Visto no Universo Fantástico

Coletânea mineira homenageia a Argentina traz surpresas do novo quadrinho independente nacional.

A Graffiti é uma revista dedicada à publicação, difusão e experimentação das histórias em quadrinhos.

Já foram lançadas, sempre de forma independente, 17 edições com cerca de 170 histórias de mais de 50 autores que fizeram da Graffiti referência no difícil cenário do quadrinho brasileiro.

Atualmente dois coletivos de quadrinhos contribuem de sobremaneira para alavancar a produção da arte seqüencial no Brasil.

Um deles é O Contínuo, que lançou recentemente a ótima edição especial, Câncer.

O outro é os mineiros do Graffiti 76% Quadrinhos (Graffiti, 84 págs, R$ 10), que chega à 17ª edição de sua coletânea independente. Nesta edição, o destaque é a homenagem ao quadrinho argentino, com a publicação de tiras do argentino Liniers, além de um artigo de Guazzelli.

Como uma das publicações de quadrinho nacional mais longevas, a Graffiti teve muito tempo para lapidar seu foco criativo e acertar em cheio seu público.

Hoje, é referência quando se trata de avanços artísticos e narrativos.

A revista também se mostra interessada em avançar por outros cenários, como literatura e artes plásticas. Tudo com uma coragem que só a independência poderia proporcionar.

Nesta edição, mais do que o experimentalismo e o bom argumento de algumas histórias, chama atenção a diversidade de formatos também. A revista apresenta dois cadernos internos, que fogem do padrão do papel couché, de todo o resto.

O primeiro, em papel jornal traz um extenso artigo do artista Guazzelli sobre quadrinhos argentinos e o segundo, além de um hq no estilo stop motion de Caballero tem duas páginas para Liniers.

Hit na internet, Ricardo Liniers tornou-se fenômeno em seu país de origem e é aguardado com ansiedade por fãs no Brasil.

A editora Zarabatana já anunciou que lança sua obra mais conhecida, Macanudo no final do ano. A Graffitti saiu na frente publicando HQs do artista e o melhor, na língua original, o espanhol. Liniers é dono de uma subjetividade que beira o mágico.

O lirismo dos seus traços – que por vezes lembram uma tirinha infantil – é impressionante.

Mas não é só no pequeno aperitivo do argentino que se vale a nova Graffitti. Eloar Guazzelli, em sua história autobiográfica tendo como cenário Buenos Aires. Em 10 páginas, o autor gaúcho faz um tour sentimental retratando (des)encontros amorosos, ao mesmo tempo em que pontua momentos de sua carreira.

O trabalho de edição e de curadoria mantém uma boa regularidade das histórias, ainda que seja visível a qualidade de algumas em relação à outras, seja no traço ou mesmo no texto.

João Pinheiro, estreando na Graffiti se arriscou e conseguiu um bom resultado na sua mistura de poesia e hq.

Poderia apenas trazer mais informações sobre os autores como fez com Liniers na penúltima página. Mas, são muitos os acertos nesta edição, que provoca no leitor uma estimulante aventura estética à cada página.

O GRITO! – por Paulo Floro

Visto no Universo Fantástico

Renato LebeauquadrinhosCaballero,graffiti,Graffiti 76% Quadrinhos,Guazzelli,João Pinheiro,Liniers,O ContínuoVisto no Universo Fantástico Coletânea mineira homenageia a Argentina traz surpresas do novo quadrinho independente nacional. A Graffiti é uma revista dedicada à publicação, difusão e experimentação das histórias em quadrinhos. Já foram lançadas, sempre de forma independente, 17 edições com cerca de 170 histórias de mais de 50 autores que fizeram...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe