Hoje colocaremos a entrevista completa que fizemos com Eddy Barrows durante a São Paulo Comic Fair. O quadrinhista foi uma das grandes atrações que estiveram presentes no evento, dando uma palestra e autografando para os fãs.

Para quem não sabe Eddy Barrows é o atual desenhista oficial de um dos maiores ícones dos quadrinhos mundiais, o Super-homem, da DC Comics.

Sempre muito animado e simpático, durante a entrevista Eddy Barrows fala sobre a sua carreira, como é a sensação de desenhar o Super-homem, qual a autonomia que ele tem no roteiro sendo desenhista exclusivo, seus planos para um projeto mais autoral e é claro um pouco do futuro das histórias do Homem de Aço.

Impulso HQ: Como é assumir o legado do Super-Homem?Você sentiu alguma pressão com o peso do personagem?
Eddy Barrows:
Não senti pressão em assumir a revista. O personagem por si só já deixa você sobre pressão porque são muitos fãs, é uma cobrança muito grande, mas eu acho normal, você se prepara uma vida toda para este momento. Já passei pelo Titãs vim da Action Comics e depois pela série Blackest Night. Com uma certa experiência, a pressão é a  que você mesmo impõe pela qualidade do trabalho.

IHQ: Quanto mais popular for o personagem é mais difícil desenhá-lo ou todo personagem é igual?
E.B.
: A pressão é a mesma para qualquer personagem, lógico que quanto mais conhecido, famoso ele é você se cobra mais porque você sabe que o número de fãs ainda é maior. Se a revista tem uma visibilidade muito grande então requer um tratamento especial, por exemplo, eu como fã do Super-homem cobro por uma revista de qualidade principalmente para quem compra.

IHQ: Você sempre tenta enxergar a história com o olho do leitor. Você acha que essa posição deveria ser de todos os quadrinhistas?
E.B.:
Essa é uma postura que eu tenho eu não posso dizer se os outros também têm. Funciona comigo porque antes de ser um desenhista de quadrinhos eu sou leitor, então eu não quero dar para meu leitor, comprar uma revista pela capa e por dentro não estar legal. Todo desenhista tem de portar como leitor, todo o mês o cara compra a revista faça chuva, sol, neve, seja noite ou não ele garante o exemplar dele, então você tem que fazer o seu melhor para estas pessoas.

IHQ: No começo da sua carreira você teve um momento no qual achou não estar preparado e decidiu parar. Quando você sentiu que estava pronto para encarar qualquer título?
E.B.:
Minha carreira é dividida em duas partes – A parte que eu não estava preparado e mesmo assim encarei o mercado me dei mal, parei e fui estudar os meus pontos fracos e tornei os pontos fracos em fortes.

Depois de 2 anos eu voltei para o mercado mais sólido com mais experiência sabendo que os meus pontos fracos se tornaram pontos fortes e com um Know How melhor para enfrentar o mercado.

Foi válido este tempo que eu parei, fiz uma análise do meu trabalho e vi que não estava preparado ainda, quando voltei estava mais confiante e preparado e estou aqui hoje.

IHQ: Quando você se torna desenhista exclusivo de algum personagem você tem a possibilidade de opinar ou optar por determinadas decisões? Você pode olhar o roteiro e falar que não gostaria de desenhar certas atitudes do personagem? Você tem este tipo de autonomia?
E.B.:
Na alteração do roteiro em si não, tem que manter basicamente o que o roteirista esta escrevendo. O que você pode opinar é alterar alguma coisa que ele esteja pedindo na tomada de câmara, a forma que você venha narrar aquela página que seja mais conveniente para o leitor você tem as suas liberdade, mas não tanta, a ponto de mudar o roteiro inteiro.

O que eu posso mudar é a capa, a Editora dá uma sugestão, faço um layout com a minha posição como eu quero, mas o roteiro em si, a possibilidade de acontecer isso é muito pouca.

IHQ: Hoje a sua produção está focada 100% no mercado Americano, mas você tem alguma produção autoral guardada?Você pode adiantar alguma coisa para os leitores do Impulso HQ?
E.B.:
Eu tenho dois projetos que eu pretendo por em prática a partir de 2013, não vale a pena revelar nada ainda porque está em fase de pré-produção, mas espero aos poucos no meu blog mostrar alguma coisa relacionada a esse projeto autoral que está muito no começo. Estou planejando os roteiros, cenários e tudo mais. Pretendo gastar muito tempo para ter um trabalho de alta qualidade, talvez leve mais de 2 anos para que o material em si fique pronto.

IHQ: Atualmente nos Estados Unidos o Super-homem está em uma fase de peregrinação e ele ficará assim por mais um ano. Você pode revelar um pouco sobre o futuro do hoem de aço?
E.B.:
Para falar a verdade eu não sei o que pode acontecer com o Super Homem após está jornada que ele está fazendo. Fica difícil saber porque a gente só planejou para um ano. O Super-homem está vendo se ele ainda é útil para as pessoas, tentando encontrar o seu lugar aqui depois de um retorno afastado do planeta.

Não tenho idéia do que estão planejando futuramente, o que eu sei é o que está acontecendo agora, neste momento na questão da peregrinação do Super Homem pela América Forrest Gump.

IHQ: Geralmente você recebe o roteiro com quantas edições de antecedência?
E.B.:
Olha deveria estar com três edições de antecedência, mas só estou com apenas uma. Houve atrasos no roteiro então está com pouco espaço. A edição que estou fazendo agora sai em agosto.

IHQ: Você já desenhou todos os personagens da DC Comics. Tem algum que você considerou mais especial?
E.B.:
Eu já desenhei os grandes personagens da DC Comics. Já desenhei o Batman, Lanterna Verde, a Liga da Justiça, Liga da Sociedade, enfim já desenhei quase todos os personagens da DC. Acho que o único personagem que falta desenhar é o Hawkman, que tenho muita vontade de trabalhar nesse título, e o Aquaman.

Gostaria futuramente de trabalhar no Batmam e dar uma visão mais pessoal a ele. Quando trabalhei no Batman, meu segundo trabalho na DC Comics, e eu estava no começo ainda eu não tinha muita idéia. Fiz praticamente o que pediram para fazer, mas hoje com mais experiência você tem uma visão mais diferente do personagem e você pode empregar recurso maiores ao personagem. No futuro eu gostaria de voltar ao Batman, esse é o meu projeto para daqui três anos.

IHQ: Com essa experiência que você adquiriu, com o tempo o que você fez no passado que hoje não faria?
E.B.:
Quanto mais você vai crescendo artisticamente, mais você tem uma visão diferente, ângulos diferentes, forma de trabalhar diferente, sua visão vai sendo ampliada, hoje a minha interpretação de um roteiro é 30 vezes melhor que a 6 anos atrás quando comecei na DC Comics.

Hoje a minha forma de narrar história é bem diferente de quando comecei. Hoje trabalharia o Batman totalmente diferente de quando comecei.

Renato LebeauentrevistasComic Fair,Eddy Barrows,SupermanHoje colocaremos a entrevista completa que fizemos com Eddy Barrows durante a São Paulo Comic Fair. O quadrinhista foi uma das grandes atrações que estiveram presentes no evento, dando uma palestra e autografando para os fãs. Para quem não sabe Eddy Barrows é o atual desenhista oficial de um dos...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe