A desenhista carioca Flávia Andrade, que fez sua estreia no mundo dos quadrinhos com a sua participação na HQ Destemido, que fala sobre húngaro Mihály Oláh, que rodou o mundo e atualmente aos 100 vive no Brasil.

Em um papo descontraído a quadrinhista se define: “Sou alguém que descobriu verdadeiras propriedades terapêuticas na produção de quadrinhos, mas que anda super estressada (risos) por não ter tempo. É a vida, né? Essa rotina insana tem até potencial pra virar quadrinhos”.

A seguir, Flávia conta para o Impulso HQ sobre essa experiência, os convites que recebeu para participar de outras edições de quadrinhos nacionais e quais são os seus projetos para o futuro.

Impulso HQ: Como e por que você começou a se interessar por quadrinhos?
Flávia Andrade:
Na verdade me interessei “tarde”, tipo com uns quinzes anos, antes só gostava de desenhar mesmo. E como sempre procurava caprichar nas ilustrações dos meus trabalhos escolares, um professor me presenteou com uma compilação de Mafalda, Chiclete com banana e um monte de trabalhos do Laerte. Me apaixonei!

IHQ: Tem algum personagem ou história favorita?
F.A.:
Mafalda (claro)! Infelizmente não li toda Watchmen (que vergonha), mas fiquei impressionada com tanto maestria tanto no texto quanto na arte, toda aquela metalinguagem. Não é de graça que a consideram um divisor de águas nas HQs.

IHQ: Que artistas influenciaram sua obra?
F.A.:
Quino em primeiro lugar (por motivos óbvios), Matt Groenning, Bruce Timm, Laerte, Angeli e, principalmente, do Antônio Eder, cujo desenho na Quadrinhópole nº8 (uma publicação do coletivo 4Mundo) fez um verdadeiro “boom” na minha cabeça e eu pensei: é assim que quero desenhar!

IHQ: Você está cursando Desenho industrial. Como você concilia as áreas de atuação do curso com os quadrinhos?
F.A.:
Na verdade, há mais ou menos seis meses eu precisei trancar minha matrícula pra dar uma força pro meu pai na administração de uma pequena gráfica da família e isso toma muito do tempo que gostaria de dedicar aos quadrinhos. Já tive que declinar de pelo menos dois bons convites por isso, mas quero crer que é um período passageiro.

IHQ: Pode falar sobre esses convites?
F.A.:
Não tenho razão pra não comentar. José Salles, da Editora Júpiter II, me contatou pra ilustrar um western e um super-herói retrô, o Reação, mas expliquei que meu estilo é muito cartunesco e concordamos que não ficaria tão legal. Assim, acho que me saio melhor em histórias com essa pegada, algo como Benjamin Pepe, The Paraibanos do Subúrbio.

Em Destemido, confesso que travei completamente na hora de colocar o Sr.Mihály no papel. Só desencanei quando entendi que o importante, que o que se esperava era a essência do personagem, mais ou menos como naquele filme em que a Katie Blanchet, o Christian Bale e o Heath Ledger interpretaram o mesmo papel, sabe? Bom, aí rolou. Me senti “ambientada”, em harmonia com o conceito da obra contra muito pra mim.

IHQ: Existem projetos em andamento? O que podemos esperar e o que pode nos contar de novidade?
F.A.:
Sim, tenho muitos projetos (quem não tem?), mas quase nenhum tempo para colocar em prática (quem tem? Isso nem chega a ser novidade pra ninguém nos dias de hoje)! Ainda assim acho que em breve conseguirei colocar um blog no ar, em que pretendo divulgar meus desenhos, HQs e quem sabe comentar sobre cultura pop.

IHQ: Há algum personagem que você gostaria de trabalhar?
F.A.:
Sabe que eu gostaria mesmo de desenhar pelo menos uma capa ou pin up pra revista do Benjamin Pepe e os tais Paraibanos? O Salles da Júpiter é uma figura muito legal e se ele quiser contar comigo em algo assim, será um prazer. Agora, pensando muito, muito alto, eu curtiria muito fazer a Mônica (como não?!?).

IHQ: Dá pra notar que você lê quadrinhos nacionais. E mangás?Você lê algum?
F.A.:
Gosto mesmo do tipo de quadrinho que o pessoal do 4Mundo produz, como Café Espacial, essas histórias do cotidiano. Curto demais as histórias que Samantha Floor publica numa revista adolescente que eu nunca lembro o nome e leio tudo mais que encontro (mas nesse quesito tenho mais sorte de contar com amigos generosos que necessariamente com HQs brasileiras em bancas). Sobre mangás, tenho Samurai X (quase) completo, mas atualmente prefiro assistir animes, nem sei a razão, mas prefiro.

Dennis RodrigoentrevistasDestemido,Flávia Andrade,Mihály OláhA desenhista carioca Flávia Andrade, que fez sua estreia no mundo dos quadrinhos com a sua participação na HQ Destemido, que fala sobre húngaro Mihály Oláh, que rodou o mundo e atualmente aos 100 vive no Brasil. Em um papo descontraído a quadrinhista se define: “Sou alguém que descobriu verdadeiras...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe