savio

Apresento um cara muito especial que conheci no orkut. Quando eu era criança eu criava muitos personagens. E achava que eles eram bons, mas Sávio é uma máquina de criar personagens!

Às vezes algo feito com poucos recursos diverte mais do que algo elaborado, pois os desenhos do Sávio trouxeram um sorriso ao meu rosto!

O ser humano possui muitas faces, e uma delas é a de inventar histórias, algo que o Sávio faz muito bem! Fiquei impressionado com o número de personagens criados por ele.

Guardem esse nome, vai dar o que falar!

Rod Gonzalez: Em que cidade nasceu, quantos anos tem e o que faz da vida?
Sávio Cristofoletti:
Brasília-DF, 25 anos, estudante inativo no momento (pretendo fazer mais alguns cursos de Artes; mas não agora; embora eu teoricamente trabalhe sem renda alguma).

R.G.: Quando começou a gostar de histórias em quadrinhos?
S.C.:
Foi quando eu ainda era criança. Agora como comecei a criar personagens em 1992, devo ter mesmo me interessado nesta época.

R.G.: Lembra do 1o gibi que leu?
S.C.:
Não me lembro, mas se bobear, deve ter sido um da Mônica…

R.G.: Quando começou a desenhar e quando fez a sua primeira história?
S.C.:
Bom, comecei a desenhar em 1988, em 1992 criei minha primeira personagem, em 1994 passei a escrever as histórias, em 2000 passei a escrever efetivamente, em 2003 iniciei as primeiras revistas, daí fiz mais algumas em 2005. Logo de 2006 em diante, continuei seguindo.

02

R.G.: Qual o primeiro personagem que inventou?
S.C.:
Rapaz, a primeira personagem (com o perdão da correção, mas personagem é uma palavra feminina. Primeiro por pela regra gramatical, palavras com agem ao final serem femininas [apesar de que há uma exceção que não é esta, mas esqueci qual agora], segundo por derivar de “persona” [pessoa em espanhol, italiano e latim]).

Minha primeira personagem no caso foi o Palhaço Palhoça, em 1992. Eu o integrei a um projeto sem nome em 1996, e em 2007, eu batizei este mesmo projeto como “Cartuns Insólitos”.

Depois, vieram a vilão Ofídia Ígnea, em 1993 (embora ela fosse só uma mascote das Olimpíadas na Escola em que estudei, mas dei nome a ela em 2009 e decidi utilizá-la normalmente), seguida da dupla Albert & Einstein, em 1994 (que são minha principal criação mesma).

R.G.: E qual o primeiro super-herói que criou?
S.C.:
Deve ter sido Ninjete o Herói Místico, de 1994, embora O Homem-Robóreo e mais alguns também sejam do mesmo ano, mas investi bem mais mesmo no Ninjete (inclusive, tenho comigo alguns contos escritos e não-desenhados com ele bem antigos).

A principal filiação dele é a Unihero ― A União Heróica, fundada ao lado do Homem-Robóreo, e também d’O Renomado Capitão Combo, este último criado em 2000 . Mas ele ainda é membro de mais algumas, entre elas: EQN ― O Esquadrão Ninja (na qual ele é o líder), MegaUniHero (extensão da UniHero original, reunindo mais de 56 membros, inclusive os ocasionais e reservas sem contar diversos aliados e parceiros), Operatur ― A Operação Turbo (com um enredo um pouco mais próximo daqueles jogos de luta japoneses) e o Capitão Skatista (o qual também é associado a diversos outros membros da MegaUniHero, inclusive dividindo alguns vilões e parceiros).

Apesar de que no começo, ele era solo, mas ele agora aparece mais mesmo secundário da dupla Albert & Einstein e também como parceiro indesejável de outro herói meu que surgiu justamente no cenário da dupla, Cuca o Detetive.
01
R.G.: Sua HQ sobre uma prostituta deu muita polêmica, gerando até conflitos familiares. Como foi essa historia?
S.C.:
A polêmica geralmente é criada por outra gente, eu expresso minhas idéias e pensamentos como posso, como quero e como sei, mas procuro não causar desrespeito, nem baixar o nível, se é que você me entende!

Há algumas sinopses dela bem aqui, (deixo também um link com as sinopses e capítulos de meus livros), mas retomando sua dúvida, foi o seguinte: eu gosto de escrever com temáticas que sejam mais pertinentes e propensas aos jovens.

Primeiro porque eu sabia que um dia seria um e acabei sendo e segundo pelo motivo de que os jovens são pessoas com meio caminho dado de formação geral de vida e eu ter temas a partilhar com eles!

Apesar de eu ser comumente rotulado como autor infantil, procuro usar temáticas um pouco mais próprias e próximas dos jovens, tanto que há coisas que crianças podem não assimilar com a mesma complacência e sutileza do que aos jovens, tanto que só para citar um exemplo, a flautista Renata Romano (da banda musical Os Romanoz que escrevo) no começo falava muito palavrão e difamava a família toda, e os jovens podem muito bem se lembrar que é na infância que eles começam a aprender a usar ofensas com pessoas de nível maior (claro que só me refiro aos jovens que realmente têm este perfil!).

Quando criei A Prostituta e a mostrei ao meu pai, ele atestou que ela só faz coisa errada, e que as coisas que ocorrem na HQ que mostrei a ele são impossíveis de ocorrer e mesmo levando em conta ser só ficção, também que a história é muito surreal dentro da proposta dela!

mulher_coelgo

Só não aceitei a reclamação de que havia muitas cenas de sexo e violência, pois HQs eróticas são assim mesmas, e eu ainda avisei na capa!

Minha mãe no começo também reprovou, mas ela acabou aceitando melhor após muito tempo!

Mas a opinião deles me é extremamente aceita e válida, tanto que não sinto rancor ou ressentimento com certas análises da parte de ambos, porém ele mesmo achou genial um livro de Auto-Ajuda que escrevi (minha mãe fez praticamente o contrário: gostou, mas achou ter deixado a desejar nalguns aspectos…)

Também como falei a eles: achei ótimo um Internauta anônimo me parabenizar num de meus “blogs” por escrever HQs adultas, dizendo que muita gente pensa que HQs são só uns caras de malhas socando uns vilões, pena que o perfil dele seja privado e eu não pudesse agradecê-lo diretamente.

R.G.: Quantos personagens você já criou?
S.C.:
Pergunta bem interessante e pertinente, tenho uma lista parcial bem aqui.

Pretendo atualizar esta lista em poucas semanas, além disto, tenho imagens de quase todas as personagens de meus livros bem aqui, além de que muito em breve, colocarei imagens com boa parte das citadas no 1°. “link” deste tópico e muitas outras inéditas bem aqui, mas tenho muitas delas bem aqui, embora neste “link”, eu misture imagens delas com de outras coisas que se relacionem às minhas obras, num total de mais de 1.000 imagens.

Como sabe, sou autor de livros, quadrinhos, poemas, desenhos, pinturas, contos, crônicas, piadas, letras musicais, roteiros, charges; etc.. daí somando tudo isto, creio serem mais de 500, incluindo: a dupla Albert & Einstein, o grupo Os Amigos do Universo, a banda Os Romanoz, Márcia a Prostituta, o lutador Joca ‘Rateca, o híbrido Ciber-Soldado, Joel Comar o Cineasta, a serpente Ofídia Ígnea e Louan Motti; Hermafrodita.

As histórias d’A Prostituta e de Louan Motti surgiram em estilo gibi, as de Joca ‘Rateca por sua vez surgiram em estilo manga, destoando um pouco do estilo comics!

Além disto, eu também desenho a mim mesmo como Sávio o Desenhista, novamente em estilo gibi!

03

R.G.: Quem são os leitores dos seus quadrinhos?
S.C.:
Como você também sabe, eles não estão publicados por enquanto, embora hajam centenas de amostras deles na Rede, mas meus pais (os primeiros a opinarem após um irmão meu que morava aqui comigo), 2 de meus 3 irmãos (ambos moram em minha cidade, o outro é de Brasília mas ainda pedirei melhor a opinião dele quando o vir novamente), alguns tios e primos meus (praticamente todos os do lado de mãe que moram por aqui e alguns do lado de pai que são de São Paulo), e uns poucos amigos próximos (incluindo colegas de trabalho e gente de fora) já leram revistas que já fiz mesmas (quase todas elas de HQs propriamente, outras não exatamente) e também livros.

Um amigo meu de longa data também acha que sejam para crianças, agora um irmão meu que morava comigo até gostava bastante do que faço; inclusive já tendo me sugerido diversas correções e melhorias!

R.G.: Minha personagem sua preferida é a Mulher Coelha, me conte sobre ela, qual foi a sua inspiração?
S.C.:
Bom, eu tenho um segredo sobre ela: eu escrevi (escrevi e não desenhei) umas poucas histórias dum outro super-herói que seria na realidade primário e sendo ela a parceira em 1998: O Homem-Coelho, que no começo, chamavam-se Paulo Coelho e Paula Coelho; nomes dum escritor muito famoso e duma antiga colega minha de escola (risos).

Também seria ele próprio o responsável pelos poderes dela depois, mas eu não gostei mais dele e parei de utilizá-lo, tanto que ele não é citado em nenhum de meus Sites…

Depois, surgiu a oportunidade de utilizar A Bela Mulher-Coelha como sendo interesse romântico d’O Capitão Combo, mas eu escrevi o argumento e não pude fazer dele uma HQ; tanto que pretendo deixar alguém escrever a HQ em meu lugar!

Depois, ela fez uma ponta na parte 0 da minissérie da UniHero, que por sinal, até agora foi minha única minissérie; só que depois, eu a introduzi regularmente nalgumas revistas!

Não me lembro de onde tirei a inspiração, mas como gosto muito de coelhos e nunca tive visto heróis parecidos, eu a criei; também mais um detalhe: ela se chamava Mulher-Coelho até eu saber existirem homônimas na Internet…

05

R.G.: Das pessoas mais próximas (amigos, familiares, etc…) quem mais lê suas HQs, fora o pessoal da Internet?
S.C.:
Devem ser meus pais mesmos, mas um amigo meu (desenhista também, é o co-criador da poetisa Mariazinha, além de atuar nas revistas Almanaque Gótico, Boca do Inferno, Capitu Magazine, e outros livros e revistas mais) se encontra comigo algumas vezes, e eu acabo mostrando bastante a ele…

R.G.: Você me mandou um fanzine seu com uma HQ de campanha contra a dengue. Como foi essa história?
S.C.:
Não é bem um Fanzine, até por ser estrelado por uma personagem normal minha (no caso, Fido o Cão), foi a amostra mais fácil de enviar a você, é uma HQ que mantém meu estilo próprio; como todas as outras…

Eu gosto muito de Ecologia, inclusive em meu BlogSpot, há uma seção citando minhas HQs ecológicas, e como a Dengue é um tema que não sai da atualidade, simplesmente optei por me aproveitar sobre ele no bom sentido…

Não sou de fazer fanzines, mas gosto de fazer sátiras bem escrachadas como uma com este título: “Os Porquinhos e A Chapeuzinho ― Uma Viagem Para o Havaí”…

R.G.: Qual seus super-herói brasileiro favorito? (não vale um seu)
S.C.:
Evidente que não vale, mas a verdade é que nem existem muitos mesmos assim para se citar… Agora, não sei se você fala de super-heróis criados por brasileiros ou criados como morando no Brasil.

Responderei as 2 então: criação brasileira é o Capitão Ninja do UFO Team (para citar somente um, não uma equipe), porque ele é muito louco e divertido.

Já criação estrangeira residente no Brasil, é o Blanka de Street Fighter; pois ele é bem atirado e rebelde.

R.G.: Quais seus quadrinhistas favoritos?
S.C.:
Você se refere aos autores certo? Gosto muito do Ziraldo, César Sandoval de A Turma do Arrepio, um que não sei o nome, mas criou uma revista que acho que nem passou do n°. 1 que era Arquivo Cãofidencial (nada a ver com o desenho da Hanna-Barbera), Marcelo Cássaro da Dragão Brasil, um amigo meu chamado Fábio Turbay que é co-criador da Mariazinha,  Stan Lee da Marvel, Alex Ross da DC, Paul Murry da Disney, Albert Uderzo que criou o Asterix juntamente a René Gorciny, Jim Davis do Garfield, e mais alguns outros…

R.G.: Coleciona revistas em quadrinhos? Quais?
S.C.:
Mais ou menos, eu gosto muito de alguns nacionais como, por exemplo O Pequeno Ninja, Monster Allergy, Angus, A Turma do Arrepio, um de piadas de nome Caraca, e outros mais.

Tenho boa parte dos especiais do Batman e heróis associados, todos os do RoboCop que não são muitos, e mais uns poucos de outros heróis estrangeiros, mas pretendo comprar os do Tarzan.

04

R.G.: Gosta de ler livros? Qual o seu favorito?
S.C.:
Gostar eu até gosto, mas não tenho lido muito por razões diversas… De Não-Ficção, é “Timidez”, de Bernard J. Garducci. Já de Ficção, gosto muito de um bem recente que no momento esqueci o nome, mas é sobre os melhores contos escritos por autores do Espírito Santo e vende lá na Logos Livraria.

Agora, para você que também é desenhista, eu recomendo os seguintes (nem que seja para indicar a desenhista iniciantes, ou apenas por pura curiosidade): “Mangá ― Como o Japão Reinventou os Quadrinhos” (Paul Gravett), Almanaque dos Quadrinhos ― 100 Anos de Mídia Popular” (Carlos Patati e Flávio Braga), “Desvendando os Quadrinhos” (Scott McCloud), “Desenhando Quadrinhos” (Scott McCloud), e Red Rocket 7 ― A Saga do Rock” (Mike Alred).

R.G.: Qual seu maior sonho?
S.C.:
Sonho real ou fantasioso? Bom, quero estar entre os 100 maiores autores de livros e quadrinhos brasileiros, também entre os 100 maiores compositores brasileiros, não falo de minhas pinturas por não saber se quero ganhar algo com elas, este é o sonho que espero se tornar real!

Já quanto ao fantasioso, quero ser pai algum dia, mas acho que não sirvo e continuarei não servindo para tanto, por algumas razões próprias, mas quem sabe…

R.G.: Eu acho que seus personagens são os melhores já criados no Brasil. Pra mim você é o maior criador de personagens que já existiu. Você é o futuro da HQ nacional. Parabéns! O que você pensa sobre seu futuro nas HQs, acredita nele?
S.C.:
Agradeço e demais até, mas apesar de meu estilo ser bem autêntico e próprio, não sei se há ou deverá ainda ter alguém melhor do que eu. Eu não estou preocupado em ser rico e famoso, nem em ser pobre e anônimo.

Gosto demais de fazer o que faço, e se eu publicar e receber sustento através de minhas obras, ser famoso ou anônimo me será apenas um detalhe!

E aqui deixo um link falando sobre o que eu produzo, nele você encontra outros links sendo os principais aqueles com o nome da dupla Albert & Einstein e também meu perfil de divulgação de HQs: “Sáviø. Divulgação” (contendo as Comunidades de que sou dono na Página de Recados). Até a próxima!

_________________________________

O Impulso HQ agradece mais uma vez a Rod Gonzalez por sua gentileza em enviar a entrevista e permitir que ela seja publicada.

Renato LebeauquadrinhosRod Gonzalez,Sávio CristofolettiApresento um cara muito especial que conheci no orkut. Quando eu era criança eu criava muitos personagens. E achava que eles eram bons, mas Sávio é uma máquina de criar personagens! Às vezes algo feito com poucos recursos diverte mais do que algo elaborado, pois os desenhos do Sávio trouxeram...O Impulso HQ é um site dedicado à cultura geek e traz, diariamente, novidades sobre quadrinhos, cinema e games, além de conteúdo em vídeo. Somos nerds a serviço do seu entretenimento. Bem-vindo!
Compartilhe