Havana era a capital norte-americana da jogatina, da prostituição e dos filmes pornográficos, das drogas, e é claro, dos vícios. Era o lugar ideal para os Wasps (branco, anglo-saxão e protestante), que deixavam de lado sua consciência protestante. Para simplificar, era antes de Fidel, “o bordel dos Estados Unidos”, citando Claudio Abramo (jornalista brasileiro).

O quadrinhista alemão Reinhard Kleist, autor de outras biografias em HQs como Johnny Cash e Elvis, ambos publicados pela 8Inverso, conta 50 anos na vida de Fidel Castro narrados através do personagem fictício Karl Mertens (K M – Karl Marx), jornalista e fotógrafo alemão que vai a cuba entrevistar os guerrilheiros e se apaixona pela revolução e por uma guerrilheira. A HQ enfoca na verdade a infância e juventude de um homem rural que iria se tornar o futuro comandante de um regime militar.

Para tal obra, o autor foi a Cuba onde passou um tempo pesquisando informações para o álbum. Dessa viagem surgiu outra HQ intitulada “Havana”. Quem assina o prefácio é o jornalista alemão, e biógrafo de Fidel, Volker Skierka.

Com um traço a pincel e uma narrativa cinematográfica, Kleist nos mostra em Castro, os fatos como um documentarista e deixa que cada um tire suas conclusões. Grande mérito do quadrinhistas, pois demonstra total domínio sobre a arte de narrar histórias.

O roteiro é enxuto. É impossível parar de ler quando se começa, e para  quem não conhece a dolorosa história da América de língua espanhola, com seus ditadores sempre  dispostos a colaborar com os governos norte-americanos, essa é uma boa introdução.

Os pontos chaves da vida de Fidel estão na obra: o insucesso em 1953, a prisão, a anistia, o exílio no México, volta à Cuba  em 1956 numa pequena embarcação (projetada para  25 pessoas) com 82 guerrilheiros a bordo (uma das melhores cenas do álbum), a vitória em 1959, a crise dos mísseis (que quase leva o mundo a uma guerra nuclear). Tudo é mostrado pelo olhar de Karl.

Existe um pouco de humor, principalmente quando ele fala das tentativas da CIA em assassinar ou ridicularizar Fidel, uma delas não concretizada porque a agente tinha sido amante dele.

Na orelha do livro Kleist diz: “quando visualizo uma cena, meu primeiro pensamento é tratá-la como uma cena de cinema”. O cineasta Howard Hawks ao falar sobre filmes de ação disse: “…mas o melhor drama é aquele do homem em perigo. Não há ação a menos que haja perigo; e se chega à ação real, da mesma forma há perigo: ficar vivo ou morrer, este é o maior drama que nós temos”.

Ficou empolgado? Então se prepare para 288 páginas da história real de um homem controverso e que divide  opiniões, com muita ação, perigo e cheiro de pólvora.

Castro
Editora: 8INVERSO
Texto e ilustrações: Reinhard Kleist
Tradução: Margit Neumann
288 páginas
R$ 51,00

Floreal Andradehq que acontece8INVERSO,Cuba,Fidel Castro,Margit Neumann,Reinhard Kleist,Volker SkierkaHavana era a capital norte-americana da jogatina, da prostituição e dos filmes pornográficos, das drogas, e é claro, dos vícios. Era o lugar ideal para os Wasps (branco, anglo-saxão e protestante), que deixavam de lado sua consciência protestante. Para simplificar, era antes de Fidel, “o bordel dos Estados Unidos',...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe