Will Eisner sempre falou da sua vida na cidade de New York, mas ele nunca foi tão fundo como em Ao Coração da Tempestade, lançado recentemente pela Quadrinhos na Cia. Tudo gira em torno da reflexão de um homem que vai lutar na Segunda Guerra Mundial.

Esse homem é Willie ou Will Eisner, criador de Sheena e do Spirit. É só sentar ao lado do personagem no trem, que o leva ao coração da tempestade, olhar pela janela que se parece com uma tela de cinema e curtir os belos flash-backs.

Quando eu falo em janela como tela de cinema, eu não estou exagerando. O leitor pode observar que quando Willie a olha no início da narrativa, o formato retangular, lembra uma tela de cinema. Era nas exibições dos filmes nesse período que as pessoas iam para escapar da dura realidade da vida.

E a vida é relembrada sem esconder nenhum fato. Willie guarda em suas memórias as dificuldades dos judeus vindos da Europa para “fazer a América”, como seu pai Vienense e sua mãe Romena, a dureza de como foi sobreviver nessa América pós-crack com a quebra da bolsa em 1929, que levou a miséria milhões de pessoas, os subempregos, a chacota dos garotos da vizinhança, da qual Willie e seu irmãozinho Julian eram submetidos.

Nada foi omitido, desde a sua primeira relação sexual, até o seu relacionamento com os pais como a passagem em que ao descrever sua mãe, ele relembra que ela dizia que seu pai deveria “deixar de sonhar em ser um artista e ir pintar paredes”, e o conselho dado por seu pai para vencer as brigas com os anti-semitas: usar a inteligência.

Óbvio que Willie não sabe o que o espera no coração da tempestade, mas relembrar o passado, o filme da nossa vida passando diante dos nossos olhos, quando corremos o risco de morrer, e repensar toda a importância da nossa trajetória é o grande mote da obra, afinal ele não sabe ainda se vai voltar vivo dessa viagem.

Diferente da outra edição brasileira, que foi publicada em 1996 e saiu em 2 volumes com capa de papel muito frágil, essa edição em um só volume com capa e miolo de papel de alta qualidade, é de babar (em sentido figurado é claro!). Não vá babar em cima desta obra-prima dos quadrinhos ou novela gráfica que Eisner leitor de Gógol, Tchecov e O.Henry, soube como ninguém escrever sobre os perdedores, ele que finalmente venceu as dificuldades e se tornou um dos mais importantes artistas do quadrinho mundial.

O jornalista Marcos Faerman (1943-1999) que adorava quadrinhos e trabalhou na redação da revista “Grilo” nos anos setenta, disse uma vez que Fritz Lang amou a arte de Will Eisner. Dá para imaginar uma história de Eisner dirigida pelo genial cineasta alemão?

Para sentir o mesmo que Fritz Lang é simples: é só ter o belo exemplar de Ao Coração da Tempestade, da Quadrinhos na Cia na mãos.

Ao Coração da Tempestade
Will Eisner
Tradução: Augusto Pacheco Calil
226 Páginas
R$ 42,00

Floreal Andradehq que aconteceAo Coração da Tempestade,Quadrinhos na Cia,Will EisnerWill Eisner sempre falou da sua vida na cidade de New York, mas ele nunca foi tão fundo como em Ao Coração da Tempestade, lançado recentemente pela Quadrinhos na Cia. Tudo gira em torno da reflexão de um homem que vai lutar na Segunda Guerra Mundial. Esse homem é Willie...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe