de mais de 550 páginas que não é difícil de transportar devido a boa escolha do papel do miolo. A tradução não deixa a desejar e como extra a edição ainda traz uma lista com as HQs citadas no livro contendo quando foi publicada e por qual editora, além de outras referências.

A frase que mais define a publicação está logo na apresentação: “Sean Howe apresenta os bastidores da criação do universo Marvel com foco nos roteiristas, desenhistas e editores que construíram esse império e o que cada um ganhou e perdeu com sua colaboração”. Nada mais que a verdade. Os leitores de quadrinhos e estudiosos ganharam um livro de primeira, que vai render conversas sobre o assunto por muitos anos.

Só para finalizar: no filme francês de 1961 “Acossado” de Jean-Luc Godard, o personagem Michel tinha como personificação do herói, o ator Humprey Bogart. Vinte anos depois na sua bela refilmagem americana “Breathless”(A Força do Amor) de Jim McBrigde, o herói de Jesse Lujack é o Surfista Prateado. Marvel Comics mudando e virando referência para várias gerações.

Excelsior!

Marvel Comics: A História Secreta
Editora Leya
Autor: Sean Howe
Tradução: Érico Assis
16 x 23 cm
560 páginas
R$ 49,90

Floreal AndradeNas bancas / Nas livrariasA História Secreta,Érico assis,Leya,Marvel,Marvel Comics,Sean Howe,Stan LeeEm 1967, de segunda a sexta-feira eu não saia da frente da TV. Assistia às 16h30 o programa “Clube dos Super-heróis”, que mais tarde mudou para as 17h45 e passou a chamar somente “Super-heróis”. Thor, Príncipe Namor, Hulk, Homem de Ferro e Capitão América. Essa era a sequência...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe