Diretamente do SOC! TUM! POW! – por Doctor Doctor

Lentamente o formato digital ganha espaço entre os leitores e criadores de histórias em quadrinhos. Usado principalmente por quadrinhistas iniciantes, que encontram nelas uma ótima oportunidade de apresentar seu trabalho, o formato digital começa a ser utilizado por nomes importantes do mercado, como Mark Waid, que apresentou algumas imagens de sua primeira HQ digital.

Em Luther ele explora uma nova forma de apresentar uma história para uma plataforma digital. Nela, os quadrinhos não ficam estáticos na tela, mas surgem com o toque ou são complementados com novos recursos, como uma animação limitada ou mesmo o aparecimento de um novo balão.

Segundo Waid, a maioria do material oferecido em versão digital são adaptações desajeitadas de edições impressas, as quais não foram feitas para serem lidas no formato “paisagem” de um monitor. “Quando você lê uma edição impressa, você pode ver a página toda de uma vez, e o artista usa isto como uma ferramenta de design”, disse em entrevista concedida ao site In Media Res. “Mas estas edições, quando capturadas para a tela, quase sempre se mostram muito largas para as compreendermos sem termos que rolar a página ou sem individualizarmos cada quadrinho.”

Apesar das possibilidades inerentes a este formato, Waid consegue conservar o aspecto de história sequencial, típico das HQs. “Sem recorrer aos recursos de ser mais barato e da possibilidade de uma animação limitada, ainda somos capazes de sugerir movimento alterando a arte entre os quadrinhos com o ‘virar da página’, que acontece quando o leitor toca o lado esquerdo ou direito da tela. Podemos quebrar longas sequências ou elementos da arte em pedaços que parecem cair conforme as páginas são viradas. E estamos apenas começando a aprender.”

O que achei interessante na proposta de Waid, é que Luther parece ter sido criada realmente para o formato digital, e não é uma adaptada a esta mídia. Ele e sua equipe aproveitam os recursos da plataforma e introduzem elementos dinâmicos que acentuam a sequencialidade das imagens, como se fosse o movimento dos olhos entre os quadrinhos de uma edição impressa.

Certamente o quadrinho digital terá muito espaço no futuro. E parece que Waid está no caminho certo.

Renato LebeauquadrinhosHQ digital,Mark WaidDiretamente do SOC! TUM! POW! – por Doctor Doctor Lentamente o formato digital ganha espaço entre os leitores e criadores de histórias em quadrinhos. Usado principalmente por quadrinhistas iniciantes, que encontram nelas uma ótima oportunidade de apresentar seu trabalho, o formato digital começa a ser utilizado por nomes importantes do...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe