Caio Majado, professor na ABRA, ilustrador e quadrinista, apresentou uma palestra no último dia da Comic Fair sobre criação e edição de HQs. Infelizmente, a equipe do ImpulsoHQ não pode estar presente na ocasião porque muitas atrações aconteciam simultaneamente.

Mas, conseguimos realizar uma breve entrevista com o autor quando ele já estava saindo do evento. Na entrevista, Majado fala um pouco do que foi apresentado na palestra e sobre o mercado de quadrinhos, entre outras coisas. Confiram abaixo:

Impulso HQ: O que você apresentou na palestra?
Caio Majado:
Eu falei sobre o mercado independente e como produzir uma HQ para esse mercado. Desde a criação até a finalização: como fazer a concepção do roteiro; desenho; arte final; edição; venda e distribuição… Enfim, todo o processo.

IHQ: Como professor e profissional da área já a algum tempo, você consegue notar quais são as maiores dificuldades que as pessoas encontram ao longo de todo esse processo na produção de uma HQ?
C.M.:
Eu acho que para grande maioria das pessoas falta informação. Todo mundo sabe que é legal fazer o seu fanzine, mas esquece da parte de como criar esse fanzine ou uma HQ de um modo profissional. Como deixar o trabalho visualmente bonito, o porquê de contar uma história etc.

Falta essa parte técnica e também o fato de que a gente não tem uma cultura de criação na parte editorial, principalmente quadrinhos, aqui no Brasil. Acho que essa falta de informação acaba barrando muito projeto que tenta surgir.

IHQ: Você dá aula de desenho e ilustração. Quais são as maiores dificuldades dos alunos quando eles ingressam nesses cursos?
C.M.:
A falta de foco. Vejo muito pessoal mais novinho, com seus 12 aninhos, sem saber o que fazer. Ainda não sabe direito o que quer. Isso é muito complicado porque fica naquela “e ai, o que a gente manda para ele fazer?”. Essa falta de foco tem certa complicação.

IHQ: E o que você diria pra quem está começando agora, que faz ou pretende fazer HQs?
C.M.:
Eu acho que fazer, dá para fazer sem medo. Eu acho que se você tem uma história para contar – e eu sempre friso isso: a gente faz histórias em quadrinhos. História, primeiro de tudo. Se você tem uma boa história para contar, você vai procurar uma maneira profissional de como montar, editar, desenhar ou procurar colaboradores.

Você tem tudo para fazer uma ótima HQ e lançar nesse mercado ai, independente ou não. Está todo mundo ai, só precisa ter algo para contar. Se você fizer de uma maneira maravilhosamente bem, não tem o que te segure.

IHQ: Falando um pouco de sua produção, você tem alguma novidade que possa nos contar?
C.M.:
Conseqüências é o título de um trabalho independente meu, depois eu comecei a trabalhar para uma editora do sul, a Minuano, e graças a esse trabalho estou concorrendo ao HQMix [na categoria desenhista revelação]. Estou finalizando um álbum, intitulado Orixás, que vai sair em breve, acho que em setembro ele já estará nas lojas. O álbum tem sessenta e poucas páginas, roteiro do Alex Mir, arte-final do Omar Viñole e desenho meu. Depois, estarei focado no o mercado internacional, estou com alguns projetos que no momento eu não posso dizer.

IQH: É comum quem está começando querer adentrar o mercado com um trabalho autoral, mas são justamente os outros ramos (quadrinhos comerciais, institucionais etc.) que abrem mais oportunidades. Atualmente, o mercado nessas áreas mais comerciais (sem nenhuma conotação pejorativa) está contratando bem?
C.M.:
O mercado está crescendo bastante aqui no Brasil. Mas, acho que o mercado exterior é mais fácil se a sua intenção é trabalhar, receber… lá fora os brasileiros estão em alta, brasileiro é muito competente nesse lance de história em quadrinho. Inclusive saiu até reportagem no Comic Book Resources [site dedicado às HQs] falando sobre os brasileiros, porque somos muito bons. Está se abrindo um mercado muito bacana para gente e hoje em dia com a internet é muito fácil publicar lá fora. Não tem porque não publicar. Se você é bom no que faz, os caras pagam pelo seu trabalho.

__________________________________

O Impulso HQ agradece a Caio Majado pela entrevista e colaboração e a Naná Lapa, que sem ela esse post não sairia tão cedo.

As fotos deste post são de Gisele Marin.

Nota:
Como você pode perceber leitor este é mais um post referente a Comic Fair. Devido a alguns problemas os textos referentes ao evento sofreram um atraso. Mas como assumimos um compromisso de mostrar tudo o que aconteceu no evento, aos poucos iremos publicar todo o material que conseguimos. Pedimos paciência que em breve tudo será publicado.

Renato LebeauentrevistasCaio Majado,Comic FairCaio Majado, professor na ABRA, ilustrador e quadrinista, apresentou uma palestra no último dia da Comic Fair sobre criação e edição de HQs. Infelizmente, a equipe do ImpulsoHQ não pode estar presente na ocasião porque muitas atrações aconteciam simultaneamente. Mas, conseguimos realizar uma breve entrevista com o autor quando ele...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe