De templos antigos, cavernas escuras e dimensões terríveis surgem os contos de H. P. Lovecraft em uma bela adaptação do espanhol Esteban Maroto, publicado pela editora Pipoca e Nanquim.

H.P. Lovecraft é um dos escritores mais influentes da cultura pop. Seu horror cósmico repleto de criaturas incompreensíveis, dimensões bizarras e conhecimentos ancestrais são base para diversas produções. Autores como Stephen King, Mike Mignola, John Carpenter, Alan Moore e Guillermo Del Toro, são alguns dos grandes nomes que tiveram a influência do autor.

Os textos publicados originalmente nas clássicas revistas pulp dos Estados Unidos no início do século XX já foram adaptados diversas vezes e agora temos a oportunidade de conferir a visão de um grande nome dos quadrinhos, o espanhol Esteban Maroto.

Esteban Maroto

O artista começou sua carreira nos anos 1960, ilustrando tiras como em El Príncipe de Rodas e séries como Capitán Terror, Alma e Beat Group. Em 1967, com a publicação da série Cinco por Infinito, seu estilo se estabelece e chama a atenção de editoras inglesas e norte-americanas.

Na década de 1970 seus personagens bárbaros começaram a se destacar. Wolff começou a ser publicado na Inglaterra, na revista Drácula, e nos Estados Unidos, pela Warren Publishing. Na Warren, Maroto ilustrou muitas histórias para as famosas revistas Creepy, Eerie e Vampirella, colaborando com as publicações até o encerramento em 1983.

Os Mitos de Cthulhu foi um projeto encomendado pela Editora Bruguera e seria parte de uma coleção chamada “Firmado por…”, que trazia adaptações em quadrinhos de livros de autores como Isaac Asimov e Chester Himes. Maroto, que declarou ser grande fã das obras de Lovecraft, adaptaria três histórias para o primeiro volume dedicado ao autor, que ainda teria mais duas publicações com histórias ilustradas por Alex Niño e Sergio Toppi, mas por conta de problemas financeiros da editora, a coleção teve de ser suspensa antes que Maroto pudesse entregar a sua versão.

Poucos anos depois, seus três contos foram publicados na revista Capitán Trueno, com uma colorização que não havia sido planejada por Maroto. Posteriormente, esta versão foi traduzida para o inglês por Roy Thomas, amigo do artista, e publicada nos Estados Unidos.
A edição que está sendo publicada agora não é a versão colorida, que não agradou o autor.

Em seu prefácio, Maroto conta que não conseguiu recuperar os seus originais na época, mas um incêndio em seu estúdio fez com que ele encontrasse antigas reproduções em seu arquivo pessoal. Com isso, ele tentou publicá-las de forma independente primeiro, mas o projeto foi concluído quando a Editora Planeta se interessou.

A Edição

Maroto adapta três histórias: A Cidade Sem Nome, O Cerimonial e Os Mitos de Cthulhu (esse último composto por três partes:O Horror em Argila, O Relato do Inspetor Legrasse e A Loucura do Mar).

Quem leu Espadas e Bruxas ou Cinco por Infinito, ambas publicadas nos últimos anos pela editora Pipoca e Nanquim que vem fazendo um excelente trabalho com as obras do autor, já reconhece o belo traço do espanhol. Ele trabalha muito bem o preto e branco, alternando ambientes muito claros, com poucos traços e linhas finas, com ambientes muito escuros que transmitem a sensação de medo, claustrofobia e desorientação no leitor, como em A Cidade Sem Nome.

Os contos são adaptados com fidelidade. Uma das poucas liberdades tomadas pelo artista foi acrescentar um elemento erótico em O Cerimonial, já que as obras de Lovecraft carecem de sensualidade.

Maroto consegue retratar as criaturas “inenarráveis” com a estranheza necessária, mas também adapta de forma muito interessante a arquitetura dos templos e estátuas. Se as criaturas parecem incompreensíveis e disformes, os templos têm uma simetria que se destaca em relação à seus habitantes.

Já os humanos que ousam se aventurar em lugares em que a loucura impera, são retratados de forma realista e a expressividade em suas feições vai se acentuando conforme ocorre o contato com as entidades lovecraftianas.

A edição segue o bom padrão já estabelecido pela editora Pipoca e Nanquim, com capa dura, com verniz localizado no logo e no nome do autor, papel couché de alta gramatura e conta com muitos extras que dão um excelente contexto para o leitor sobre a obra de H.P. Lovecraft e Esteban Maroto.

O livro conta com uma Introdução aos Mitos de Cthulhu, escrita pelo artista e professor José Villarrubia; Prólogo e Prefácio escritos pelo próprio Maroto; Notas sobre a edição, escritas pela tradutora Denise Schittine; um artigo chamado Os Monstros de Lovecraft, escrito pelo editor Rodrigo Guerrino, e Biografias dos autores.

O livro é uma belíssima adaptação, além de uma ótima porta de entrada para novos leitores que queiram entrar nos reinos e dimensões desconhecidas onde horrores impronunciáveis habitam.

Os Mitos de Cthulhu
Editora Pipoca e Nanquim
Autor: Esteban Maroto
Capa dura
Lombada quadrada
Papel couché de alta gramatura
92 páginas
21 x 28 cm
R$ 39,90

HQ que Acontece: Os Mitos de Cthulhuhttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/07/mitos-de-cthullu-pipoca-e-nanquim-1.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/07/mitos-de-cthullu-pipoca-e-nanquim-1-150x150.jpgPedro Fariahq que acontecequadrinhosCthulhu,Esteban Maroto,H. P. Lovecraft,Pipoca e NanquimFacebook Twitter Instagram Youtube De templos antigos, cavernas escuras e dimensões terríveis surgem os contos de H. P. Lovecraft em uma bela adaptação do espanhol Esteban Maroto, publicado pela editora Pipoca e Nanquim. H.P. Lovecraft é um dos escritores mais influentes da cultura pop. Seu horror cósmico repleto de criaturas incompreensíveis, dimensões bizarras e...O Impulso HQ é um site e canal no YouTube dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe