Com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo no Anime Friends a equipe do Impulso HQ ficou mais centrada na área destinada a Comic Fair, que já não era pequena e que também tinha várias atividades acontecendo simultaneamente.Este post vai relatar o que aconteceu de maneira geral no segundo fim de semana e ainda no final não perca a entrevista com Éber Siqueira, um dos organizadores da Comic Fair que revela para os leitores do Impulso HQ o que esperar para as próximas edições do evento.

Como era esperado a Comic Fair mudou de cara em sua segunda semana. Primeiras alterações que poderiam ser vistas logo de cara: lembra que no post anterior sobre a cobertura avisamos que a entrada de um dos acessos ao pavilhão da Comic Fair era a entrada de caravanas e que você já topava com a Fanzine Expo? Então, isso mudou!

A organização resolveu mudar os fanzineiros de local por motivos de segurança e espaço. Em sua segunda semana o número de fanzineiros aumentou e o grupo acabou sendo dividido em duas partes. Uma parte ficou logo na saída do stand da Comix Book Shop e a outra metade ficou em frente à exposição de quadrinhos raros.

Fanzine Expo dividida, mas com público

O segundo motivo da mudança de local da Fanzine Expo segunda a organização foi que colocados em frente à entrada de caravanas, a aglomeração de visitantes poderia atrapalhar os fanzineiros. Parece que as mudanças não interferiram no interesse do público que demonstrava curiosidade pelos zines.

Outra coisa que mudou foi no palco principal aonde aconteciam as palestras. Sai a tela para a projeção da primeira semana e entra a parede do próprio pavilhão! Possivelmente a mudança foi por questões visuais já que na tela além de estar longe do público a projeção ficava pequena dificultando o melhor entendimento. Projetando direto na parede a visualização ficou bem melhor.

Se na primeira semana a visitação estava meio tímida, quem contava com a tradição do Anime Friends lotar no último fim de semana acertou em cheio, principalmente no domingo! Era possível notar no pavilhão da Comic Fair muito mais público, cosplayers e compradores interessados em HQs e mangás.

Cosplayers de quadrinhos por toda parte

Alguns stands mudaram totalmente como o caso da Arena Grow, que agora além de ampliada com mais mesas para os visitantes poderem se divertir, realizava sorteios com os jogos clássicos da empresa.

Lembra a calmaria do lounge do espaço Level Up? Pois é esqueça! O lounge continuava lá com os pufs para sentar e tudo mais, só que era difícil de se conseguir alguma calma! Agora com animador em um palco menor, realizando a toda hora perguntas sobre os jogos da empresa como Grand Chase, Ragnarök, Perfect World, TheDuel levava o público a gritaria para conseguir os brindes empresa. E a gritaria era geral, ainda mais para superar o som alto que estava de fundo.

Muito movimento no “Mundo Level UP”

No “Mundo Level Up”, como os responsáveis do stand nomearam o espaço, era possível jogar em uma área que estava escondida na primeira semana. Lá montaram vários computadores onde para jogar por 15 minutos e depois ganhar um brinde só era necessário entrar na fila e esperar! No stand também tinha uma parte reservada para a Level Up Store, para os mais apaixonados pela empresa comprarem camisetas, jogos e acessórios dos games. Mas também tinha espaço para a venda de TwinBlades, livro de aventuras baseados no cenário do Brasil Ragnarök Online, produzido inteiramente aqui em nosso país.

Mas o que chamava atenção mesmo no “Mundo Level Up” era a estátua gigante onde era possível ler “Orc Brute – Allods, em breve no Brasil”. Quem quis ficar direto no stand Level Up, também pode aproveitar palestras sobre Ragnarök, Campeonato Brasileiro de Grand Chasee, pockets shows e muito mais brindes!

Estátua Orc Brute

Outra atração para quem gosta de quadrinhos era ver Mário Freire pintando ao vivo com a sua técnica de lápis de cor. O artista impressionava os visitantes que se admiravam com a habilidade de Mário.

Se na primeira semana a Comix Book Shop sempre estava cheia, no ultimo dia de Comic Fair foi necessário impedir a entrada dos visitantes para evitar aglomerações dentro do stand. E pelo jeito o público estava disposto a esperar um pouco para entrar, não era raro ver filas na porta da Comix Book Shop.

E o público também estava mais animado para participar dos Quiz Anime, dessa vez mostrando mais animação e fazendo até torcida para os participantes do jogo de perguntas sobre personagens diversos do universo mangá e anime. Mais uma vez quem ficou com a tarefa de animar o público foi o pessoal da Rádio Animix, comandados por Rodrigo Horukei. Falando na rádio, no sábado aconteceu o a premiação Troféu Animix, que premiou os profissionais da rádio.

Para quem queria ver cosplays de super-heróis o segundo fim de semana também não deixou a desejar. O pessoal da Comics Cosplay Brasil reuniu uma galera disposta marcar o aniversário de 75 anos da DC Comics, quebrando o recorde mundial de cosplayers da DC em um mesmo local. Apesar do esforço infelizmente o recorde mundial não foi alcançado, mas segundo os organizadores foi a primeira vez que o evento reuniu tantos personagens de histórias em quadrinhos em um único palco. Foram cerca de 40 cosplayers que encarnaram os seus personagens favoritos da DC!

Desfile de cosplayers de personagens da DC Comics

No mais a programação da Comic Fair se manteve com palestras com a presença de Luke Ross, Lílian Mitsunaka, Eddy Barrows, Eduardo Ferigato, Renato Guedes e outros nomes de grandes profissionais dos quadrinhos.

Rodrigo Horukei interagindo com quem assistia as palestras. Nopalco Eddy Barrows.

Pode-se dizer que a Yamato, organizadora do Anime Friends, está de parabéns por finalmente ter reservado um espaço como a Comic Fair, já que o público que frequenta o maior evento direcionado para otakus também aprecia e consome quadrinhos e mangás.

Como toda primeira edição do evento é claro que nem tudo foi redondo como os organizadores programaram, mas não podemos negar que a iniciativa é muito boa. Reunir em um mesmo evento profissionais do mercado nacional e internacional para falar de roteiro, desenhos, cores, produção e publicação de HQ e muito mais é algo que por incrível que pareça é difícil acontecer em São Paulo. Não dá para negar também que a Yamato quem condições de fazer uma segunda edição da Comic Fair bem mais estruturada e fica a pergunta no ar: será que ter um evento de quadrinhos dentro do Anime Friends foi apenas uma maneira de agregar mais público, que já não é pouco, ou a Yamato está estudando a possibilidade de fazer um evento só para os fás de quadrinhos, que com as estréias nos cinemas, vem crescendo cada vez mais?


Pelo que se pode analisar no final da Comic Fair ficou no ar a dúvida se no próximo ano no Anime Friends a Yamato vai apostar novamente na Comic Fair e como será? Houve quem perguntasse se não faltou o chamado “Know How” para a Yamato fazer um evento direcionado para quadrinhos! Se for mesmo o caso isso não será problema para uma empresa do porte da Yamato que sabe lotar um espaço como o Mart Center (que é gigante), logo se essa edição foi um laboratório, tudo indica que para a próxima a Comic Fair venha renovada. Bala na agulha a Yamato tem!

A São Paulo Comic Fair foi positiva e merece reconhecimento e tem tudo para ser o grande evento de quadrinhos de São Paulo, só precisa melhorar alguns pontos. Agora é torcer que a Yamato invista nisso!

Fila para entrar na Comix Book Shop

Mas chega de especulações. Para encerrar este post vamos direto as perguntas feitas a Éber Siqueira, um dos organizadores da Comic Fair que falou ao Impulso HQ as suas impressões sobre o resultado e o que podemos esperar para uma próxima edição. Confira:

Impulso HQ: Da onde surgiu a ideia de fazer a Comic Fair dentro do Anime Friends?
Éber Siqueira:
A ideia inicial surgiu dentro da equipe da Yamato, pensando no público grande que temos que se interessa pelos quadrinhos e vimos que não temos muitos eventos no Brasil que se interessa por esse tipo de cultura. Decidimos tentar essa iniciativa ousada porque não sabíamos que ia dar certo ou não e estamos aqui felizes em saber que as pessoas vieram e estão se interessando.

IHQ: A Yamato já é conceituada por seus eventos de animes e mangás. Como foi a reação das empresas parceiras quando vocês anunciaram uma parte exclusiva para quadrinhos? Teve alguma dificuldade no pré-evento?
É.S.:
Tivemos algumas dificuldades para conhecer melhor a cultura de quadrinhos. Corremos atrás disso há alguns meses e conseguimos os contatos com alguns desenhistas que indicavam outros desenhistas até conseguirmos chegar a grade completa do Comic Fair.

IHQ: Percebe-se que a Comic Fair foi setorizada com os espaços direcionados para os fanzines, exposição, palestras, lounge e os stands. Mas também há a presença de stands como Mundo Tagima, Level Up, Grow e outras empresas que não são ligadas aos quadrinhos. Por que reuni-las na Comic Fair?
É.S.:
Uma das ideias principais quando pensamos no evento foi que era para atingir um público global e não apenas os desenhistas, daí surgiu a proposta de reunirmos em um mesmo espaço empresas que gerassem interesse do público, tanto de quadrinhos como a Comix Book e a Panini, assim você pode comprar o seu quadrinho com desconto e assistir as palestras, e outras que atraíssem mais um público geral para que as pessoas viessem até a Comic Fair.

Espaço Arena Grow

IHQ: Como vocês definiram a grade de programação das palestras e workshops?
É.S.:
Inicialmente conseguimos o contato com o desenhista Caio Majado que nos indicou nomes e empresas que trabalham com quadrinhos como a escola Impacto Quadrinhos e o coletivo Quarto Mundo. Nós entramos em contato e visitamos pessoalmente para colocar a idéia do projeto em pauta. Então formamos mais esse evento com parcerias e não com contratos. Como o nosso objetivo inicial e verdadeiro é divulgar a cultura de quadrinhos, conseguimos transformar o evento em uma grande parceria.

IHQ: Há quem diga que esse é um teste para a Comic Fair e que a intenção é analisar se ela poderia ser realizada fora do Anime Friends. Isso é boato ou tem algum fundamento essa afirmação?
É.S.:
A ideia inicial é transformar o evento em algo isolado e único chamado Comic Fair mesmo. Essa edição é um teste que estamos fazendo. Se tudo der certo e o público aprovar, ano que vem teremos uma edição da Comic Fair, como um evento independente, mantendo toda essa estrutura e se possível com mais profissionais participando.

__________________________________________

É isso leitor, e não perca que durante essa semana tem mais posts sobre a Comic Fair! Parece preguiça de nossa parte, mas tem tanto material que parece que não vai acabar nunca!

Só para vocês saberem ainda falta a cobertura da palestra de Lílian Mitsunaka, Luke Ross, Eduardo Ferigato e Carolina Munhoz. E acha que é só isso? Teremos ainda as entrevistas com Caio Majado, Daniel Esteves, Eddy Barrows, Klebs Jr. e Mário Freire.

Tentaremos colocar tudo isso essa semana, então fique ligado no Impulso HQ, enquanto isso confira o que já saiu sobre a Comic Fair:

Palestra Klebs Jr. na Comic Fair: Como Foi

Palestra Manoel de Souza na Comic Fair: Como foi

Entrevista: Will – Quarto Mundo

Rod Reis na Comic Fair: Como foi

Palestra Emílio Baraçal na Comic Fair: Como foi – Parte 2

Palestra Quarto Mundo na Comic Fair: Como foi

Um gaijin no universo otaku

Fanzine Expo na Comic Fair

Exposição de HQs Raras e Comic Lounge na Comic Fair – Entrevista com Alexandre Callari

Palestra Fabrízio Yamai na Comic Fair: Como foi

Entrevista: Logan Barros – Modelismo e Molde

Palestra Emílio Baraçal na Comic Fair: Como foi

Comic Fair 2010: Como foi – primeira parte

Galeria de imagens:

Fotos de Gisele Marin, Ítalo Cesar e Renato Lebeau

Renato LebeauentrevistasAnime Friends,Éber Siqueira,Comic Fair,Grow,Level UpCom tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo no Anime Friends a equipe do Impulso HQ ficou mais centrada na área destinada a Comic Fair, que já não era pequena e que também tinha várias atividades acontecendo simultaneamente.Este post vai relatar o que aconteceu de maneira geral no segundo fim...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe