Dando início a série de posts especiais sobre a Comic Fair e as palestras que estão acontecendo no palco principal do evento, o Impulso HQ reescreve a seguir alguns momentos da conversa de Emílio Baraçal com os presentes a respeito de roteiro.

Vale lembrar que Emílio está com uma ampla grade de palestras que envolvem o tema e algumas serão repetidas nessa segunda semana da Comic Fair. Então fica a dica, se você não conseguiu ir, ainda dá tempo de saber mais sobre essa importante fase do processo dos quadrinhos.

Sem mais perda de tempo vamos ao conteúdo.
Coube a Emílio Baraçal a honra de inaugurar a verdadeira maratona de palestras que serão apresentadas durante os sete dias de Comic Fair.

Com o tema: “Roteiristas – como funciona esse mercado”, Baraçal começou apresentando algumas características que todo roteirista deve necessariamente ter: Ler muito, para poder criar bagagem cultural e conhecer histórias, estilos e estruturas narrativas diversas. Baraçal informou que lê em média 11 livros por mês, “e ainda acho pouco”, disse ressaltando a importância desse hábito na formação de um roteirista.

Escrever muito é outra característica indispensável a todos os candidatos a roteiristas profissionais, segundo Baraçal. “Eu costumo dizer que você tem que ler até seus olhos caírem e escrever até suas sangrarem. Tenho tendinite de tanto que escrevo”, informou o autor.

Fazer cursos e escrever para outras mídias que não a desejada são outras características que o autor apresentou. A primeira pelo aprimoramento constante e a segunda pelo fato de trazer mais bagagem e experiência ao profissional.

Em seguida, apresentou o que um aspirante a roteirista profissional precisa fazer: Ter contatos, “as pessoas precisam saber que você existe. Crie blog, site e vá a eventos para conhecer editores”.

Baraçal também ressaltou a importância de escrever corretamente, por transmitir profissionalismo e cultura por parte de quem mantêm essa característica, e de saber o que se quer escrever, “cada editora tem sua linha e ajuda muito conhecer as características e cada uma delas. Não adianta querer enfiar sua séria goela abaixo de um editor se não seguir a proposta da casa”, avisou Baraçal.

Outra postura importante: saber lidar com as críticas. “Editores e produtores são os maiores interessados em achar novos talentos”, por isso, segundo o palestrante, as opiniões que esses profissionais fizerem de seu trabalho devem ser consideradas e não levadas pelo lado pessoal, pois o que todos querem é achar um novo Best seller e esses comentários de profissionais já experientes no ramo são deveras importantes para o aprendizado.

Depois, Baraçal apresentou ao público o Pitch “o material de apresentação do trabalho para editores, produtores etc.” e avisou que o Pitch pode ter diversas formatações, variando de acordo com cada editora – e é bom ao iniciante se informar antes em cada lugar como eles aceitam material para avaliação.

Nas palavras de Baraçal, a apresentação do Pitch é importante por 2 motivos: “Primeiro, mostra que você tem profissionalismo, segundo, melhora a visualização do projeto”.
Esse documento, basicamente, é composto de: Apresentação do projeto, “no mínimo uma linha e no máximo um parágrafo para apresentar a história de maneira sucinta”. Em seguida vem o desenvolvimento da história, com mais detalhes dos acontecimentos da mesma, meia página deve ser suficiente.

A apresentação do personagem principal deve ter uma página com sua biografia e perfil psicológico e uma página com estudos do personagem (expressões e posições). No máximo, três páginas com alguns dos personagens secundários – contendo também suas biografias, perfis psicológicos e desenhos de posições.

A parte contendo a apresentação dos autores deve ocupar, no máximo, meia página. “Só para colocar o nome de cada autor, o que cada um já fez e o contato: e-mail, site ou blog”.
Baraçal ressaltou a importância de colocar, em todas as páginas do Pitch, o contato do roteirista (com nome, endereço, telefone, site e e-mail). “Tudo isso para economizar o tempo que os editores e produtores geralmente não têm”, informa.

Houve ainda tempo para dicas de como se comportar durante uma reunião com o editor: Apresentando confiança no trabalho (“se você não tem confiança na sua série, como quer que o editor tenha?”; respostas curtas (“demonstra seu poder de síntese e capacidade de colocar muitas coisas relevantes num projeto e numa história”); sinta-se confortável (“não aja como um vendedor”); seja flexível (“adapte sua história de acordo com o que você sentir da conversa”) e “resista a tentação de ligar ou entrar em contato com o editor”.

Baraçal ainda falou um pouco sobre contratos antes de encerrar a palestra abrindo perguntas ao público. Questionado se o estilo mais autoral pode dificultar a obtenção de trabalhos no exterior, Baraçal disse que não: “Hoje em dia eles estão bem abertos”, o que acontece é que você tem que esperar surgir um projeto em que seu estilo se encaixe e isso pode demorar muito e o processo de seleção é muito difícil, “mas há também editoras menores. De qualquer jeito, você tem que mandar bem no que faz”.

Sobre o fato de roteiristas brasileiros não publicarem nos EUA, citou o trabalho que Fábio Moon e Gabriel Bá vêm fazendo com DayTripper dizendo que “os gêmeos sempre apresentaram uma postura profissional”.

Como podemos notar, bastante informação útil em pouco mais de uma hora. Vale lembrar que Emílio durante a Comic Fair também está ministrando workshops sobre roteiros para um número mais reduzido de pessoas, uma ótima oportunidade de falar mais diretamente com um profissional que conhece sobre o assunto e que demonstrou ter bastante conteúdo para compartilhar.
Não perca em breve aqui no Impulso HQ uma entrevista exclusiva com Emílio Baraçal sobre roteiro!

E fiquem atentos! Durante essa semana aqui no site terá um post diário sobre o que está acontecendo na Comic Fair.

O que já foi publicado sobre a Comic Fair:

Comic Fair 2010: Como foi – primeira parte

Alexandre ManoelquadrinhosComic Fair,Emílio Baraçal,roteiroDando início a série de posts especiais sobre a Comic Fair e as palestras que estão acontecendo no palco principal do evento, o Impulso HQ reescreve a seguir alguns momentos da conversa de Emílio Baraçal com os presentes a respeito de roteiro. Vale lembrar que Emílio está com uma ampla...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe