Um ex-anarquista que virou detetive particular. Esse é Nestor Burma. Criado em 1942 por Léo Malet, o detetive já viveu muitas aventuras nos romances policiais que foram publicados, e nas adaptações para o cinema, televisão e, é claro, quadrinhos.

Publicada recentemente no Brasil pela editora Zarabatana, o álbum “Brumas sobre a Pont de Tolbiac” ou no original Brouillard au Pont de Tolbiac, nos apresenta uma Paris em um outono chuvoso de 1956. O clima sombrio e tenso começa quando Nestor Burma recebe uma carta de um antigo camarada anarquista, Abel Benoit, que o chama ao hospital La Salpêtrière.

Todo o desenrolar dessa trama vai levar Burma da cama da jovem e bela cigana Isabelita Morales até os becos mais perigosos de Paris. As brumas da cidade luz escondem muito mais do que se imagina, e você leitor vai perceber enquanto a névoa se dissipa que passado anarquista do detetive revela seus atos de quando ele frequentava a célula anarquista e a possíveis assassinatos.

No caso, iremos acompanhar os detalhes e segredos do atentado da Pont de Tolbiac, um misterioso caso ocorrido há 20 anos, mas nunca esclarecido. E ao que tudo indica a história havia começado alguns anos antes, com o sumiço de um empregado de um frigorífico, encarregado dos pagamentos e que atormenta o inspetor Ballin. Não vou revelar muito sobre a narrativa, ou toda a emoção do suspense policial perderia toda a graça.

Toda a adaptação e belo traço ficam a cargo de Jacques Tardi, que coloca em seus projetos um estilo expressionista e que devido a isso conquistou um lugar no hall da fama dos quadrinhos europeus, se tornando um nome importante da nona arte da França. Entre as inúmeras obras significativas do premiado Tardi, relembro aqui o álbum Era a Guerra das Trincheiras.

O importante é que como em todo bom romance policial, a história sempre completa um ciclo. Tudo começa na ponte da Rua Tolbiac e para lá o final se encaminha e velhos conhecidos vão reaparecer no caminho de Nestor Burma.

Merece destaque na edição da Zarabatana, a introdução do também francês Léo Malet (1909 -1996), como já mencionado, o autor dos livros policiais do detetive Nestor Burma que estrelou 33 romances com suas aventuras, sendo que 18 se passam em Paris.

Para completar o belo álbum, nas duas últimas páginas um mapa com todos os lugares onde se passa toda a trama. Com certeza, um biscoito fino para os amantes dos livros policiais noir e de quadrinhos.

Um dos melhores lançamentos de 2012.

Brumas sobre a Pont de Tolbiac
Editora Zarabatana
História: Léo Malet
Adaptação e arte: Jacques Tardi
Tradução: Claudio Roberto Martini
16 x 23 cm
88 páginas
R$ 35,00

Floreal Andradehq que aconteceBrumas sobre a Pont de Tolbiac,Claudio Roberto Martini,Jacques Tardi,Léo Malet,ZarabatanaUm ex-anarquista que virou detetive particular. Esse é Nestor Burma. Criado em 1942 por Léo Malet, o detetive já viveu muitas aventuras nos romances policiais que foram publicados, e nas adaptações para o cinema, televisão e, é claro, quadrinhos. Publicada recentemente no Brasil pela editora Zarabatana, o álbum “Brumas sobre...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe