13596_ggSe você é do tipo que não perde uma oportunidade de ler enquanto viaja de ônibus, metrô, trem, avião, carroça… cuidado. Esse livro pode causar risos incontroláveis, e como efeito colateral, as pessoas no transporte público vão deduzir o óbvio: que você é louco(a).

Caso você queira abrir um livro e lá encontrar o sossego e o conforto que só a inocência da infância pode proporcionar, esse livro é para você. Só não te dou de presente porque já gasto mais do que deveria com livros para mim mesma. Sinto muito.

Trata-se de um livro de crônicas, escritas do ponto de vista de uma criança, sobre o que é ser criança. É claro que não é um livro de memórias, nenhuma criança é maneira a esse ponto, em geral são demônios manipuladores, e demônios manipuladores não são capazes de produzir um livro tão maneiro quanto este.

O pequeno Antonio Prata
O pequeno Antonio Prata

O fato é que se sua infância foi boa como a de Antonio Prata, ou foi um lixo como a minha, você vai se identificar e se encontrar, o seu eu de hoje e o de antes, nesse livro. Acontece que algumas situações são universais, embora com algumas variantes, ninguém é igual, graças a Deus, amém.

Só para esclarecer, larga de preguiça, hoje em dia você nem precisa levantar para comprar um livro nas livrarias, é só guiar a sua mão e clicar lá no site. E não precisa se preocupar, nostalgia não mata. Você vai ficar pensando sobre coisas que fez na infância, coisas geralmente ridículas, o que só reforça o fato de que você sempre foi assim… você sabe, meio estranho(a).

Não posso contar nada a respeito do conteúdo das crônicas, pois isso significa estraga-las para você.

Caso você já tenha lido, ou pretende ler, faça o favor de contar o que achou, e se sentir uma vontade incontrolável se contar seus podres da infância para todo mundo, não se preocupe, é normal. Pode compartilhar aqui nos comentários, a gente vai ficar feliz.

antonioPara dar apoio moral e o bom exemplo, aí vai minha própria história engraçada: quando eu era uma remelenta (bem mais que hoje, nem se compara) quer dizer, uma rebenta, eu adorava fuçar toda gaveta que eu encontrasse pela frente. Um dia, resolvi abrir a gaveta da minha mãe, e encontrei uma camisinha. Esperei meus pais chegarem, e assim que entraram em casa, eu e o remelento do meu irmão mais novo perguntamos o que vinha a ser aquele disco dentro do saquinho. Meu pai, muito sábio, ensinou:

– Ora, isto aqui é veneno de barata!

– E como funciona? – Quisemos saber, interessadíssimos, ao que ele respondeu:

– Ah, nós colocamos nos cantos, e quando as baratas passam por cima deles, elas ficam presas e morrem.

Algo em seu sorriso nos disse que ele mentia. No dia seguinte, cada um de nós abriu uns cinco saquinhos cada, encheu de água e deu nós na ponta, rendendo uma incrível guerra de “bexiga de água”, que infelizmente não foi aprovada pelo nosso pai, que com sua mentalidade sórdida de adulto, não deve ter visto menos do que falos cheios de água sendo usados como armas de guerra.

Nu, de botas
Companhia das Letras
Autor: Antonio Prata
Gênero: Romance, Aventura
Ano 2013 – número (edição): 1
14 x 21 cm
140 páginas
R$ 31,00

Sue Lobofora das HQsAntonio Prata,Companhia das Letras,Nu de botasSe você é do tipo que não perde uma oportunidade de ler enquanto viaja de ônibus, metrô, trem, avião, carroça... cuidado. Esse livro pode causar risos incontroláveis, e como efeito colateral, as pessoas no transporte público vão deduzir o óbvio: que você é louco(a). Caso você queira abrir um livro...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe