a_invencao_de_morel“Abrir um armazém ou mercearia e ficar lendo quadrinhos e aventuras” é a resposta do velho Howard quando perguntado “o que você vai fazer com sua parte do ouro?”, no filme “O Tesouro de Sierra Madre” de John Huston.

Se eu fosse ele, na minha pilha de leituras estaria essa bela versão em quadrinhos do francês JP. Mourey do romance do argentino Adolfo Bioy Casares, “A Invenção de Morel”, publicado em 1940. Lançada no ano passado, a adaptação em quadrinhos chegou no Brasil pela editora L&PM, e chegou à redação do Impulso HQ graças aos nossos parceiros da Comix Book Shop.

Adolfo Bioy Casares e o amigo Jorge Luis Borges iam sempre juntos ao cinema e com diz Sergio Augusto no artigo O Cego que Adorava ir ao Cinema “…e em geral se entusiasmavam mais por intrigas de complexa urdidura do que pelo engenhoso visual do filme”. A Invenção de Morel é uma história com engrenagens e mecanismos tão sutis que a sua construção chega a superar a sua forma.

A invenção de Morel 09-04-2013.inddUm homem sem nome. Um fugitivo da justiça que vai até a deserta ilha Villings que é cercada de mistérios e uma possível doença. Um refúgio perfeito, até que um dia aparecem algumas pessoas. Entre elas, Faustine.

Mas se Faustine é o centro das atenções do fugitivo que acompanhamos, é Morel o personagem que mais tem participação de uma grande trama, mesmo que ele apareça pouco. E aqui, aparecer, fazer, repetir ou até mesmo existir, são conceitos explorados no texto de Casares, e que foi muito bem adaptado por Mourey.

As subtramas dentro da história são incontáveis. O complexo emaranhado de situações e repetições fazem o desconhecido se tornar corriqueiro. Acompanhamos o fugitivo, que no início se esconde dos misteriosos visitantes, mas que, aos poucos, se aproxima para ouvir suas conversas e tenta decifrar a labiríntica história. Claro que não podemos esquecer a encantadora e fria Faustine. Outro enigma. Talvez mais complexo que o próprio maquinário desenvolvido por Morel.

1409444927811O trabalho de Mourey vem recebendo excelente críticas. O autor francês não esconde em suas entrevistas como ficou fascinado pelo texto e como ele mergulhou fundo em cada ponto da trama. Mas lembrando que esse é um trabalho em quadrinhos, e está aí justamente o grande desafio, que foi totalmente superado. O quadrinista francês utilizou todos os artifícios da linguagem dos quadrinhos, desde cores, padrões, contornos e até tipografia para representar graficamente os ciclos temporais e narrativos da trama.

Confesso que achei o enredo mais próximo de Kafka do que de Edgar Allan Poe. Segundo texto de apresentação do álbum, desde que foi publicado em 1940, a história “A Invenção de Morel” deu origem a várias adaptações entre elas o filme “O Ano Passado em Marienbad” de Alain Resnais e o seriado Lost.

Sobre a adaptação cinematográfica da obra de Casares, José Lino Grünewald escrevendo sobre o filme O Ano Passado em Marienbad disse “a única verdade é saber que existem dúvidas”. Sobre a adaptação em quadrinhos, minha única certeza é que li uma HQ admirável.

A Invenção de Morel
Editora L&PM
Autor: Adolfo Bioy Casares
Adaptação (texto e arte): Jean Pierre Mourey
Tradução: Alexandre Boide
128 páginas
R$ 39,90

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/02/a_invencao_de_morel1.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/02/a_invencao_de_morel1-300x300.jpgFloreal Andradehq que aconteceA invenção de Morel,Adolfo Bioy Casares,Alexandre Boide,Jean Pierre Mourey,L&PM“Abrir um armazém ou mercearia e ficar lendo quadrinhos e aventuras” é a resposta do velho Howard quando perguntado “o que você vai fazer com sua parte do ouro?”, no filme “O Tesouro de Sierra Madre” de John Huston. Se eu fosse ele, na minha pilha de leituras estaria essa...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe