No final do ano passado voltou às bancas pela coleção de Graphic Novels DC, da editora Eaglemoss, o especial Arqueiro Verde – Os Caçadores, uma história que se tornou um marco para o personagem e serviu de inspiração para o que é apresentado na série de TV Arrow.

Entre 1986 e 1987 algumas séries foram responsáveis por mudar o rumo dos super-heróis nos quadrinhos, trazendo os personagens de vez para o cotidiano violento das grandes cidades e abordando acontecimentos políticos da época. Frank Miller levou o Demolidor ao inferno, para depois renascer como “O Homem sem Medo” em A Queda de Murdock na Marvel, e fez o Batman enfrentar a idade e o governo em O Cavaleiro das Trevas. Já Alan Moore questionou o próprio gênero de super-heróis em Watchmen.

É nesse período que o Arqueiro Verde foi escolhido para entrar numa nova fase, saindo de Star City e vivendo em Seattle, uma cidade tão real quanto seus bandidos, traficantes e mafiosos. A série Os Caçadores foi publicada nos Estados Unidos em 1987 em três volumes, no formato que a DC Comics batizou de “prestige format”, com um tratamento gráfico especial. O roteiro e os desenhos são assinados por Mike Grell.

A história

Oliver Queen e Dinah Lance se mudam para Seattle para recomeçar suas vidas. Lá ele se depara com a violência e o tráfico de drogas, que dominam a cidade. Enquanto Dinah, a Canário Negro, começa a investigar uma pista sobre o tráfico de cocaína na região, Oliver passa a investigar um assassino em série conhecido “Estripador de Seattle”, que está atacando prostitutas.

Mas o Oliver que vemos aqui não é mais o playboy queridinho de Star City, nem o vigilante com a consciência social apresentado brilhantemente por Dennis O’Neil e Neal Adams em sua fase ao lado do Lanterna Verde. Aqui, Oliver Queen está mais velho, em certo momento ele diz que ainda se sente o mesmo, mas sabe que não é. Além da idade, ele acredita que as flechas especiais passaram a fazer “o serviço” por ele, e por isso volta a usar flechas comuns.

Na pista pelo assassino em série ele encontra uma nova arqueira, que está atacando homens sem nenhuma ligação aparente. É a partir daí que a história toma outro rumo, já que no mundo real os conflitos não se resumem apenas em bem e mal, nem em bandidos e mocinhos.

A linha que separa o governo, os criminosos e aqueles que se envolvem na trama começa a se confundir, e Oliver tem que conviver com os riscos de ter escolhido se tornar um herói, além de questionar a moralidade dos seus atos para poder seguir em frente.

É a partir de Os Caçadores que muito da história do personagem sofre grande impacto. Além da mudança visual em seu uniforme, quando Oliver passa a usar um capuz, seu relacionamento com Dinah sofre um grande impacto. A entrada da arqueira Shado em sua vida também é um fato importante e que foi desenvolvido na revista mensal que o herói estrelou após o sucesso da série.

Caso Irã-Contras

Mike Grell usa como pano de fundo um dos maiores escândalos políticos dos Estados Unidos na época, o Caso Irã-Contras. Nele, foi revelado que o governo norte-americano estava vendendo armas ao Irã, que na época estava em guerra contra o Iraque, como forma de trocar o armamento pela libertação de reféns.

Com o dinheiro obtido nas transações o governo ainda financiava Os Contras, uma organização anticomunista que lutava na Nicarágua contra a Frente Sandinista de Libertação Nacional, e com a descoberta do envolvimento de dinheiro do tráfico de cocaína de cartéis colombianos a operação ganhou traços ainda mais sombrios.

Arte e diagramação

A arte merece uma nota a parte. O traço realista de Grell e as cores de Julia Lacquement fazem a ambientação perfeita para a história ao mesmo tempo em que a diagramação das páginas é usada como recurso importante para a narrativa.

O artista varia entre os quadros tradicionais, que retratam o presente, e diferentes formatos e sobreposições para mostrar notícias, lembranças e outros fatos. O traço também é modificado em determinadas situações, enriquecendo ainda mais a narrativa.

A expressividade dos personagens, especialmente no olhar, é outra característica da arte que dialoga diretamente com a narrativa e o desenvolvimento do Arqueiro Verde na história.

A edição da Eaglemoss ainda conta com uma história curta do personagem na Era de Ouro, ilustrada por ninguém menos que o rei, Jack Kirby!

Os Caçadores é uma das grandes HQs do final da década de 1980 que marcaram o gênero de super-heróis. Uma história que merece seu lugar ao lado dos grandes clássicos da época.

Arqueiro Verde – Os Caçadores ed. #52
Editora Eaglemoss
Roteiro e Arte: Mike Grell
Capa Dura
Colorido
152 páginas
17 x 26 cm
R$ 54,99

http://impulsohq.com/wp-content/uploads/2018/04/Arqueiro-Verde-DC-Comics-Caçadores-Eaglemoss-5.jpghttp://impulsohq.com/wp-content/uploads/2018/04/Arqueiro-Verde-DC-Comics-Caçadores-Eaglemoss-5-150x150.jpgPedro Fariahq que acontecequadrinhosresenhasArqueiro Verde,Eaglemoss,Julia Lacquement,Mike Grell,Os CaçadoresFacebook Twitter Instagram Youtube No final do ano passado voltou às bancas pela coleção de Graphic Novels DC, da editora Eaglemoss, o especial Arqueiro Verde - Os Caçadores, uma história que se tornou um marco para o personagem e serviu de inspiração para o que é apresentado na...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe