Para encerrar a sexta-feira o Impulso HQ traz uma entrevista exclusiva com Marcelo Del Grecco editor da JBC, a maior editora de Mangás do Brasil.

Com um grande lançamento acontecendo no selo de livros da editora, o Impulso HQ conversou sobre o reflexo da Imigração Japonesa nesse ano nos mangás e o que os leitores podem de novidades para os próximos meses.

E no final uma pergunta enviada pela leitora Tatiane do grupo “Loucos Animes”.

A equipe do Impulso HQ agradece à editora JBC e é claro ao Marcelo Del Grecco que disponibilizou o seu tempo para responder para os leitores que sempre acompanham as novidades aqui do site, fiquem com a entrevista:

Impulso HQ: O ano começou com bastante empolgação por causa do Centenário da Imigração Japonesa, e aconteceram bastantes lançamentos de mangás, e agora para o restante do ano, os lançamentos continuam? E qual seria o principal destaque?
Marcelo Del Grecco: A JBC acabou de lançar dois grandes mangás de sucesso e que eram aguardados há muito pelos leitores: Nana e Hellsing.
E agora estamos preparando as voltas de Inu-Yasha e Love Junkies, já que empatamos com as edições japonesas.
Mas 2009 já está batendo à porta e vai chegar cheio de grandes novidades.

IHQ: Com o Centenário muitos artistas japoneses nacionais como Ypê Nakashima, Fernando Ikoma, Minami Keizi, Paulo Fukue, Roberto Fukue, Cláudio Seto ficaram em evidência, e inclusive foi o mote para uma das maiores premiações nacional de quadrinhos, o HQ MIX 2008, esse ano não seria ideal para uma publicação especial com esses artistas?
M.D.G:
Com certeza, tanto que aproveitamos o gancho do Centenário da Imigração Japonesa para lançar a HQ nacional O Catador de Batatas & O Filho da Costureira  assinado pelo Bruno D’Ângelo (arte) e pelo Ricardo Giassetti (roteiro), que são dois caras bem conceituados no mercado de quadrinhos, inclusive no exterior.
E trata-se de uma HQ única, com duas histórias paralelas que culminam em um mesmo final. A história do brasileiro está com leitura ocidental, em português e legendas em japonês; já a do imigrante japonês apresenta leitura oriental (igual a dos mangás), está em japonês e legendas em português.
É uma graphic novel bem diferenciada e 100% brasileira.

IHQ: Qual foi a grande surpresa nesse ano de Centenário em relação aos mangás publicados no Brasil?
M.D.G:
Não exatamente por conta do Centenário, mas Death Note foi o grande sucesso do ano.
Inclusive, devido a todo o seu sucesso, a JBC lançou junto com Nana e Hellsing, o Death Note 13 – How to Read, que é uma enciclopédia com absolutamente tudo sobre o mangá e que vem ainda com uma história inédita e um card especial com o verdadeiro nome do L.

IHQ: Falando em grandes desenhistas de mangás, e falando de comemorações, a JBC pretende trazer alguma personalidade ilustre dos mangás para conhecer o Brasil?
M.D.G:
Por enquanto, não. As próprias editoras japonesas tendem a evitar liberar seus artistas para eventos.
Fora aqueles que não gostam de participar ou evitam por algum motivo. As meninas do CLAMP, por exemplo, segundo o que se conta, têm medo de avião.

IQH: Houve algum reflexo do Centenário nas vendas de mangás? Qual foi a publicação que mais sentiu esse efeito?
M.D.G:
O Centenário ajudou a divulgar a cultura japonesa para um público mais amplo. O mangá entrou nessa esteira. Houve uma leve melhoria nas vendas em geral por conta de uma maior exposição na mídia.

IQH: Nana, A Bíblia em Mangá e O Catador de Batatas e o Filho da Costureira são mangás que não seguem a linha de animes, a editora pretende investir mais nesse segmento?
M.D.G:
A intenção é sempre trazer bons produtos para os nossos leitores.
A JBC sempre diversificou o gênero de seus lançamentos. Fomos, por exemplo, a primeira editora a acreditar nos shojos (para meninas).
Estamos sempre em busca do que nosso público gostaria de ler.
Mas é importante salientar que A Bíblia em Mangá e O Catador de Batatas & O Filho da Costureira não fazem parte da linha de mangás da JBC, mas sim da linha de livros.
A linha de mangás é sempre focada nos quadrinhos japoneses como eles são, já a linha de livros são obras com influência da cultura japonesa, por isso tanto a Bíblia em Mangá quanto o Catador de Batatas não foram lançados com o selo JBC Mangás.

IQH: O Catador de Batatas e o Filho da Costureira é um álbum bilíngüe produzido no Brasil, a JBC pretende investir mais em publicações nacionais no estilo mangá?
M.D.G:
Sim, sempre que aparecerem bons projetos, com artistas de qualidade.

IQH: Existe alguma tendência para as publicações de mangás que você apontaria como mais promissora?
M.D.G:
Os shonens (para meninos) sempre acabam tendo mais saída. Mas depois de sucessos como Fruits Basket, Gravitation e agora Nana, os shojos estão bem mais forte no mercado brasileiro.

IQH: Muito tem se falado sobre a produção do filme de Dragon Ball, a JBC estaria planejando alguma publicação especial da história de Goku e sua turma?
M.D.G:
Por enquanto não.

IQH: A seguir uma pergunta de uma leitora do Impulso HQ: “Durante todo o trabalho de publicação dos mangás vocês tem contato com as editoras e mangakás japoneses, vocês visitam e conhecem todo o sistema de lá?
M.D.G:
Periodicamente nosso diretor de publicações vai ao Japão.
Nessas visitas sempre acaba indo às editoras que publicam os mangás e conhecendo todo o processo de publicação.
Mas depois que um título é negociado, o processo todo de aprovação é feito pela equipe no Brasil, por e-mail mesmo. Os autores e mangakás raramente participam da negociação de um título.
Mas, como a JBC tem publicações e sites sobre cultura japonesa, tivemos a felicidade de entrevistar autores consagrados. As mais marcantes foram com o Masami Kurumada, autor de Os Cavaleiros do Zodíaco, e com o Masakazu Katsura, que criou Video Girl Ai e DNA2.
Na ocasião pudemos entrevistá-los para a revista Henshin.

Renato LebeauA Bíblia em Mangá,JBC,mangá,Marcelo Del Grecco,Nana,O Catador de Batatas e o Filho da CostureiraPara encerrar a sexta-feira o Impulso HQ traz uma entrevista exclusiva com Marcelo Del Grecco editor da JBC, a maior editora de Mangás do Brasil. Com um grande lançamento acontecendo no selo de livros da editora, o Impulso HQ conversou sobre o reflexo da Imigração Japonesa nesse ano nos mangás...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe