Ela é ilustradora, mangaká e professora de Mangá na Ânima Academia de Arte, em Campinas. Ele é ilustrador, desenhista e também professor de História em Quadrinhos na Ânima Academia de Arte. Ela é Gisela Pizzatto e ele é Bruno Büll. A dupla acaba de publicar a graphic novel “Gráinne Mhaol”, lançada na Irlanda pela editoa Cló Mhaigh Eo em julho deste ano.

O Impulso HQ conversou com Gisela, que roteirizou e coloriu a graphic novel que conta a história da pirata Grace O’Malley (disponível apenas em irlandês). Gisela é formada em História, e no Brasil publicou tiras de mangá (yon koma) na Revista NeoTokyo, onde também colaborava com matérias especializadas sobre mangá. Confira!

Impulso HQ: Primeiramente, acredito que os leitores devem estar se perguntando “por que publicar na Irlanda?”. Como foi o contato com a editora estrangeira?
Gisela Pizzato:
Acabamos publicando a graphic novel na Irlanda por motivos de contexto mesmo: a personagem é irlandesa e a história se passa lá. Publicar este material aqui no Brasil seria inviável, as editoras estão mais interessadas em coisas já consagradas e os projetos do governo não contemplariam uma história que se passa fora. Então entramos em contato com editoras irlandesas. O contato foi bem tranquilo, eles gostaram do projeto de cara e resolveram publicar.

IHQ: Rapidamente para o leitor se situar, qual é a história da pirata Grace O’Malley?
G.P.:
Grace é a primeira pirata mulher da história. Ela era nobre de um clã irlandês no século XVI e acabou se tornando uma pirata. Foi perseguida pela Coroa Inglesa, presa, teve as terras confiscadas, mas através de um contato com a rainha Elisabeth I a pirata conseguiu se safar das acusações e no fim das contas acabou trabalhando para os ingleses.

IHQ: Qual é o público que a história se destina?
G.P.:
De início, pensamos na história para o público juvenil e adulto, mas a editora focou também no público infanto-juvenil. Para a gente praticamente nada mudou, só não pudemos mostrar cenas de nudez.

IHQ: Como foi o processo de pesquisa e tradução do roteiro?
G.P.:
O processo de pesquisa se deu mais através de internet mesmo. Estando tão longe do país em que a história se passa, a internet facilitou bastante. Nosso editor também foi muito legal, auxiliando com datas, lugares, enviando material de pesquisa de vestuário e cenários.
A tradução foi feita na própria editora. A história foi originalmente escrita em inglês, então para eles (que são um país bilíngue – inglês/irlandês) foi tranquilo.

IHQ: Toda a produção da HQ foi desenvolvida no Brasil?
G.P.:
Sim, todinha. Eu já estive na Irlanda e aproveitei algum material para fazer a história, mas não fomos lá para fazer o quadrinho. Infelizmente.

IHQ: Vocês já conheciam a história? Teve alguma dificuldade em relação a aspectos culturais?
G.P.:
O roteiro é todinho meu, e eu sempre gostei dessa história. Ela já estava escrita há 10 anos! Não consigo me lembrar de nenhuma dificuldade cultural. A história da Irlanda deste período está muito atrelada à da Inglaterra, então acho que a pesquisa foi tranquila. Em relação ao roteiro o editor não mexeu nada, fora algumas correções de datas. Só tivemos algumas alterações quanto a vestuário e cenário mesmo.

IHQ: Para o desenhista, como foi o processo de pesquisa de trajes e características dos personagens da época?
G.P.:
O Bruno fez praticamente toda a pesquisa através da internet e com a ajuda do editor, especialmente no que diz respeito a vestuário, mobília e costumes da época. As características dos personagens ficaram totalmente a nosso critério. Trabalhamos muito livre neste projeto e isso foi muito legal. Criamos os personagens exatamente como a gente tinha imaginado.

IHQ: Há a possibilidade de traduzir a HQ para o português e haver um lançamento no Brasil?
G.P.:
Possibilidade sempre existe. Tudo depende do interesse das editoras aqui. Por enquanto os direitos da história são da editora irlandesa, mas existe um prazo estipulado em contrato pra isso. Quando os direitos voltarem pra nós, poderemos publicar aqui ou em outro lugar, se quisermos. Nesse meio tempo a editora tentará um lançamento em inglês para Inglaterra e EUA. Vamos ficar torcendo!

IHQ: Quais os planos para o futuro? Outros projetos para a Irlanda? E no Brasil, o que podemos esperar de novidades?
G.P.:
O Bruno está por enquanto sem projetos para o exterior. Eu estou trabalhando em um livro ilustrado que talvez acabe saindo fora. Para quadrinhos mesmo, por enquanto não tenho nada concreto.

No Brasil continuamos a trabalhar com ilustração, ainda nada muito concreto em vista.

Renato LebeauentrevistasBruno Büll,Cló Mhaigh Eo,Gisela Pizzatto,Grace O’Malley,Gráinne MhaolEla é ilustradora, mangaká e professora de Mangá na Ânima Academia de Arte, em Campinas. Ele é ilustrador, desenhista e também professor de História em Quadrinhos na Ânima Academia de Arte. Ela é Gisela Pizzatto e ele é Bruno Büll. A dupla acaba de publicar a graphic novel “Gráinne...IMPULSO HQ é um site sobre cultura pop nerd em geral como histórias em quadrinhos, cinema, séries, mangá, anime e games
Compartilhe