No começo do mês de fevereiro nós colocamos aqui no Impulso HQ a notícia sobre as inscrições para o Fanzines nas Zonas de Sampa 2012, programa que acontece na rede de bibliotecas do Município de São Paulo, que é totalmente gratuito e realizado em aulas semanais com um total de duração de três meses.

Idealizado e coordenado por 5 anos por Doroty Rojas, o programa nasceu em 2006 e vem se ampliando a cada ano e dando cada vez mais a oportunidade do público em geral conhecer a linguagem dos quadrinhos. O fruto de toda essa dedicação de vários envolvido já começa a aparecer, e uma das evidências do sucesso do programa é o quadrinhista Éder Gil de Souza, ex-aluno do Fanzines nas Zonas de Sampa que terá o seu álbum aprovado pelo ProAc.

Para saber mais sobre o programa e seu funcionamento o Impulso HQ conversou com Katianne Pereira da Silva e Silva, coordenadora do Fanzines nas Zonas de Sampa, que nos contou mais sobre a iniciativa, as dificuldades e as surpresas de se manter um projeto desse tipo. Confiram:

Impulso HQ: Como surgiu a iniciativa do projeto?
Katianne Pereira:
Pensamos numa oficina continuada, que pudesse oferece técnicas da linguagem de quadrinhos, por ser esta uma linguagem que crianças, jovens e adolescentes se identificam e os aproximam da leitura.
Buscávamos também que este público pudesse se apropriar do espaço público das Bibliotecas.

Com esta ação cultural teríamos não só um produto final, isto é, a criação de um Fanzines produzido pelos alunos, como também desdobramentos não mensuráveis como o despertar para a produção textual, desenvolvimento de técnicas de desenho e até interesse profissional por uma área até então pouco ou desconhecida daqueles alunos.

IHQ: Qual foi a maior dificuldade de implementar o projeto?
K.P.:
O entendimento por todos os envolvidos – professores, profissionais das bibliotecas, alunos e comunidade – sobre as possibilidades existentes nas Histórias em Quadrinhos: elaboração de roteiro, trabalhando a importância na clareza das idéias; elaboração dos desenhos, trabalhando o desenvolvimento e articulação do texto escrito com o formato do desenho; e a sequência dos textos e desenhos apresentando a coerência da história. A produção de uma história em quadrinhos é uma atividade complexa e extremamente atraente.

IHQ: O que é necessário para conseguir realizar um projeto como o Fanzines nas Zonas de Sampa?
K.P.:
Formar uma equipe, no nosso caso: programadores, funcionários das bibliotecas, oficineiros competentes e interessados em dialogar com o público. É fundamental o apoio e suporte da Secretaria Municipal de Cultura, que ampliou a verba para as contratações, impressão dos Fanzines e realização do encontro entre turmas no final de cada módulo.

IHQ: Do começo do projeto até hoje, o que mais mudou na sua dinâmica ou estrutura devido ao dia a dia das aulas? Por quê?
K.P.:
O projeto foi crescendo e, a cada ano, fomos aprimorando o modelo a partir das avaliações realizadas e demandas dos participantes. Após o terceiro ano, criamos o módulo Avançado. A procura foi grande e tivemos bons resultados. Criamos o blog Zines nas Zonas de Sampa para fazer uma conexão com todos os participantes do Programa – os professores selecionam e postam alguns trabalhos e notícias de interesse comum.

Pela demanda do público, oferecemos também oficinas exclusivas de manga, caricatura e quadrinhos em xilogravura, este na biblioteca de Cultura Popular. Outra novidade foi a realização de encontros do programa “O Escritor na Biblioteca” nas unidades que oferecem as oficinas, dando oportunidade aos alunos de conversar com quadrinhistas profissionais que se destacam no mercado.

IHQ: Em sua maioria, qual é o perfil de quem procura o projeto? Pessoas que desconhecem os quadrinhos, ou aqueles que já possuem alguma informação sobre a linguagem?
K.P.:
A maioria já desenha, mas não é exigido nenhum conhecimento prévio nos cursos básicos.

IHQ: O que você pode dizer que é mais marcante ou significativo na realização de um projeto como Fanzines nas Zonas de Sampa?
K.P.:
O mais significativo é perceber quantos adolescentes, crianças e adultos se envolvem com a linguagem e vão conhecendo e aperfeiçoando as técnicas de HQ. Por ser realizado dentro de bibliotecas, os participantes também tomam contato com outros programas e com o acervo, que vai dos quadrinhos aos clássicos.

Outro momento importantíssimo é o encontro final, quando reunimos alunos de todas as regiões da Cidade e seus familiares. Os trabalhos são expostos, os alunos recebem cópias do fanzine da turma para trocar com alunos de outras turmas, e participam de um bate-papo com um quadrinhista profissional.

IHQ: Como ocorre a seleção dos instrutores?
K.P.:
Através de Edital de Chamamento Público, que é divulgado no Diário Oficial e no site das Bibliotecas: www.bibliotecas.sp.gov.br.

IHQ: Para o segundo semestre de 2012 o projeto já está garantido e nos mesmos moldes?
K.P.:
Em 2012, o projeto será realizado somente no primeiro semestre, em 12 locais.

IHQ: Há a possibilidade do projeto ser ampliado para ir além das bibliotecas públicas, como escolas e centros culturais?
K.P.:
O programa é desenvolvido pela equipe de Programação Cultural da Coordenadoria do Sistema Municipal de Bibliotecas, responsável pelas bibliotecas de bairro, pontos e bosques da leitura e ônibus-biblioteca. A biblioteca do Centro Cultural da Juventude, que, assim como a Coordenadoria, está ligada à Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo, há vários anos participa do projeto. Estamos abertos a parcerias com outros departamentos e instituições interessadas.

Renato LebeauentrevistasFanzines nas Zonas de Sampa,Katianne Pereira da Silva e SilvaNo começo do mês de fevereiro nós colocamos aqui no Impulso HQ a notícia sobre as inscrições para o Fanzines nas Zonas de Sampa 2012, programa que acontece na rede de bibliotecas do Município de São Paulo, que é totalmente gratuito e realizado em aulas semanais com um total...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe