sem-medo-de-falar-marcelo-ribeiro-ligia-braslauskas-livro-600Peguei esse livro imediatamente após ele ter chegado. Passei-o na frente de todos os outros. O que me atraiu nele foi exatamente o que me atraiu em uma infinidade de outros livros pelos quais as pessoas costumam torcer o nariz: para poder olhar o mundo sob a ótica de alguém que não seja parecido comigo.

Não creio que haja necessidade de reafirmar minhas ideias, que já conheço e portanto não me são interessantes. Por isso, sempre que posso recorro a essas literaturas. Quero sair do conforto da experiência de ser eu, e me imaginar sendo outro. A tal da empatia que resenhas atrás eu devo ter citado.

Me disseram ao olhar minha escolha: nossa, tem certeza que vai ler isso? Que… forte, pesado.

Ora, com toda certeza é um assunto espinhoso, pesado, e por isso a primeira reação de todos seja repudiá-la ao máximo. Não queremos ver, não queremos saber, pois não faz parte da nossa realidade. Mas a gente não pode garantir que nunca vá fazer. Não podemos garantir nada. E “se colocar no lugar do outro” é o mínimo de humanidade que se espera de nós. E o nome disso é compaixão.

4643929f72cd27f879d81157e261acaff3d3Não adianta falar de compaixão na igreja e não praticá-la na vida real. Mas no mundo que vivemos, repleto de militantes de Facebook, gente contraditória e hipócrita, que coleciona ideologias de bolso, isso vem bem a calhar. Se o evitar dos tabus antigamente já é repugnante, imagine no mundo pós-moderno, num país como o Brasil, que dizem não ter preconceitos de nenhum tipo, onde todas as pessoas podem se informar com facilidade e a sociedade em grande parte seja tão liberal. É completamente desonesto e cruel fingir que essas coisas não acontecem, e não tentar entender seus mecanismos de funcionamento.

Marcelo Ribeiro usa de sua coragem para expor toda sua vida para nós nesse livro. Começa por sua infância em casa, e aos poucos nos conta como conheceu o homem que estragou sua infância, e a infância de vários outros meninos. Ele intercala as lembranças dolorosas com narrativas sobre sua busca por justiça no presente, e com cartas da Igreja Católica sobre a pedofilia.

Quando menino, entrara para um Coral, de um homem que usava colarinho de padre, apesar de não o ser. O homem começou a isolar os meninos das outras crianças e até mesmo de seus familiares… fechando o cerco para qualquer tentativa de pedir ajuda, ou de contar a alguém as coisas sórdidas que ele fazia com os meninos do Coral.

menino-abusado-getty-images-600Marcelo conta como largou a escola para se dedicar ao coral e se viu muitas vezes isolado e impotente. Mas ele tem um objetivo bem claro ao abrir sua história para todos: aquele homem, denominado por ele como Maestro, apenas, continua por aí. Cometendo as mesmas atrocidades, senão piores, já que finalmente conseguiu se tornar um padre, e tem agora seu próprio mosteiro. É uma busca desesperada por justiça, e uma tentativa de ajudar a tirar qualquer menor de idade das mãos sórdidas daquele lixo humano. Podemos nos perguntar: com todo esse pronunciamento, com atitudes corajosas como essa pelo bem alheio… como a Igreja pode continuar acobertando e protegendo esses psicopatas? Cadê a tal da Igreja da Misericórdia, a qual alude quase todos os dias o Papa Francisco?

Esse livro é o livro mais honesto que já li, e para mim o autor sempre vai ser a pessoa mais corajosa que já tive a oportunidade de ler a biografia. Precisamos ter muita coragem para falar sobre algumas coisas, e é muito mais seguro e cômodo largá-las no esquecimento. Marcelo não tem nenhum motivo que não seja nobre para dizer todas essas coisas.

image“Moro em uma casa ampla e confortável, com uma imensa área verde ao redor, jardins, pássaros e animais. É um pedaço do paraíso nessa cidade difícil de viver que é São Paulo. Minha mulher e eu somos realizados profissionalmente e procuramos estar juntos o máximo de tempo possível. Ela continua linda. Eu poderia muito bem estar conformado com minha vida e minha história – e continuar calado. Mas eu preciso falar: esta é a minha contribuição”.

Se eu pudesse um dia lhe falar, diria: obrigada. Obrigada por compartilhar sua dor, pois a partir dela eu pude compreender um pouco mais sobre esse mundo. E os pais que precisavam de alguma orientação a esse respeito, tem mais um depoimento para corroborar suas suspeitas. Assim como a Igreja tem mais um apelo contra a sua atitude negligente.

Tem uma frase de Píndaro que diz: “Justas ou injustas, as coisas acontecidas jamais serão destruídas”.

E é por isso que narrativas biográficas e autobiográficas são tão importantes. As pessoas têm mania de só lembrar do que é conveniente. Mas quem passou pelo inferno, por mais que escrever possa ser um bálsamo para a dor, nunca vai conseguir deletar da memória todo o sofrimento.

ATUALIZAÇÃO
Na última terça-feira dia 9/12/14, fora preso em Caçapava do Sul, um autodenominado Bispo chamado Dom Marcos de Santa Helena, excomungado pela Igreja Católica em 2009. Mediante os relatos da vítima Marcelo Ribeiro no livro citado acima e outras denúncias, delegado de Caçapava do Sul inicia a investigação. Aos 74 anos, o Maestro está preso. Vamos esperar que a justiça seja eficiente ao menos nesse caso e o mantenha na cadeia. Mas podemos nos perguntar: depois de 30 anos de abusos e diversos crimes cometidos, será que ele se importa de estar sendo preso hoje?

Abaixo, seguem anexos alguns links úteis, relatando o ocorrido. Motivo de comemoração.

http://diariodesantamaria.clicrbs.com.br/rs/noticia/2014/12/ex-padre-e-preso-suspeito-de-pedofilia-em-cacapava-do-sul-4659633.html

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2014/12/vitima-fala-sobre-supostos-abusos-com-ex-padre-preso-no-rs-ouca.html

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2014/12/ex-padre-suspeito-de-abuso-sexual-e-preso-em-cacapava-do-sul-rs.html

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/redesocial/2014/12/1559674-preso-no-rio-grande-do-sul-bispo-acusado-de-pedofilia.shtml

Marcelo, a sua contribuição surtiu efeito! Seu exemplo repercutirá em outras vítimas, que usarão a maior arma que uma vítima possui: sua voz.

Sem medo de falar: relato de uma vítima de pedofilia
Editora Paralela
Autor: Marcelo Ribeiro
Gênero: Biografia e memórias
195 páginas
Ano 2014 – número (edição): 1

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/12/sem-medo-de-falar-marcelo-ribeiro-ligia-braslauskas-livro-6001.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/12/sem-medo-de-falar-marcelo-ribeiro-ligia-braslauskas-livro-6001-300x300.jpgSue Lobofora das HQsEditora Paralela,Marcelo Ribeiro,relato de uma vítima de pedofilia,Sem medo de falarPeguei esse livro imediatamente após ele ter chegado. Passei-o na frente de todos os outros. O que me atraiu nele foi exatamente o que me atraiu em uma infinidade de outros livros pelos quais as pessoas costumam torcer o nariz: para poder olhar o mundo sob a ótica de...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe