Lançamento surpreendente em quase todos os sentidos. Pouquíssimos sabiam que a Editora Panini iria lançar esse material. E a dupla responsável por esse encadernado (que reúne as quatro edições da minissérie original) também surpreende: o escritor Brian Michael Bendis (um dos “arquitetos” do Universo Marvel atual) e o desenhista Alex Maleev. Convenhamos, artistas nem tão desconhecidos assim!

A dupla é uma das mais queridas dentre fãs e crítica especializada, responsável por uma revitalização do super-herói Demolidor, que chega a ser comparada (ou até considerada superior) ao clássico trabalho feito por Frank Miller com o mesmo personagem.

Apesar de trazer o selo da Marvel, editora americana responsável pela publicação original, Halo se passa no universo criado para o game de mesmo nome, um dos best-sellers do gênero. No entanto, não chega a ser necessário ter um conhecimento prévio do jogo para se entender essa obra. E mesmo para quem conhece os elementos aqui adaptados chegam a ser apenas pano de fundo para a história.

Vale dizer que é necessário que o leitor se desvincule um pouco do trabalho da dupla criativa dentro do universo Marvel. Caso contrário, fica um sentimento parecido com decepção por não mostrar o mesmo clima das histórias do Demolidor, por exemplo. Mesmo porque seria comparar alhos com bugalhos.

A história se passa diante de uma iminente invasão alienígena, mas em um clima quase apocalíptico, uma vez que os monstros já estão pousando na Terra. Diante de um clima opressivo (e aqui a arte de Maleev funciona muito bem), um casal nada funcional se conhece e tenta sobreviver da melhor maneira que pode.

Como história secundária, temos o avanço das forças da Terra dentro da nave dos alienígenas e um blefe muito picareta por parte de um humano que foi capturado.

A história inteira não surpreende tanto, talvez por se alongar, quando daria muito bem conta em um espaço com menos páginas. Interessante mesmo é a estrutura utilizada por Bendis para contá-la. Os dois acontecimentos, a invasão da Terra e o blefe do prisioneiro, tem uma íntima interligação que vai levar a aventura a seu clímax, mostrando uma reviravolta que deixa muito claro que aqui não é uma história de super-heróis, mas um típico destino encontrado em bons contos de ficção científica.

Como característica comum nos trabalhos da dupla Bendis/Maleev, está o desenvolvimento das relações humanas (mais para o lado das “relações”, do que pro lado das “humanas”), chegando ao ponto de se tornarem muito mais interessantes do que a ação propriamente dita. Algo muito peculiar, levando-se em conta que se passa no universo de um jogo de ação em primeira pessoa.

Não é a primeira vez que vemos a publicação do universo de Halo por aqui. A própria Panini já lançou uma Graphic novel sobre Halo, que curiosamente ficou nos mesmos moldes deste encadernado.

Talvez não divirta tanto os jogadores costumeiros do jogo, mas é um meio termo exato entre o universo dos super-heróis e o dos jogos. Principalmente se o leitor levar em conta o desapego a qualquer um dos lados. Em uma história em quadrinhos (ou mesmo jogo) que aborda uma guerra tão acirrada entre duas raças, estar em um lado neutro pode ser vantajoso para o leitor… ou torná-lo apenas mais uma vítima.

Nas Bancas: HALO – Insurreição
Editora Panini (Marvel )
Roteiro: Brian Michael Bendis
Arte: Alex Maleev
Lombada quadrada
Colorido
17 x 26 cm
156 páginas
R$ 19,90

Marcos DarkNas bancas / Nas livrariasAlex Maleev,Brian Michael Bendis,halo,Marvel,PaniniLançamento surpreendente em quase todos os sentidos. Pouquíssimos sabiam que a Editora Panini iria lançar esse material. E a dupla responsável por esse encadernado (que reúne as quatro edições da minissérie original) também surpreende: o escritor Brian Michael Bendis (um dos “arquitetos” do Universo Marvel atual) e o desenhista...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe