O quanto estaríamos dispostos a arriscar para cobrar justiça, para defender uma causa, mesmo que isso significasse ficar na mira de agentes de uma poderosa engrenagem? O personagem é Cris, o “Maestro”, principal jogador e capitão do “E. C. Alvinegro Paulista”; a engrenagem é o futebol, com suas conexões econômicas, políticas, midiáticas, sem falar no impacto social; a decisão de Cris: assumir publicamente ser homossexual durante entrevista a um programa de televisão, após o assassinato de seu ex-namorado por membros da torcida organizada de seu próprio time.

Cris quer justiça, e decide arriscar tudo, desde sua longa carreira até a relação com sua esposa e também empresária, Suzana, e sua enteada, Kika, que desconhecia o segredo do pai até a entrevista. Paro um pouco e volto para a nossa realidade: alguém tem ideia do que isso poderia desencadear se acontecesse de verdade?

Os autores Alvaro Campos, Alê Braga e Jean Diaz ousaram responder essa pergunta com uma história sólida e envolvente, em uma trama que se aprofunda no drama dos personagens e não foge da complexidade dos conflitos desencadeados – desde a reação da torcida até os desdobramentos políticos.

Para quem não é muito fã do esporte, é bom deixar claro que não é uma história sobre futebol, mas sim sobre diversos dramas que se entrelaçam nesse universo a partir da quebra do que ainda é um tabu no meio futebolístico: um jogador assumir ser gay.

Suzana

Os primeiros diálogos entre Cris e Suzana deixam claro que o casamento nasceu de um arranjo comercial, o que não impediu que ela visse sua vida e planos virarem de ponta cabeça logo após a declaração do atleta, feita sem seu consentimento. A relação é ainda mais complexa por eles cuidarem de uma filha adolescente e por Suzana ser responsável por gerir a carreira do atleta.

Em uma situação inédita dentro de um esporte, conhecido pelo ambiente machista e conservador, Suzana ganha seu protagonismo ao lidar com o jogo de interesse de políticos e dirigentes do time, com patrocinadores que ameaçam abandonar o barco, uma imprensa ávida por mais esclarecimentos – e até o técnico da seleção brasileira. Tudo isso ao mesmo tempo em que sua filha sofre com bullying na escola por ter um pai homossexual.

Com uma evolução gradual ao longo da trama, Suzana surpreende os leitores e os personagens com sua imprevisibilidade e táticas ousadas, para que tudo não desabe: sua família, sua carreira, a carreira do marido e a causa que resolve assumir junto dele.

Fubá

A reação furiosa e protestos de parte da torcida, a chacota dos torcedores rivais e a incapacidade de programas esportivos de analisar os fatos com um olhar humano, além da superfície, são mostras da apurada leitura do nosso contexto social feita pelos autores. Estes também fazem os atos de intolerância e homofobia que ocorrem após a entrevista parecerem notícias reais saídas de uma página policial.

No meio disso tudo e com a investigação a passos lentos do crime que tirou a vida de Guto, amor da vida do “Maestro”, eis que surge outro importante personagem na trama: Fubá. Antigo colega das categorias de base do clube, mas que não vingou no futebol profissional, Fubá vira o elo entre o passado conturbado de Cris, relampejado em alguns flashbacks ao longo da história, e o presente caótico que sua vida se tornou. Intermediador entre Cris e um lado mais sujo do futebol, Fubá o ajuda a correr por fora na investigação do crime – além de fazer às vezes de segurança da filha do jogador.

Os criminosos também não são esquecidos na narrativa, e cada um recebe um grau de aprofundamento e destinos bem diferentes, o que deixa a narrativa ainda mais envolvente. Contada em oito capítulos, “O Outro Lado da Bola” é a história de um grito de gol que ainda não aconteceu, mas que definitivamente vale ser lida, relida e até estudada, para quando esse gol sair.

O Outro Lado da Bola
Editora Record
Roteiro: Alê Braga e Alvaro Campos
Arte: Jean Diaz
Capa cartonada
Acabamento brochura
Preto e branco
16,8 x 23,8 cm
216 páginas

HQ que Acontece: O Outro Lado da Bolahttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/08/o-Outro-Lado-da-Bola-record.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2019/08/o-Outro-Lado-da-Bola-record-150x150.jpgThiago Liberalhq que acontecequadrinhosresenhasAlê Braga,Álvaro Campos,Jean Diaz,O Outro Lado da Bola,RecordFacebook Twitter Instagram Youtube O quanto estaríamos dispostos a arriscar para cobrar justiça, para defender uma causa, mesmo que isso significasse ficar na mira de agentes de uma poderosa engrenagem? O personagem é Cris, o “Maestro”, principal jogador e capitão do “E. C. Alvinegro Paulista”; a engrenagem é o futebol, com suas conexões...O Impulso HQ é um site e canal no YouTube dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!