star-wars-marcas-da-guerra-alephStar Wars: Marcas da Guerra foi lançado dia 4 de setembro de 2015 aqui no Brasil pela editora Aleph e vem como o primeiro elo entre os seis “antigos” filmes de Star Wars e a continuidade da série, cujo primeiro filme será Star Wars: O Despertar da Força.

Dessa vez vamos resenhar o livro em duas frentes: como livro e depois sobre os possíveis spoilers. Separamos em Parte 1 e Parte 2, então se você não vai ler o livro, não liga para spoiler e quer saber logo o que rola no livro que se relaciona com o novo filme vá direto para a Parte 2.

Chuck Wendig
Chuck Wendig

Parte 1: O Livro

O título, escrito por Chuck Wendig, carrega o peso de ser parte do cânone da saga e a primeira ligação direta com os novos filmes. Antes de tudo, vale lembrar que Marcas da Guerra faz parte de uma trilogia ainda a ser finalizada, então o elo é fraco. As coisas estão apenas começando.

Chuck Wendig apresenta quatro protagonistas nunca antes vistos através de trechos das primeiras páginas. Todo livro experimenta um certo nível de caos até nós leitores assimilarmos o que está verdadeiramente acontecendo, quem são os protagonistas, os aliados, os antagonistas e o enredo geral; Star Wars: Marcas da Guerra potencializa esse fator. Com saltos de ponto de vista sem aviso em curtos espaço de tempo o autor resolve coisas demais em menos páginas que eu gostaria. O elemento confusão não é tão grave, mas poderá fazer você voltar alguns parágrafos para se situar mais vezes do que gostaria.

A trama se intercala com interlúdios sobre o que anda acontecendo na Galáxia, o que é muito bacana. Só se torna preocupante quando o ponto alto do livro acontece entre esses intervalos com uma breve história de dois personagens famosos da saga que não tem ligação alguma com a história principal. É um risco que se corre ao lidar com uma marca tão valorizada nos tempos modernos.

star-wars-charactersUm ponto positivo, porém, fica com a revelação de que um dos personagens é homossexual, fato condizente com a decisão de roteiro de colocar um negro e uma mulher como protagonistas no filme. A indústria de entretenimento é conhecida por não aceitar bem a diversidade, mas quando um estúdio do tamanho da Disney resolve dizer que sim, há espaço para todo mundo, eles têm que engolir.

Causas a parte, ou melhor dizendo, continuando sobre causas, o livro carece de motivo. É tudo muito mais sobre “o que está acontecendo com os rebeldes e o império” do que sobre qual a meta dos protagonistas. Eles possuem um foco, mas ele é fraco. Um gancho tênue e desinteressante que pode não motivar o leitor médio a ir até o fim. A narrativa se sustenta muito mais pelo fator STAR WARS do que pela história e os resultados em jogo.

Se você é fã da saga o livro é rico em referências e permite você imaginar cenas divertidas com personagens secundários dos filmes, se não é terá em suas mãos uma história passável e que não terá espaço na memória de longo prazo. Isso talvez mude com o lançamento dos dois próximos livros, a promessa é que a trilogia alcance o volume aumentado que estamos acostumados dentro da saga, com planetas ameaçados, guerras espaciais e lutas incríveis.

Veja a sinopse do livro:

O que aconteceu depois da destruição da segunda Estrela da Morte?

Qual o destino dos remanescentes do Império Galáctico e dos antigos Rebeldes, agora responsáveis pela fundação da Nova República?

Marcas da Guerra é o 1º livro do cânone oficial a mostrar o que acontece depois do clássico Episódio VI: O Retorno de Jedi, dando pistas sobre o que podemos esperar da nova trilogia que se inicia com o O Despertar da Força.

Nesse novo panorama galáctico, vamos descobrir que a guerra ainda não chegou ao fim… e que os traumas deixados por ela ainda serão sentidos por muitos e muitos ciclos. Capitão Wedge Antilles, almirante Ackbar, almirante Sloane, o garoto Temmin e a mãe, Norra Wexley, a caçadora de recompensas Jas Emari, o antigo agente imperial Sinjir: novos personagens e velhos conhecidos dos amantes da saga, que sempre estiveram envolvidos na luta, agora devem escolher o lado a que deverão jurar lealdade.

Deverão colocar-se ao lado da Nova República, procurando estabelecer um novo governo democrático na galáxia? Ou juntar-se às fileiras imperiais, na tentativa de voltar ao poder absoluto depois das mortes dos lordes Sith Palpatine e Darth Vader? “

star-wars-imperio-1Parte 2: O Spoiler

  • Como dito acima, e se você não leu, Star Wars: Marcas da Guerra é a parte 1 de uma trilogia de livros que conecta os 6 episódios anteriores com a nova saga que começa em dezembro de 2015. Muito do que está aqui é achismo, embora outras coisas nem tanto. Leia por sua conta e risco!
  • Han Solo e Chewie partiram para uma campanha de libertação do planeta do Wookie. Não sabemos se eles tiveram sucesso.
  • “Ele” está vivo! Quem é ele? Não sabemos, mas está vivinho da silva. Trata-se de alguém muito importante para o Império. Meu chute vai para Palpatine, afinal alguém tem que perpeturar o lado Sith da Força.
  • Temmin pode ter alguma relação com os filmes. Ele é o único protagonista jovem o suficiente para compor o quadro atuante nos filmes. Em Marcas da Guerra ele é apenas um menino jovial, mas não se surpreenda se vermos ele nas telas junto a Nova República (antiga Aliança Rebelde).
  • Marcas da Guerra nos ensina que o Império precisa de um Imperador. Aparentemente eles tentaram operar através de um conselho supremo, mas o império é composto apenas por um bando de egoístas safados que só trabalham em conjunto através do medo ou da chantagem. Espere ver sempre um ditador como a cereja do bolo da ditadura imperial.
  • Podemos ver um mundo dividido. O Império com uma porção dos planetas e a Nova República com outra. Talvez os filmes tentem apresentar um ponto de vista “admirável” do que é realmente o Império.
  • Stormtroopers são sacos de pancada. Pelos deuses, pobres diabos. Todo mundo espanca um stormtrooper, personagens feridos, crianças, combatentes desarmados, etc. Stormtroopers possuem armadura completa e armas incríveis, então porque, PORQUÊ eles precisam ser tão idiotas? É mais ou menos disso que estou falando:

Star Wars: Marcas da Guerra
Editora Aleph
Autor: Chuck Wendig
Tradução: André Gordirro & Guilherme Kroll
Acabamento: Brochura
464 páginas
16x23cm
R$ 39,90

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/12/star-wars-marcas-da-guerra-aleph-1.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2015/12/star-wars-marcas-da-guerra-aleph-1-300x257.jpgVitor T. Machadofora das HQsAleph,André Gordirro,Chuck Wendig,Guilherme Kroll,Marcas da Guerra,Star WarsStar Wars: Marcas da Guerra foi lançado dia 4 de setembro de 2015 aqui no Brasil pela editora Aleph e vem como o primeiro elo entre os seis “antigos” filmes de Star Wars e a continuidade da série, cujo primeiro filme será Star Wars: O Despertar da Força. Dessa vez...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe