Aristoteles-e-danteUm livro que, acima de tudo, fala sobre a amizade. E eu o considero o livro de ficção mais lindo que li esse ano. Leve, poético e engraçado. O tipo de livro que faz com que você goste dele logo no primeiro capítulo.

“Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo” conta a história de dois meninos adolescentes, descendentes de mexicanos, o que confere um dado cultural interessante à história. Aristóteles é o personagem principal, um menino muito inteligente, mas meio melancólico, que não tem amigos, e se sente desconfortável em casa, por ter sempre se sentido rejeitado pelas irmãs gêmeas doze anos mais velhas, seu pai “levar a guerra do Vietnã dentro de si”, e pelo fato de ninguém nunca mencionar seu irmão mais velho que está preso.

Não há fotos dele na casa, e seu nome é um tabu. Isso incomoda muito Ari, como é chamado carinhosamente, que anseia pelo dia em que poderá encontrar-se com seu irmão mais velho, e desvendar toda a sua história.

Em uma de suas idas ao clube, embora não saiba nadar e por isso fique boiando na piscina, ele conhece Dante, um menino muito bonito e aparentemente popular, que estranhamente se oferece a ensina-lo a nadar. Ari fica desconfiado, pela natureza estranha daquela situação, mas acaba aceitando, tamanha vontade de sair da posição constrangedora de não-nadador.

Eles se tornam amigos, e as coisas tomam proporções mais sérias quando, sem pensar duas vezes, Ari entra na frente de um carro e salva a vida de Dante, que estava para ser atropelado. O único detalhe é que o atropelado em questão deixa de ser o Dante e passa a ser Ari, que nem consegue entender o motivo de ter salvado a vida do outro. Durante a história, podemos acompanhar o desenvolvimento dos dois chegando à vida adulta, os encontros e desencontros, e experiências dos dois no mundo, uma vez que em dado momento eles se separam.

A beleza da amizade construída por dois meninos tão diferentes entre si, e o amor contido nas relações entre as duas famílias, e dos pais dos meninos com eles, é simplesmente invejável. É a primeira história que eu leio, que me faz gostar mais dos pais dos personagens principais do que deles. É uma história sobre amizade e amor, e só poderia ser tão encantadora quanto é. Não é depressiva, não vai te fazer chorar em nenhum momento, mas com certeza vai aquecer o seu coração.

A narrativa é repleta de jogos poéticos, de frases bonitas, que te fazem querer colocar um post-it em cada página. Os capítulos são breves. E sem dúvida Ari fica encarregado de te fazer rir com a ironia dele. Ainda não tenho a destreza nem a vontade necessárias para ler uma obra em inglês, mas quem leu essa, afirma que a prosa poética é mais evidente nesse caso, e que é bem fácil lê-lo na íntegra. Quem sabe um dia tomo coragem. Só para dar um gostinho:

“Fiquei pensando que poemas são como pessoas. Algumas pessoas você entende de primeira. Outras você simplesmente não entende… e nunca entenderá”.

“As palavras ficam diferentes quando passam a morar dentro de você”.

“Acho que tinha medo de que aqueles caras machucassem Dante. Só disse o que senti que era necessário. Eles não eram grandes nem espertos. Eram moleques maus e idiotas, e eu sabia do que eram capazes. Talvez Dante não fosse mal o bastante para brigar. Mas eu era. Nunca me sentira mal por ter socado um cara que merecia”.

“Eu sabia que já não era criança. Mas ainda me sentia uma. Mais ou menos. Comecei a sentir outras coisas. Coisas de homem, acho. A solidão dos homens é maior que a das crianças. Eu não queria mais ser tratado como criança. Não queria mais viver no mundo dos meus pais e não tinha nenhum mundo próprio. Estranhamente, minha amizade com Dante tinha feito com que me sentisse ainda mais solitário.
Talvez porque Dante conseguia se adaptar a qualquer lugar. E eu, eu sempre tinha a sensação de não pertencer a lugar nenhum”.

Eu não pude deixar de comparar com John Green. Não me entenda mal, eu gosto de John Green, de verdade, mas esse livro está um nível acima, apesar de ter o público alvo da mesma faixa etária. Ele não apela para doença e morte, não te faz chorar, não é nerd ao extremo e ao mesmo tempo, é tão gostoso de ler.

Recomendado. Não espere por alta literatura, estamos falando de boa literatura juvenil de entretenimento. Boa o bastante para te fazer abraçar o livro quando terminar de ler.

Aristóteles e Dante descobrem os segredos do universo
Título Original: Aristóteles and Dante discover the secrets of the universe
Editora Seguinte
Gênero: Romance
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Tradução: Clemente Pereira
Ano 2014 – número (edição) : 1
390 páginas
R$ 36,50

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/09/Aristóteles-e-Dante-descobrem-os-segredos-do-Universo-banner.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2014/09/Aristóteles-e-Dante-descobrem-os-segredos-do-Universo-banner-300x300.jpgSue Lobofora das HQsAristóteles e Dante descobrem os segredos do universo,Benjamin Alire Sáenz,Clemente Pereira,SeguinteUm livro que, acima de tudo, fala sobre a amizade. E eu o considero o livro de ficção mais lindo que li esse ano. Leve, poético e engraçado. O tipo de livro que faz com que você goste dele logo no primeiro capítulo. “Aristóteles e Dante descobrem os segredos...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe