Se me perguntassem “qual foi a melhor iniciativa da editora Nemo em 2012?”, com certeza eu estaria tentado a responder depois de refletir apenas um pouco que foi o retorno das publicações de Enki Bilal ao nosso país.

Além de gostar muito do trabalho do autor, o que me faz deixá-lo no mesmo nível que coloco Moebius como um dos maiores gênios da narrativa gráfica, Bilal tem uma capacidade de renovar o mesmo tema que impressiona. Até hoje não li uma obra do autor em que se pudesse dizer que ele repetiu a mesma história, e isso é incrível.

Para nossa felicidade, depois de publicar A Trilogia Nikopol, a editora Nemo trouxe um segundo volume da série Enki Bilal, a apocalíptica “Animal’Z”, que conta a história de alguns homens e mulheres que depois do “golpe de sangue”, nome do desequilíbrio climático brutal e generalizado que se abateu sobre a terra, eles tentam chegar ao estreito 17, uma passagem para um dos pontos da Terra que ainda reúnem condições de abrigar vida.

Como muito bem lembrado no texto promocional do álbum, Bilal traz até o leitor um dos seus temas assumidamente como preferidos: ficção especulativa e as consequências da falta de cuidados com o meio ambiente. Tema esse que ele consegue desenvolver com questões sobre as atitudes do homem para o outro, para ele mesmo, e é claro, com o meio em que vive. E a partir daí, com a maior maestria, Bilal consegue embarcar para qualquer direção. Por isso repito, nunca li uma obra “mais do mesmo” desse autor que nasceu na Iugoslávia em 1951.

A jornada começa no mar e depois vai continuar por terra, assim como Sergio Leone fazia grandes óperas de seus filmes, Bilal faz o mesmo com suas HQs. Em Animal’Z, alguns personagens lembram as figuras que estão presentes no faroeste, com chapéus de aba larga e capas até os pés. Assim é o solitário cavaleiro sem nome que a cada passo cita um escritor. E é claro que essas citações são referências nada gratuitas.

Para completar a galeria de personagens que permeiam as páginas dessa genial HQ estão heróis nada convencionais, saqueadores mutantes comedores de carne humana, robôs s crustáceos decápodes marinhos e sobreviventes do mundo pós-caos que se lançam ao mar em busca do Eldorado.

O intrigante nessa ficção é que Bilal não nos situa exatamente quando e onde se passa a história. Estamos em um mundo que obviamente faz referência aos modos comportamentais de hoje, mas há uma nova ordem social que está baseada na sobrevivência e falta de organização. É um mundo aonde o homem pode se transformar em animal graças a um dispositivo chamado pack, e nessa distopia futurista, os personagens já não sabem se estão, na Europa, na Ásia ou na América do Sul. Também não importa, o que importa é sobreviver.

Mais uma vez, a editora Nemo não fez feio, e trouxe essa obra-prima dos quadrinhos em seu formato europeu original em uma edição com de alta qualidade de impressão. Tudo isso ressalta ainda mais o belo traço de Enki Bilal, feito a lápis e pastel.

Bilal já dirigiu três filmes, talvez se adaptar essa bela HQ para o cinema, ele podia chamar de “Era uma vez depois do apocalipse”. Fique atento ao belo final poético e deixe se levar pela poesia gráfica que o autor exprimiu em Animal’Z.

Imperdível.

Animal’Z
Editora Nemo
Autor e ilustrador: Enki Bilal
Tradução: Fernando Scheibe
Capa Dura
Colorido
24 x 32 cm
104 páginas
R$ 54,00

Floreal Andradehq que aconteceAnimal’z,Enki Bilal,Fernando Scheibe,NemoSe me perguntassem “qual foi a melhor iniciativa da editora Nemo em 2012?”, com certeza eu estaria tentado a responder depois de refletir apenas um pouco que foi o retorno das publicações de Enki Bilal ao nosso país. Além de gostar muito do trabalho do autor, o que me...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe