HappyDevirQuando eu era garoto a sessão de cinema na TV Paulista se chamava Romance na Tarde, e um dos filmes que não esqueci foi Harvey (1950), comédia dirigida por Henry Koster. Lançado quase no final de 2014 pela editora Devir, Happy, de Grant Morrison e Darick Robertson me fez lembrar muito desse filme. Calma, eu já vou explicar.

Harvey é um pooka, um duende da mitologia celta segundo a definição de um personagem do filme. É um espírito invisível, bondoso e brincalhão em forma de animal e que aparece apenas para uma pessoa. No filme, James Stewart é Elwood, o único a ver Harvey, um coelho branco de 2 metros de altura.

Na HQ, Happy é um cavalinho azul com asas e um chifre de unicórnio. A única pessoa que pode vê-lo é Nick Sax, um ex-policial bêbado e drogado, que virou matador de aluguel e agora perambula num mundo de assassinatos, sexo barato, eczema e traição.

v01_006Viu como os dois personagens (Harvey e Happy) são até que semelhantes? Claro que no se tratando de história a coisa já muda completamente de caminho. Tanto o filme como a HQ são levadas como comédia, a diferença é que Happy!, obra que reúne pela primeira o roteirista Grant Morrison (Os Invisíveis) e o artista Darick Robertson (The Boys), é uma narrativa policial sombria de humor negro numa história cheia de reviravoltas. Mas você não esperaria algo diferente vindo da união desses dois artistas certo?

Perseguido por mafiosos, Nick leva um tiro, socorrido sofre um ataque do coração então vê pela primeira vez Happy, que pede para ele aguentar firme. Mas o que é Happy? Aqui, Morrison deixa o leitor ter as suas próprias interpretações: como já mencionado, Happy é um cavalinho azul falante que decide mudar a vida de Nick, é a pura inserção de fantasia e imaginação em um cenário real. É Morrison mostrando como gosta de trabalhar com metalinguagem.

Happy ajuda Nick a escapar quando está prestes a ser torturado para revelar um segredo, mas pede um favor, ajudar a garotinha Hailey, de quem é o amigo imaginário. O cavalinho azul vai ter muito trabalho para convencer o ex-tira, em plena época natalina, e com a bala ainda alojada no corpo, a ir de encontro a um assassino e estuprador de crianças vestido de Papai Noel que está pronto para fazer novas vítimas.

v01_008Isso mesmo, a trama se passa em época de natal. Um contraponto a ser analisado: será que o clima festivo e de esperança fizeram Happy aparecer para Nick? Ou será que Morrison quis apenas quebrar o estereótipo natalino de coisas boas?

Claro que não sei responder ao certo a intenção do roteirista que nos apresenta uma história com doses de humor ácido e muita violência, com elementos fantásticos e dramas humanos, repleta de fatos interligados que, como em toda boa história policial, se encontram e o levam ao clímax da narrativa.

A arte de Darick Robertson tenta contar essa aventura de maneira bem próxima da realidade. São personagens de aparência suja, violentos, frias e sem nenhum sinal de esperança. Na verdade é algo quase que idêntico ao que ele apresenta em The Boys (outra série que é publicada aqui no Brasil pela Devir).

HappyDevirImg05Sangue, sexo, muitas balas e um bando de caras sacanas nessa trama policial, que chegou à redação do Impulso HQ graças aos nossos parceiros da Comix Book Shop. A Devir deu um capricho (apesar do preço salgado) e a edição conta com alguns extras como sketches dos personagens, comentários de Grant Morrison, galeria de imagens, criação da capa e capas descartadas.

Mas a pergunta que você leitor deve estar fazendo agora é…

Afinal, Happy existe ou não?

Descubra lendo essa bacana história em quadrinhos e “be happy”! (não resisti!!!).

Happy!
Editora Devir
Roteiro: Grant Morrison
Arte: Darik Robertson
Acabamento: capa dura
Colorido
18,5 x 27 cm
128 páginas
R$ 54,00

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/07/HappyDevirImg01.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/07/HappyDevirImg01-300x300.jpgFloreal AndradeNas bancas / Nas livrariasDarik Robertson,Devir,Grant Morrison,HappyQuando eu era garoto a sessão de cinema na TV Paulista se chamava Romance na Tarde, e um dos filmes que não esqueci foi Harvey (1950), comédia dirigida por Henry Koster. Lançado quase no final de 2014 pela editora Devir, Happy, de Grant Morrison e Darick Robertson me fez...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe