Não sou muito de acompanhar mangás, portanto quando em junho desse ano a editora NewPop publicou “Eu Mato Gigantes” confesso que não dei muita bola. Não conhecia a dupla criadora da série Joe Kelly e J. M. Ken Niimura e o máximo que me interessou na época foi saber que um deles já trabalhou para a Marvel e DC Comics e também fez parte dos profissionais que criou a série animada Ben 10.

Ok, mas até aí eu continuava com a mesma impressão: mais um mangá nas livrarias. E vamos deixar claro que não tenho nada contra os quadrinhos japoneses. Eu mesmo já resenhei esse tipo de quadrinho anteriormente aqui no Impulso HQ. Mas até aí “Eu Mato Gigantes” não aparentava trazer nada de novo.

Mas veio os comentários de quem leu. E deles vieram o saldo positivo para eu começar a dar crédito a publicação. E não há melhor propaganda que o boca a boca. Todos indicavam que os prêmios recebidos não foram a toa. Só para citar, “Eu Mato Gigantes” recebeu o prêmio de “Melhor Livro Indie de 2008″, foi citado como uma das “10 Melhores HQs de 2009″ numa lista da revista New York e também esteve presente no TOP 10 de “Melhores Graphic Novels de 2010″. Todos esses prêmios dentro dos E.U.A.

Mas aí vem outro ponto positivo, em 2012 a história foi premiada pelo International Manga Award. Reconhecimento do governo japonês aos mangás produzidos fora da terra do sol nascente. Depois de tudo isso tem como não dar crédito para a publicação? E depois que os nossos parceiros da Comix Book Shop nos enviaram um exemplar, não tive mais desculpa para não ler. E não me arrependi em nada.

“Eu Mato Gigantes” já dá um aviso que não é uma história banal logo na sua classificação de faixa etária: 16 anos. Lembra que eu falei que um dos criadores fez parte da equipe que deu vida ao Bem 10? Então, ele é Joe Kelly, escritor e roteirista americano, que na sua carreira produziu poucos dramas, e esse mangá é justamente um deles.

Seu roteiro aborda um tema adulto, mas com uma visão infantil que mascara a realidade. Para se ter uma ideia, a personagem principal é Bárbara Thorson, uma adolescente que espera a chegada de gigantes, para então mata-los e assim salvar o mundo. Infantil não? Mas você levará uma martelada na cabeça (ou no coração) quando sacar as metáforas contidas na história.

J. M. Ken Niimura mistura vários gêneros de quadrinhos como os comics, o estilo europeu e o mangá, o resultado é um traço bem solto que gostei muito e se encaixa perfeitamente com uma história sobre as dolorosas perdas na vida e como lutar contra elas.

E podemos dizer que Bárbara Thorson sabe tudo sobre seus inimigos, os gigantes, e qual arma usar para enfrentar os colossais adversários, mas existem os confrontos do dia a dia, aqueles que enfrentamos em casa e na escola. E esses desafios podem ser muito maiores e dolorosos do que imaginamos, principalmente quando somos adolescentes.

No Colégio Bétula não falta os estereótipos, e Taylor está lá. Taylor é uma garota que importuna às outras crianças, principalmente Bárbara, por isso as duas vivem frequentando a sala do diretor Marx. Já em casa, Bárbara faz pouco de sua irmã Karen.

A história começa a se desenvolver quando chega Sofia, uma nova garota na escola que procura fazer amizade com a Matadora de Gigantes, que no princípio Bárbara não quer saber de amizade (como poderia não ser diferente?). Aos poucos nossa heroína conta tudo sobre sua missão de destruir os gigantes antes que eles destruam o mundo.

Outro ponto chave da HQ são as frequentes visitas à sala da Sra. Molle, psicóloga do colégio, que tenta quebrar as barreiras entre elas. Há um segredo a respeito da mãe de Bárbara. Lamento, para descobri-lo você terá que ler a publicação!

Destaco também a edição como um todo que a NewPop nos trouxe. Os extras são muito bacanas, principalmente as HQs de uma página. Joe e Ken formam um time criativo que nos conta o processo de criação de “Eu Mato Gigantes” com muito humor.

Sempre me lembro de uma frase que o pai do escritor Fernando Sabino dizia para ele quando se encontrava em dificuldades: “no final tudo da certo, se não deu, é por que ainda não chegou ao final”. Eu diria que esse é o espírito de “Eu Mato Gigantes”.

Grande HQ. Recomendo para todos que estão passando ou já passaram por dificuldades na vida ou ainda vão passar.

Eu Mato Gigantes
Título Original: I Kill Giants
Editora NewPOP
Volume Único – História Completa
Autores: Joe Kelly e JM Ken Niimura
Capa Cartonada
Papel Couché
1 cor
17x 26 cm
208 páginas
R$ 39,90

Floreal AndradeNas bancas / Nas livrariasEu Mato Gigantes,JM Ken Niimura,Joe Kelly,mangá,NewPOPNão sou muito de acompanhar mangás, portanto quando em junho desse ano a editora NewPop publicou “Eu Mato Gigantes” confesso que não dei muita bola. Não conhecia a dupla criadora da série Joe Kelly e J. M. Ken Niimura e o máximo que me interessou na época foi saber...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe