Uma das palestras apresentadas durante a Comic Fair foi com a consagrada letrista dos quadrinhos nacionais, Lilian Mitsunaga. Durante uma hora a profissional falou da sua carreira, como começou nos quadrinhos e como é o mercado de letras nos quadrinhos em nosso país.

Alegre e esbanjando simpatia Lílian falou que a três décadas trabalha com histórias em quadrinhos, que quando começou cursava a faculdade de arquitetura e que seu primeiro trabalho com quadrinhos foi no título do ursinho Puff (atualmente chamado de Pooh) pela editora Abril.

Lílian comentou da passagem de letreirar a mão para o computador e afirmou: “Não foi difícil me adaptar ao PC. Para mim foi um processo gradativo”, e mencionou a demanda do mercado: “A partir da década de 1990 a maioria das editoras começaram a usar o computador para letreirar. Acredito que só os Estúdios Maurício de Sousa façam a mão nos dias de hoje”.

Curioso é saber que com o depoimento de Lílian para os presentes, muitos ficaram impressionados como ela entrou na Editora Abril. “Naquela época a editora recebia pessoas que estavam interessadas em trabalhar e fiquei sabendo através da minha irmã que eles estavam precisando de letristas. Como sempre falaram que eu tinha uma letra bonita, eu treinei durante um mês no período das minhas férias e apresentei para o diretor de arte da época. Ele gostou e depois pediu para eu treinar em uma folha especifica para o trabalho. Quando voltei novamente com os novos testes o diretor gostou, mas a vaga já não tinha mais. Felizmente depois de um mês eles me chamaram para trabalhar lá”.

Com tanta experiência em letreiramento o público, Lílian foi questionada qual é a principal diferença entre trabalhar com manga, quadrinhos de super-heróis e graphic novels. “Para o mangá uso sempre mais o computador. Já as graphic novels como as do Will Eisner eu faço a fonte. No caso desse produto específico eu fiz a letra baseada na caligrafia do autor e ela só pode ser usada naquela obra”, afirma Lílian, que segundo ela produzir fontes é o seu grande diferencial no mercado.

Mas quando todos achavam que a palestra iria ficar em torno da vida de Lílian Mitsunaga, ela surpreendeu falando que havia preparado uma surpresa para os presentes. Ela levou duas sacolas que pareciam estar bem pesadas e não era pra mesmo, na sacola estavam apenas algumas das obras que Lílian havia letreirado, e alguém adivinha o que aconteceu em seguida? Sim leitor… ela sorteou! Nas verdade ela fez perguntas simples sobre as revistas para não ficar algo somente dado!

Voltando as perguntas sobre a carreira de Lílian, ela fez Dragon Ball, One Piece e quase todos os mangás da Conrad.

Curioso foi a revelação de Lílian que antigamente o trabalho chegava até ela de forma mais redonda, devido ao trabalho ser realizado com nanquim e pena. Atualmente dá mais trabalho devido às várias mudanças nas provas digitais e avisa: “Hoje em dia para você ser letrista é necessário que saber alterar a arte”.

Depois de mais perguntas sobre a carreira de Lílian, aconteceu outra pausa para mais uma rodada de distribuição de obras que Lílian já trabalhou. E é sério tinham títulos das mais variadas editoras, entre eles Mafalda, Calvin e Haroldo, Retalhos, Umbigo Sem Fundo, Cachalote, Logicomix, vários da Disney e por ai vai.

Voltando as perguntas da platéia, questionaram como foi que ofereceram a Lílian letreirar o título Batman: “Eu fiz o primeiro e o último Batman publicado pela Editora Abril. Na verdade o que aconteceu é que quando a editora resolveu publicar os quadrinhos da DC ela não tinha muitos letreiristas para dar conta da demanda. Como eu ficava em uma sala do lado, um dia me chamaram e falaram para eu letreirar a revista do Batman e começaram a me passar sempre as histórias do personagem”. Lílian revelou também que como atualmente atende muitas editoras e que hoje em dia não trabalha mais com super-heróis.

A platéia ficou curiosa para saber qual foi a maior dificuldade da profissional em sua carreira e qual dica ela dá para quem está começando. “Minha maior dificuldade foi treinar durante um mês letras a mão para entrar na Abril. Depois me passaram um diagrama com linhas azuis que na época eu fiquei sabendo que não saia na impressão”.

“Para quem está começando acho que é necessário treinar sempre. Hoje as pessoas não escrevem mais, só digitam. Sempre gostei de escrever e letra assim como o desenho é treino.”, afirma Lílian Mitsunaga.

E Lílian dá outra dica para quem pretende seguir a carreira de letrista: “Dá para viver de HQs sim, mas vivo em função do prazo. Fazia muito trabalho de madrugada. Hoje acho uma vantagem do PC a letra ser sempre igual independentemente se você está cansado ou não!”, e com tamanha procura por seus serviços Lílian afirmou que só lê o que produz, e que não tem tempo de ler outras HQs.

E para finalizar Lílian dá um conselho de treino de letra: “Quando escrever algo veja a folha do outro lado, de forma espelhada. A letra não pode ficar torta!”.

Depois de encerrada a palestra Lílian autografou algumas obras que sorteou e conversou com público que é claro além de conhecer mais sobre essa incrível profissional dos quadrinhos ficou encantado com toda a simpatia de Lílian Mitsunaga.

Confira o que já saiu sobre a Comic Fair:

Comic Fair 2010: Como foi – segunda parte

Projeto Quadricine na Comic Fair: Como foi

Palestra Klebs Jr. na Comic Fair: Como Foi

Palestra Manoel de Souza na Comic Fair: Como foi

Entrevista: Will – Quarto Mundo

Rod Reis na Comic Fair: Como foi

Palestra Emílio Baraçal na Comic Fair: Como foi – Parte 2

Palestra Quarto Mundo na Comic Fair: Como foi

Um gaijin no universo otaku

Fanzine Expo na Comic Fair

Exposição de HQs Raras e Comic Lounge na Comic Fair – Entrevista com Alexandre Callari

Palestra Fabrízio Yamai na Comic Fair: Como foi

Entrevista: Logan Barros – Modelismo e Molde

Palestra Emílio Baraçal na Comic Fair: Como foi

Comic Fair 2010: Como foi – primeira parte

Renato LebeauquadrinhosComic Fair,Lilian MitsunagaUma das palestras apresentadas durante a Comic Fair foi com a consagrada letrista dos quadrinhos nacionais, Lilian Mitsunaga. Durante uma hora a profissional falou da sua carreira, como começou nos quadrinhos e como é o mercado de letras nos quadrinhos em nosso país. Alegre e esbanjando simpatia Lílian falou que...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe