Mais uma grande perda para o HQB em 2008.

Visto no Gibiteca

Fiquei sabendo, há pouco, do falecimento de Cláudio Seto. Eu já sabia, por meio de mensagens trocadas em uma lista da qual participo, que Seto encontrava-se hospitalizado. Ele teve AVC hemorrágico, estava internado na UTI e faleceu nesta manhã de sábado.

Confesso que conheço pouco da obra de Seto, mas sei o suficiente do seu trabalho para lamentar sua morte. Ele foi o primeiro desenhista de mangá do Brasil, publicando desde os anos 60. Autor da clássica HQ Samurai (década de 1960/1970), Seto é considerado um dos grandes Mestres do Quadrinho Nacional. Então, seria um desrespeito não fazer uma breve homenagem a ele no nosso blog.

Chuji Seto Takeguma nasceu em 1944 em Guaiçara, São Paulo. Atuou como jornalista, fotógrafo, quadrinista, chargista, artista plástico e pesquisador da cultura japonesa. Cláudio Seto foi morar no Japão com 9 anos e lá, durante 3 anos, estudou noTemplo Myoshinji, da seita Zen, em Kyoto. Nos finais de semana, visitava em seu estúdio Osamu Tezuka, “o pai do mangá”.

Depois de oito anos, retornou ao Brasil e trabalhou com publicidade. No final da década de 60, trabalhou na recém-fundada Editora Edrel, onde foi o pioneiro ao utilizar o estilo mangá nos quadrinhos brasileiros e produzir histórias de samurais e ninjas.

Na década de 70 mudou-se para Curitiba. Trabalhou na editora curitibana Grafipar como desenhista e editor de alguns títulos, reunindo grandes argumentistas e desenhistas na editora, dentre eles Flavio Colin, Julio Shimamoto, Mozart Couto, Watson Portela, Rodval Matias e Franco de Rosa.

Com o fim da Grafipar, Seto publicou poucas histórias em quadrinhos, entre elas destaca-se A História de Curitiba em Quadrinhos, publicada em comemoração aos 300 anos da cidade. Também produziu histórias de conteúdo adulto, em pleno período da ditadura militar.

Foi colunista e colaborador do jornal Paraná Shimbun por vários anos e atualmente era editor do jornal Garça da Sorte e Planeta Zen, além de pesquisador no censo da comunidade nipo-brasileira, em parceria com a jornalista Maria Helena Uyeda e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Era, tabém, organizador dos matsu ( festivais que têm por objetivo preservar e divulgar a cultura e as tradições japonesas aos seus descendentes e apreciadores).

Em 2007, Seto recebeu várias homenagens em Curitiba. A primeira é o título de Cidadão Honorário de Curitiba, a outra foi um um documentário sobre a sua produção em quadrinhos. O título é O Samurai de Curitiba, um curta-metragem, dirigido por Rober Machado.

Dentre os prêmios ganhos por Seto estão o prêmio homenagem Ângelo Agostini como “Mestre do Quadrinho Brasileiro” em 1990; o HQMix, como “Grande Mestre do Quadrinho Brasileiro” em 1995; além de uma homenagem como “Pioneiro e Mestre do Mangá no Brasil”, da Associação Brasileira dos Desenhistas de Mangá e Ilustradores em 1996.

Um de seus últimos trabalhos foi Lendas do Japão, livro que escreveu e ilustrou. A obra reúne 15 das mais populares lendas que os imigrantes vindos do Japão trouxeram ao Brasil; foram selecionadas entre mais de 200 lendas publicadas no jornal Nippo Brasil, de São Paulo, onde o autor mantinha uma coluna desde 2000. Segue, abaixo, uma destas lendas.

O saco de arroz encantado

Há muitos e muitos anos, havia em Ikue, província de Echizen, um jovem muito pobre chamado Yotsune, que nada tinha para comer. Diante de tamanha penúria, rezou com toda a força que lhe restava para a deusa Kichijoten, pedindo ajuda para se livrar daquela situação miserável. Pouco depois, uma linda mulher veio em sua direção, estendeu tigela de arroz cozido e disse:

– Coma devagar, pois vejo que faz dias que você não come.
Agradecido, Yotsune recebeu a tigela e um pouco que comeu se deu por satisfeito. Então, guardou a tigela para comer mais tarde. Porém, o pouco que comeu daquela tigela foi o suficiente para passar três dias sem ter fome. No quarto dia, comeu o restante, o que foi suficiente para passar o resto da semana sem fome.

Na semana seguinte, a fome voltou e já não havia arroz na tigela para comer. Então, Yotsune novamente orou pedindo ajuda a deusa Kichijoten. Mais uma vez, a linda mulher surgiu em sua frente e disse lamentar muito, pois, desta vez, não poderia ajudá-lo diretamente. Ele deveria ir buscar o arroz pessoalmente. Assim, entregou-lhe um papel que continha um certificado autorizando a retirada de arroz equivalente à produção de três alqueires.

– Onde devo buscar esse arroz? – perguntou Yotsune.
– Vá até o Kitayama (Serra do Norte) e procure pelo pico mais alto. Escale o pico e grite, dizendo que veio buscar arroz. Alguém vai aparecer e lhe entregar o arroz.
Com muito esforço, Yotsune conseguiu chegar ao ponto mais alto da serra e gritou várias vezes:
– Tem alguém aí? Vim buscar o arroz!

A resposta veio através de uma voz medonha e, em seguida, um vulto enorme veio em sua direção. Yotsune, que já estava pálido de fome, ficou mais pálido ainda de tanto medo. O vulto era uma criatura demoníaca com um só olho na meio da face e um chifre na testa. Seu corpo enorme e musculoso estava coberto apenas por uma tanga vermelha. No ombro, trazia um saco de arroz.

Yotsune, apesar de estar muito assustado, procurou mostrar calma e autoridade, numa demonstração de coragem, dizendo:

– Vim buscar arroz. Aqui está o certificado.
O demônio pôs o saco de arroz no chão, apanhou o papel e deu uma olhada:
– Aqui diz arroz equivalente a três alqueires, porém só tenho um saco. Se estiver bem assim, pode levar este saco. Caso queira tudo de uma vez, deve reclamar à deusa Kichijoten.
– Um saco de arroz já é mais do que tive em toda minha vida, não devo reclamar por ganância, e sim agradecer por tudo que a deusa tem feito por mim – dizendo isso, Yotsune agradeceu ao demônio e levou o saco para casa. Ora carregando e ora rolando a carga, voltou feliz da vida.

Os dias foram passando e Yotsune aos poucos foi consumindo o arroz. Porém, um fato chamou sua atenção. À medida que ele tirava cada tigela de arroz, o mesmo tanto era reposto no saco, como magia. Assim, o rapaz descobriu que aquele saco nunca acabava, porque tornava a encher sozinho. Diante desse milagre, passou a vender arroz para a vizinhança e ganhou muito dinheiro. O saco de arroz encantado ganhou fama e pessoas de várias cidades passaram a vir comprar arroz de Yotsune, atraídas pela curiosidade. Assim, Yotsune acabou tornando um homem rico.

A milagrosa história de Yotsune chegou ao ouvido do governador da província. Este quis a todo custo comprar o saco encantado e ofereceu em troca arroz equivalente a produção de cem alqueires em sacas de arroz. Sem poder recusar, pois o dono das terras de toda região era do governador, Yotsune foi obrigado a aceitar a oferta. Isso o tornou um milionário de uma vez.

Levado para o castelo feudal, o saco continuou auto-enchendo como antes. O governador ficou muito feliz, pois, agora, haveria arroz garantido, mesmo que houvesse inundações ou seca em suas terras. Porém, passado algum tempo, quando foi retirado do saco arroz equivalente a produção de cem alqueires, o saco parou de repor o produto tirado e tornou-se vazio.

O governador ficou furioso e pensou em mandar degolar o rico Yotsune, porém, nessa ocasião, estava em visita ao seu castelo o conhecido mago e andarilho, onmyoji Shamon, e o governador consultou-o a esse respeito.

– Mestre, o que acha? Devo mandar cortar a cabeça desse jovem que se atreveu a me enganar?
– Jamais, meu caro governador. Quem quis o saco que era dele foi o senhor. Foi tolice de sua parte querer para si o prêmio dado especialmente ao rapaz como mérito por sua devoção à deusa Kichijoten. Considere-se justiçado pelo fato de o saco ter devolvido o arroz que o senhor pagou para o rapaz.

Dizem que o governador devolveu o saco a Yotsune e, uma vez na casa dele, o saco voltou a encher, tornando-se novamente inesgotável.

http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=noticias&cod_noticia=10681
http://nrhviagens.wordpress.com/2007/03/18/camara-municipal-de-curitiba-homenageia-claudio-seto/
http://universofantastico.wordpress.com/2008/10/15/claudio-seto-o-samurai-dos-quadrinhos/
http://www.nippobrasil.com.br/2.semanal.lendas/index.shtml

Visto no Gibiteca

Renato LebeauquadrinhosCláudio Seto,HQB,Osamu Tezuka,Quadrinho NacionalMais uma grande perda para o HQB em 2008. Visto no Gibiteca Fiquei sabendo, há pouco, do falecimento de Cláudio Seto. Eu já sabia, por meio de mensagens trocadas em uma lista da qual participo, que Seto encontrava-se hospitalizado. Ele teve AVC hemorrágico, estava internado na UTI e faleceu nesta manhã...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe